Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

Peça sobre Maestro João Carlos de Souza é mantida

Entretenimento

Entretenimento

Peça sobre Maestro João Carlos de Souza é mantida


Apesar das fortes chuvas que caíram no Estado neste sábado (18), o drama musical “Concerto para João”, que leva a vida do maestro João Carlos Martins para os palcos, está mantido no Teatro da Ufes, em Goibeiras, na Capital. 

Maestro no bate papo e agradece o público capixaba pela presença na sessão de sexta (Foto:  Vítor Zorzal)
Maestro no bate papo e agradece o público capixaba pela presença na sessão de sexta (Foto: Vítor Zorzal)

O espetáculo será apresentado no sábado e domingo (19), às 20h e 18h, respectivamente. Nas apresentações, o maestro promete surpresas para o final das sessões do espetáculo estrelado e dirigido por Cassio Scapin. 

A peça

O emocionante exemplo de talento, genialidade e superação de João Carlos Martins inspira o espetáculo teatral “Concerto Para João”, com direção de Cassio Scapin – que também protagoniza a montagem – e texto de Sérgio Roveri.

A encenação se passa durante uma das várias cirurgias às quais o pianista foi submetido para tentar continuar tocando. Dividido entre o sono da anestesia e a vigília, ele revive alguns de seus grandes concertos, narra os inúmeros episódios de superação e recebe a visita de um homem misterioso, com quem estabelece uma relação humana e musical.

O próprio maestro João Carlos ficou surpreso com o texto. “Por nunca ter conversado com o Sérgio Roveri na vida, impressionei-me muito com a peça. Parece que ele esteve dentro da minha alma desde os 18 anos. Ele soube captar o que passou internamente entre a dúvida de achar que eu tinha uma missão e a dúvida de levar essa missão adiante, sabendo que eu tinha uma distonia cerebral. Essa espécie de ansiedade aliada a uma interrogação do que seria o meu amanhã, durante esses 60 anos, estão impressos dentro da peça toda”, revela o maestro.


Olá, !

Esse é o seu primeiro acesso por aqui, então recomendamos que você altere o seu nome de usuário e senha, para sua maior segurança.



Manter dados