Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

Polícia Federal vai investigar abusos na greve de motoristas

Notícias

Greve dos motoristas

Polícia Federal vai investigar abusos na greve de motoristas


Ponto na Avenida Jerônimo Monteiro, no Centro de Vitória: frota de ônibus foi abaixo do acordado (Foto: Leone Iglesias/Arquivo AT 03/12/18)
Ponto na Avenida Jerônimo Monteiro, no Centro de Vitória: frota de ônibus foi abaixo do acordado (Foto: Leone Iglesias/Arquivo AT 03/12/18)

Depois de um dia de caos, com radicalização da greve impedindo o direito de ir e vir, 11 ônibus apedrejados e passageiros feridos durante ataques em coletivos, a paralisação dos motoristas e cobradores, iniciada na última segunda-feira, chegou ao fim. Mas os abusos cometidos serão investigados pela Polícia Federal.

O pedido foi feito pelo Ministério Público Federal no Espírito Santo (MPF-ES), que requisitou que seja instaurado um inquérito para apurar a autoria dos crimes contra organização do trabalho ocorridos durante o movimento paredista dos rodoviários.

No entendimento do MPF-ES, os responsáveis podem responder por três crimes previstos no Código Penal: constranger alguém mediante violência; participar de abandono coletivo de trabalho; e participar de suspensão coletiva de trabalho, provocando a interrupção de serviço de interesse coletivo – como é o caso do transporte público.

Somadas, as penas previstas podem chegar a quatro anos de prisão e multa, se condenados. A investigação será conduzida pela Polícia Federal por causa do tipo do crime. Segundo o MPF-ES, compete à Justiça Federal processar e julgar crimes contra a organização do trabalho. O prazo para conclusão das investigações é de 90 dias.

A Polícia Federal informou que, apesar de a greve ter acabado, os danos causados precisam ser apurados com rigor.

Em audiência de conciliação, os rodoviários conseguiram aumento de 4,6% no salário, no tíquete-alimentação e no plano de saúde. Assim, os ônibus voltaram às ruas gradativamente, mas na noite de ontem havia muitas queixas de usuários. A promessa é que hoje tudo esteja normalizado.
Fontes do órgão disseram que irão analisar os fatos com muita cautela, pois isso servirá de exemplo para inibir eventuais radicalizações de movimentos grevistas.

A investigação buscará identificar autor ou autores que praticaram condutas consideradas reprováveis, como atos de vandalismo, e aqueles que ordenaram ataques.

Para auxiliar nas investigações, todas as provas serão fundamentais. Elas incluem imagens de câmeras dos ônibus e até filmagens de celulares feitas por testemunhas.

Procurado na terça, Lúcio Lima, porta-voz do Sindicato dos Trabalhadores em Transportes Rodoviários no Estado (Sindirodoviários), limitou-se a dizer que apoia as investigações e deseja que os culpados sejam punidos.

Veja a reportagem completa, sobre os efeitos da Greve dos Rodoviários no Estado, no Jornal A Tribuna desta quarta-feira (05).


Olá, !

Esse é o seu primeiro acesso por aqui, então recomendamos que você altere o seu nome de usuário e senha, para sua maior segurança.



Manter dados