Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

Peeling no verão, por que não?
AT em Família

Peeling no verão, por que não?

Por Luciana Pimentel

 (Foto: Kadidja Fernandes/AT)
(Foto: Kadidja Fernandes/AT)

Quem quer ter uma pele bonita, com viço e bem tratada deve cuidar dela o ano todo. Hoje, com os avanços da cosmetologia, já existem peelings menos agressivos que podem (e devem!) ser realizados durante o verão.

A esteticista Sandra Tannure explicou que esse é o caso do peeling de ácido glicólico. “Basta fazê-lo em concentrações mais baixas, de maneira mais superficial, mas mesmo assim a pessoa não deve expor o rosto diretamente ao sol”, ressaltou a especialista.

Ela lembrou que esses ácidos não promovem a descamação, mas deixam a pele com brilho e hidratada. “Isso é muito importante para manter a pele bonita no verão”, ressaltou.

Para a alta estação, a dermatologista Thaiz Rigoni recomenda outros dois tipos de peeling: de Romã e o de Verochic.

“O peeling de Verochic é um tipo de ácido inovador, desenvolvido e fabricado na Itália, quimicamente chamado de ácido shiquímico. Ele é mais potente que o ácido glicólico, porém não produz irritação e inflamação, é capaz de renovar toda a camada córnea da pele, além de combater os micro-organismos que causam a acne. É indicado para tratamento das peles mais jovens que geralmente são mais oleosas e com acne”, disse a médica.

O Verochic, inclusive, é o preferido da servidora pública federal Silvana Thebaldi, 50. “Como corro no sol, minha pele fica manchada e por isso cuido dela o ano todo. Adoro o Verochic, pois ajuda a melhorar a textura da pele”, destacou Silvana.

Já o peeling de Romã é excelente para as peles com mais de 40 anos, pois além de esfoliar toda a superfície, seus antioxidantes penetram profundamente e realizam uma verdadeira limpeza das toxinas e radicais livres que causam o envelhecimento.

A dermatologista Julianne Wagmacker destacou que a ação desses peelings é apenas nas camadas mais superficiais da pele, estimulando assim a esfoliação e a renovação celular.

“Esses tratamentos melhoram manchas, cravos, rugas finas, promovem o rejuvenescimento e disfarçam poros dilatados, além de dar mais viço à pele, trataras estrias e estimular a produção de colágeno”, pontuou a médica, lembrando que o uso de protetor solar jamais deve ser dispensado.


Olá, !

Esse é o seu primeiro acesso por aqui, então recomendamos que você altere o seu nome de usuário e senha, para sua maior segurança.



Manter dados