Pacote anticrime de Moro é bom, mas peca em alguns pontos

O ministro Sérgio Moro divulgou as primeiras medidas concebidas para o enfrentamento da criminalidade. Sob o impacto inicial das soluções apontadas, várias análises foram feitas logo após sua divulgação, inclusive minha. Advirto e admito, pois, que revi algumas opiniões preliminarmente feitas.

A proposta avança no conceito de organização criminosa e na responsabilização de seus integrantes, mas peca, ao meu ver, quando nomina algumas das facções que atuam em nosso país.
Embora não se deva negar a existência de fato dessas organizações criminosas, entendo ser desnecessária a menção explícita, o que só reforça entre seus membros o sentimento de relevância e de espírito de corpo.

Por outro lado, o “pacote anticrime” não apresenta soluções para o grave problema da superlotação carcerária, o que limita, em muito, seu potencial para solução efetiva da crise que enfrentamos.

A experiência demonstra que um sistema penitenciário sem um modelo construtivo moderno e seguro, e com excesso de presos, transforma-se em ambiente propício e fértil para o fortalecimento de facções criminosas.

É importante conhecer a lógica de atuação desses grupos e isolar os fatores que facilitam mecanismos de reprodução e expansão.

Esses grupos adotam estratégias organizacionais sofisticadas que necessitam do mundo formal para manter-se.

Assim, o mercado financeiro, o financiamento de campanhas políticas e empreendimentos imobiliários, por exemplo, devem ser alvos preferenciais de um trabalho que busque resultados efetivos.

Negligenciar esse dado da realidade é um erro. Insistir numa estratégia que supervalorize o Direito Penal em detrimento do enfrentamento qualificado e inteligente do crime, constitui receita velha e ultrapassada.

É só lembrar os anos perdidos com a guerra ao tráfico no Rio de Janeiro e o resultado que temos hoje. O enfrentamento desmedido, sem estratégia e sem propósito, só serviu para reforçar os laços que unem esses grupos em torno do ódio ao Estado e ao “sistema”.

Outro elemento fundamental é a governança na área da segurança pública. Sem uma lógica que privilegie a prevenção com foco em territórios e grupos vulneráveis à criminalidade, a integração – no plano estratégico, operacional e de inteligência – das forças policiais, que crie ferramentas de monitoramento de indicadores de gestão e, finalmente, condicione o repasse de recursos a programas estruturados e concebidos segundo esses valores, a tentação de sucumbir ao senso comum prevalecerá.

No geral, o pacote é bom. Mas é preciso evitar a tentação do populismo penal e partir para a busca de soluções efetivas.

Qualquer medida que pretenda controlar os efeitos da criminalidade deve compatibilizar o endurecimento na aplicação das penas para condutas que realmente mereçam segregação. Mas com saídas para redução da população carcerária e assim evitar a ambiência propícia para o fortalecimento das facções criminosas.

Pois, não custa lembrar, são essas organizações que comandam a criminalidade extramuros.

Sem conhecer o problema, corre-se o risco de errar na escolha das soluções. Sem gestão, não há prestação de serviço eficiente.

Sem controle do sistema prisional, não haverá solução para criminalidade. Enfim, deve o governo federal ajudar na superação da cultura do improviso e remar contra a maré das soluções simples para problemas complexos.

André Garcia é ex-secretário de Estado da Segurança Pública, procurador do Estado e mestre em Direito.
 


últimas dessa coluna


Cosmopolitismo e a ideia de mundo comum

O cosmopolitismo se funda na crença de que o mundo constitui uma grande pólis e que os seres humanos compartilham características essenciais que os unem, ou deveriam uni-los, em uma ordem global, que …


Mediação e arbitragem: boas práticas para o desenvolvimento

Em março, comemoramos o primeiro ano da Câmara de Conciliação, Mediação e Arbitragem Findes/Cindes. Um espaço alternativo para a solução de questões jurídicas e acesso à Justiça com mais celeridade, …


A liberdade e os Princípios de Bangalore de Conduta Judicial

Nós, brasileiros, temos um baixo apreço por uma distinção fundamental. Falemos sobre o conceito de liberdade e a ideia de direitos e deveres. Se tenho um direito, do outro lado existe um dever. …


Porque odiamos

A excitação raivosa faz sangrar os dias. O veneno verbal destempera com fel o sabor da vida. A indelicadeza onipresente esgarça com garras afiadas os véus do pudor, os laços da lealdade e as tramas …


A primeira fake news da República

Espalhar notícias falsas é uma maneira relativamente barata de se fazer uma guerra informacional para arruinar reputações ou celebrar virtudes aparentes. Os instrumentos de comunicação super-rápida …


Capixaba relata emoção da Paixão de Cristo em Nova Jerusalém

"A Paixão de Cristo", em Nova Jerusalém, Pernambuco, atrai multidão, que se emociona diante do grande espetáculo de fé. A encenação ocorre em um espaço que é considerado o maior Teatro ao ar livre do …


A prevenção que salva vidas

“Uma pessoa inteligente resolve um problema. Um sábio o previne.” Essa frase, atribuída ao físico alemão Albert Einstein (1874-1955) poderia ser adaptada para quaisquer tipos de atividades preventiva…


A militarização da segurança pública no Rio de Janeiro

A morte do músico Evaldo Rosa dos Santos, quando sua família seguia para um chá de bebê em um veículo que foi alvejado com 80 tiros disparados por membros do Exército, vitimando também seu sogro e um …


O problema do alcoolismo após a cirurgia bariátrica

Vivemos num mundo que vangloria a ditadura do ser magro, corpo definido dentre outros. Ao mesmo tempo vivemos na época do fast food, comida cheia de calorias que leva a obesidade. Buscam-se dietas …


Outro lado da reforma da Previdência é possível

A atual proposta de Reforma da Previdência, se aprovada, gerará economia. Contudo, causará também um imensurável impacto social negativo, pois afetará principalmente os mais pobres que, durante toda …