Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

Pacote anticrime de Moro é bom, mas peca em alguns pontos
Tribuna Livre

Pacote anticrime de Moro é bom, mas peca em alguns pontos

O ministro Sérgio Moro divulgou as primeiras medidas concebidas para o enfrentamento da criminalidade. Sob o impacto inicial das soluções apontadas, várias análises foram feitas logo após sua divulgação, inclusive minha. Advirto e admito, pois, que revi algumas opiniões preliminarmente feitas.

A proposta avança no conceito de organização criminosa e na responsabilização de seus integrantes, mas peca, ao meu ver, quando nomina algumas das facções que atuam em nosso país.
Embora não se deva negar a existência de fato dessas organizações criminosas, entendo ser desnecessária a menção explícita, o que só reforça entre seus membros o sentimento de relevância e de espírito de corpo.

Por outro lado, o “pacote anticrime” não apresenta soluções para o grave problema da superlotação carcerária, o que limita, em muito, seu potencial para solução efetiva da crise que enfrentamos.

A experiência demonstra que um sistema penitenciário sem um modelo construtivo moderno e seguro, e com excesso de presos, transforma-se em ambiente propício e fértil para o fortalecimento de facções criminosas.

É importante conhecer a lógica de atuação desses grupos e isolar os fatores que facilitam mecanismos de reprodução e expansão.

Esses grupos adotam estratégias organizacionais sofisticadas que necessitam do mundo formal para manter-se.

Assim, o mercado financeiro, o financiamento de campanhas políticas e empreendimentos imobiliários, por exemplo, devem ser alvos preferenciais de um trabalho que busque resultados efetivos.

Negligenciar esse dado da realidade é um erro. Insistir numa estratégia que supervalorize o Direito Penal em detrimento do enfrentamento qualificado e inteligente do crime, constitui receita velha e ultrapassada.

É só lembrar os anos perdidos com a guerra ao tráfico no Rio de Janeiro e o resultado que temos hoje. O enfrentamento desmedido, sem estratégia e sem propósito, só serviu para reforçar os laços que unem esses grupos em torno do ódio ao Estado e ao “sistema”.

Outro elemento fundamental é a governança na área da segurança pública. Sem uma lógica que privilegie a prevenção com foco em territórios e grupos vulneráveis à criminalidade, a integração – no plano estratégico, operacional e de inteligência – das forças policiais, que crie ferramentas de monitoramento de indicadores de gestão e, finalmente, condicione o repasse de recursos a programas estruturados e concebidos segundo esses valores, a tentação de sucumbir ao senso comum prevalecerá.

No geral, o pacote é bom. Mas é preciso evitar a tentação do populismo penal e partir para a busca de soluções efetivas.

Qualquer medida que pretenda controlar os efeitos da criminalidade deve compatibilizar o endurecimento na aplicação das penas para condutas que realmente mereçam segregação. Mas com saídas para redução da população carcerária e assim evitar a ambiência propícia para o fortalecimento das facções criminosas.

Pois, não custa lembrar, são essas organizações que comandam a criminalidade extramuros.

Sem conhecer o problema, corre-se o risco de errar na escolha das soluções. Sem gestão, não há prestação de serviço eficiente.

Sem controle do sistema prisional, não haverá solução para criminalidade. Enfim, deve o governo federal ajudar na superação da cultura do improviso e remar contra a maré das soluções simples para problemas complexos.

André Garcia é ex-secretário de Estado da Segurança Pública, procurador do Estado e mestre em Direito.
 


últimas dessa coluna


Exclusivo
Tribuna Livre

A pasta para dentes e a propaganda abusiva

No Ocidente, os egípcios e gregos foram os primeiros a compor uma mistura para limpar os dentes. A fórmula era bastante variada (cinzas, casca de ovo, pedra-pomes, ervas, carvão, hortelã...). …


Exclusivo
Tribuna Livre

A música romântica e a visão de mundo

Em 1995 escrevi algo sobre a as diferenças entre o romantismo pós-wagneriano e o estilo francês (impressionista, pós-impressionista, de Stravinsky, de Satie, etc). Hoje, retomo ao tema, estando …


Exclusivo
Tribuna Livre

Mercado de trabalho e o profissional do futuro

Com um mercado de trabalho que muda a cada dia, muitos profissionais ficam em dúvida sobre qual caminho seguir. Afinal de contas, vale a pena investir em uma profissão do futuro? Quando é o momento …


Exclusivo
Tribuna Livre

Isenção do “imposto sobre a herança” no Espírito Santo

Como defensor público titular da 2ª Defensoria de Órfãos e Sucessões de Cariacica efetuo diariamente orientações aos meus assistidos sobre as regras legais para a elaboração de inventários e …


Exclusivo
Tribuna Livre

Dragagem ainda não trouxe os resultados esperados

As obras de dragagem no Porto de Vitória foram concluídas em outubro de 2017. A tão esperada dragagem previa que o canal passaria de uma profundidade de 11,7 metros para 14 metros e de 11,7 metros …


Exclusivo
Tribuna Livre

A intolerância do preconceito

Mais uma vez, ficamos chocados com ondas de ataques simultâneos às pessoas inocentes, morrendo, sem motivo aparente, senão à cor que mais uma vez se manifesta diante do racismo radical, abalando a …


Exclusivo
Tribuna Livre

Competindo com eficiência

O Espírito Santo é o maior produtor mundial de pelotas de minério de ferro e o terceiro maior produtor de aço do Brasil, sendo que, juntos, os dois setores representam mais de 20% do PIB estadual, …


Exclusivo
Tribuna Livre

A polêmica “PL do saneamento”

Desde a edição da Medida Provisória (MP) 868 no ano passado, a necessidade de se estabelecer um novo Marco Regulatório sobre Saneamento Básico no País está em voga. É que na última década, os …


Exclusivo
Tribuna Livre

Tráfico de pessoas: um perigo que ainda ronda entre nós

Estimativas da Organização das Nações Unidas (ONU) consideram haver cerca de 2,5 milhões de vítimas de tráfico de seres humanos. Esse é um assunto de grande relevância mundial, pois criminosos …


Exclusivo
Tribuna Livre

Qual é o lugar do esporte no Brasil?

O esporte é um ótimo indicador social. Tenho acompanhado o Pan de Lima, e a cada vez que um brasileiro ou uma brasileira sobe ao pódio me encho de alegria, pois sei que competir em alto nível …


Olá, !

Esse é o seu primeiro acesso por aqui, então recomendamos que você altere o seu nome de usuário e senha, para sua maior segurança.



Manter dados