search
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

Política da boa vizinhança
AT em Família

Política da boa vizinhança

 (Foto: Thiago Coutinho/AT)
(Foto: Thiago Coutinho/AT)

Viver em condomínio não é uma tarefa das mais fáceis. Você lida com pessoas totalmente diferentes, com costumes e horários diferentes, com crianças de todas as idades e animais domésticos circulando pelas áreas comuns.

Teoricamente, o próprio conceito de condomínio determina que é preciso estabelecer uma relação saudável com os vizinhos e com a comunidade ao seu redor.

Algumas regrinhas não estão escritas, mas fazem parte de um comportamento positivo, de uma atitude de boa-fé em relação às pessoas que estão à nossa volta.

“O cachorro fez xixi no lugar errado e o tutor não limpou”, “o carro do vizinho X invadiu a vaga do vizinho Y”, “a fulana anda de salto alto pela casa no meio da madrugada”.

Essas queixas tão comuns não devem ser feitas diretamente entre um vizinho e outro para evitar discussões acaloradas, ensinou o superintendente do Conselho Regional de Administração do Espírito Santo, Pedro Prêmoli.

“Quando as reclamações são feitas diretamente entre um morador e outro, fica mais difícil buscar solução porque cada um está ‘na sua razão’. Quando a reclamação vai através do síndico, que atua como um conciliador, o resultado é mais rápido e apropriado porque ele ajuda as pessoas a raciocinarem de forma lógica, e não emocional”, explicou Prêmoli.

O advogado especialista em Direito Condominial Pacelli Arruda Costa lembrou que bom senso é essencial em uma relação dentro do condomínio.

“A vida em condomínio é uma vida em comunidade, então as pessoas precisam ter capacidade de compreender a posição do outro e ceder, na medida do possível, em busca da paz social”, avaliou o especialista.

Hoje, muitos vizinhos estão criando grupos de WhatsApp para conversarem sobre o prédio e os especialistas alertam: a ferramenta é ótima e válida, desde que as pessoas se atenham a assuntos como marcação de reuniões, limpeza de áreas comuns, uso de salão de festas, manutenção de elevadores, de portões e medições diversas. Então, nada de briga ou reclamação pelo aplicativo.


Olá, !

Esse é o seu primeiro acesso por aqui, então recomendamos que você altere o seu nome de usuário e senha, para sua maior segurança.



Manter dados