X

Olá, faça o seu cadastro para ter acesso a este conteúdo

*Você não será cobrado

Login

Esqueci minha senha

Não tem conta? Acesse e saiba como!

Atualize seus dados

Em reunião com embaixadores, Bolsonaro faz acusações às urnas e ao TSE

Presidente voltou a fazer acusações sobre a segurança e a confiabilidade do sistema eleitoral brasileiro

Redação A Tribuna | 19/07/2022 14:56 h

O presidente  criticou novamente 
as urnas eletrônicas em evento com embaixadores
O presidente criticou novamente as urnas eletrônicas em evento com embaixadores |  Foto: Reprodução / Redes Sociais
 

O presidente Jair Bolsonaro usou a reunião com embaixadores, na segunda-feira (18), para criticar às urnas eletrônicas e colocar em dúvida o processo eleitoral brasileiro. Porém, ele não apresentou provas. 

Em discurso, o chefe do Executivo voltou a fazer acusações  sobre a segurança e a confiabilidade do sistema eleitoral brasileiro, além de criticar o Supremo Tribunal Federal (STF) e o Tribunal Superior Eleitoral (TSE). 

“Quando se fala em eleições, vem à nossa cabeça transparência. E o senhor Barroso (Luís Roberto Barroso, ex-presidente do TSE), também como o senhor Edson Fachin (presidente do TSE), começaram a andar pelo mundo me criticando, como se eu estivesse preparando um golpe. É exatamente o contrário o que está acontecendo”,  afirmou Bolsonaro. 

“Não é o TSE que conta os votos, é uma empresa terceirizada. Acho que nem precisava continuar essa explanação aqui. Nós queremos obviamente, estamos lutando para apresentar uma saída para isso tudo. Nós queremos confiança e transparência no sistema eleitoral brasileiro”, disse o Presidente.

Fraude

Especialistas, porém, afirmam que nunca houve fraude nas eleições brasileiras desde que as urnas eletrônicas foram implantadas, em 1996. Ao contrário do que o Presidente disse, a contagem de votos é feita pelo próprio TSE.

Bolsonaro decidiu se encontrar com embaixadores depois que o ministro Edson Fachin fez uma reunião com algumas representações e, segundo o Presidente, ter atacado a Presidência da República de forma indireta. 

Ele chegou a chamar a iniciativa do ministro de “estupro à democracia”.

Quer receber as últimas notícias do Tribuna online? Entre agora em um de nossos grupos de Whatsapp

Quer receber as últimas notícias do Tribuna online? Entre agora em nosso grupo do Telegram

MATÉRIAS RELACIONADAS