search
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

Plásticas que os homens mais fazem
AT em Família

Plásticas que os homens mais fazem

 (Foto: divulgação)
(Foto: divulgação)

Recorrer ao bisturi para melhorar a aparência é coisa de mulher, certo? Errado! De acordo com a Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica, o número de homens interessados em procedimentos cirúrgicos pulou de 5% para 30% nos últimos cinco anos.

O cirurgião plástico Eduardo José Passamai lembrou que o homem é mais objetivo que a mulher, chega ao consultório já sabendo exatamente o que quer, mas se submete menos às cirurgias porque têm muito medo de sentir dor.

O médico contou que opera, em média, dois pacientes homens por semana e grande parte dessas cirurgias é para correção das mamas (ginecomastia), do abdômen (abdominoplastia) e das pálpebras.

O tipo de cirurgia varia de acordo com a faixa etária. Enquanto o adolescente faz ginecomastia, correção de orelha de abano e de nariz adunco, na faixa dos 20 a 40 anos a maioria prefere a lipoaspiração e a cirurgia de nariz.

Já dos 40 até os 50 anos, há uma incidência maior de cirurgias de pálpebra e de implante capilar. E depois dos 50, com os primeiros sinais de envelhecimento, a tendência é os homens recorrerem ao lifting facial.

Na opinião do cirurgião plástico Ariosto Santos, os homens ganharam confiança, autoestima e perceberam que a cirurgia não é só para mulheres.

“Houve uma mudança no perfil masculino. Eles estão menos inseguros. Percebem os resultados cada vez mais naturais da cirurgia plástica em familiares e amigos e decidem fazer também”, disse o médico.

O especialista explicou que, normalmente, os homens chegam ao consultório querendo operar num dia e já estar totalmente recuperado no dia seguinte, o que pode comprometer o resultado final.

“O homem é mais impetuoso, quer melhorar logo e acaba não respeitando o pós-operatório”, salientou Ariosto.


 


Olá, !

Esse é o seu primeiro acesso por aqui, então recomendamos que você altere o seu nome de usuário e senha, para sua maior segurança.



Manter dados