X

Olá, faça o seu cadastro para ter acesso a este conteúdo

*Você não será cobrado

Login

Esqueci minha senha

Não tem conta? Acesse e saiba como!

Atualize seus dados

Polícia investiga morte de menino de 4 anos, enteado de vereador do Rio

| 18/03/2021 18:50 h

 (Foto: Freepik)
(Foto: Freepik) |  Foto: (Foto: Freepik)

A polícia do Rio de Janeiro investiga a morte do menino Henry Borel Medeiros, 4, enteado do vereador Jairo Souza Santos, conhecido como Dr. Jairinho (Solidariedade), e filho de sua namorada, a professora Monique Medeiros. O caso ocorreu no último dia 8, na Barra da Tijuca, na zona oeste carioca.

O laudo de necropsia, obtido pela TV Globo e confirmado pela reportagem, mostrou que a criança já chegou morta ao hospital e que as causas do óbito foram "hemorragia interna" e "laceração hepática" (lesão no fígado), produzidas por uma "ação contundente" (violenta).

Além disso, os peritos do Instituto Médico Legal concluíram que ele tinha hematomas nos membros superiores, hematomas e sangue no abdômen, infiltração hemorrágica no crânio, edemas (inchaço por excesso de líquido) no cérebro, contusão no rim e trauma com contusão no pulmão.

Questionada, a Polícia Civil informou apenas que "as investigações estão a cargo da 16ª DP (Barra da Tijuca) e correm sob sigilo". O advogado de Dr. Jairinho, André França, respondeu que só vai se pronunciar oficialmente ao vivo, para uma rede de televisão ainda não definida.

O pai de Henry, o engenheiro Leniel Borel de Almeida, disse em entrevista ao RJ2 que está separado da mãe do menino e que esteve com o filho no fim de semana anterior à morte dele. No sábado (6) foram a uma festa e no domingo (7) à noite o deixou de volta na casa na mãe, na Barra da Tijuca, onde a criança chorou muito, como de costume.

Horas depois, de madrugada, Leniel recebeu uma ligação de Monique dizendo que ela e Dr. Jairinho estavam levando Henry às pressas ao Hospital Barra D'Or. Quando chegou, o pai relatou que viu "os médicos em cima do coração do menino" e que perguntou à mãe o que havia acontecido.

"Falaram que houve um barulho, foram lá ver o que estava acontecendo, e quando chegou lá o menino estava revirando o olho com dificuldade de respirar, [como se o menino estivesse] tendo um ataque cardíaco", afirmou ele, que depois foi orientado a procurar a polícia e pedir o laudo pericial.

O padrasto e a mãe do menino prestaram depoimento por cerca de 12 horas entre a tarde desta quarta (17) e a madrugada desta quinta (18). Falaram separadamente, como testemunhas, e não quiseram conversar com jornalistas na entrada nem na saída da delegacia.

Eles eram os únicos no apartamento quando o incidente aconteceu. Imagens obtidas pela Globo mostram que no dia anterior o menino estava bem, sem lesões aparentes, em um shopping onde esteve com o pai e quando chegou ao condomínio da mãe.

O vereador Dr. Jairinho ainda não se pronunciou publicamente sobre o caso, mas em nota ao jornal Extra afirmou estar "triste", "sem chão" e "suportando a dor graças ao apoio da família e dos amigos". O parlamentar descreveu o enteado como "um menino incrível e doce".

"As autoridades estão apurando os fatos e vamos ajudar a entender o que aconteceu. Toda informação será relevante. Por isso, acho prudente primeiro dizer na delegacia a dinâmica dos fatos, até mesmo para não atrapalhar os trabalhos desenvolvidos", escreveu ele antes de depor.

Dr. Jairinho, 43, é médico e foi eleito vereador do Rio pela primeira vez em 2004, aos 27 anos, pelo PSC. É autor, por exemplo, da lei que baniu o uso de canudos de plástico na cidade.

Ele é filho do ex-deputado estadual Coronel Jairo, que foi apontado como miliciano na CPI das Milícias e teve o nome envolvido nas investigações sobre a tortura de uma equipe do jornal "O Dia" na Favela do Batan (zona oeste), em 2008. O então deputado negou envolvimento com o caso.

Coronel Jairo chegou a concorrer à reeleição em 2018, mas perdeu. No mês seguinte, foi preso preventivamente na operação Furna da Onça por suspeita de corrupção e fraude em licitações. Está solto desde novembro de 2019, após habeas corpus concedido pelo Tribunal Regional Federal da 2ª Região.

Quer receber as últimas notícias do Tribuna online? Entre agora em um de nossos grupos de Whatsapp

MATÉRIAS RELACIONADAS