search
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

Conectados pela fé

Famílias conectadas para manter espiritualidade

Maraiza Silva | Arte: André Felix
Espiritualidade e tecnologia

Famílias e fiéis têm recorrido à tecnologia para participar de cultos e missas online e manter a relação com a religião na pandemia

Todo mundo teve de se adaptar e mudar a vida após a chegada da pandemia do novo coronavírus.

A relação de fé e comunhão com as crenças e religiões também passou por mudanças. E uma aliada importante nesse processo tem sido a internet.

Conectados pela fé, famílias e fiéis têm recorrido à tecnologia para participar de cultos, missas, sessões e reuniões online.

Sem poder abrir as portas na maior parte dessa quarentena, que já se arrasta há mais de 100 dias, as igrejas e os centros religiosos precisaram se reinventar.

Eles investiram em equipamento, plataformas de transmissão e se lançaram na rede para levar palavras de conforto e esperança aos seus seguidores.

Com o sucesso da iniciativa, já garantem: as transmissões online devem continuar.

O pároco da Paróquia Nossa Senhora do Perpétuo Socorro, na Praia da Costa, em Vila Velha, padre Anderson Gomes, contou que manter as atividades online será inevitável no pós-pandemia.

“Nossas missas são transmitidas pelo YouTube, Facebook e Instagram. O que mais me surpreendeu foi a participação da comunidade. Os fiéis gostam de ver suas intenções sendo lidas e dessa aproximação com quem eles já conhecem”, relatou o padre.

Já o pastor da Igreja Cristã Maranata Josias Junior disse que os seminários já eram transmitidos por videoconferência, mas que agora são pela internet.

“Tudo o que se trata de pós-pandemia ainda é especulação, mas nós vamos avaliar a nova realidade para nos adequarmos”, afirmou.

Quem está aproveitando os cultos online é o gerente de transmissão de conteúdo William Souza, de 34 anos. Ele, a mulher, a arquiteta Talita Ruy Souza, de 32 anos, e o filho Daniel, de 1 ano, pertencem à Igreja Cristã Maranata.

“Vivemos um momento em que a família precisa ter a presença de Deus dentro do lar. É fundamental estar próximo de Deus, só que agora, com a ajuda da tecnologia”, comentou William.

“O culto online trouxe aproximação para a minha família. Temos um horário para orar juntos e buscar a Deus”, completou .

Ele ressaltou que os membros da igreja vivem como uma grande família, agora conectados pela fé.

Kadidja Fernandes/ at

O casal William Souza e Talita Ruy acompanha os cultos em casa com o filho Daniel, de 1 ano. “Trouxe aproximação para a nossa família”, disse William

Vivemos um momento em que a família precisa ter a presença de Deus dentro do lar. É fundamental estar próximo de Deus”

William Souza, da Igreja Maranata

Kadidja Fernandes/at

Atendimentos espirituais online

A psicóloga Juliana Archanjo, de 47 anos, com o marido, o engenheiro Luiz Carlos Rabelo, 47, e os filhos Julia Archanjo Rabelo, 23, e Renato Archanjo Rabelo, 25, pertencem à Comunidade Espírita de Jardim da Penha (Cejape) e usam a internet para se manterem em comunhão com os ensinamentos religiosos, bem como com os irmãos de fé.

“Todas as coisas de que fomos privados da vida social são passageiras. O sentido real da vida é maior e a espiritualidade nos reconecta com essa essência. A falta do presencial deixa saudade do abraço, mas temos os atendimentos espirituais online”, disse Juliana.

fábio nunes/at

Missas e orações todo fim de semana

A nutricionista Juliana Ribeiro, de 27 anos, e o marido, o professor de Matemática Filipe Ribeiro, de 30, contam que usam a tecnologia para ficar mais conectados com Deus durante a pandemia.

“Nós acompanhamos as missas online, geralmente aos finais de semana. Tentamos assistir a algumas missas ou orações durante a semana também. Sempre fomos às celebrações presenciais. Temos algumas dificuldades de vez em quando, mas tentamos ficar mais próximos de Deus”, salientou Juliana.

O casal pertence à Paróquia São Lucas, em Novo México, Vila Velha.

Kadidja Fernandes/ at

Rosângela e Junior com Noah, de 11 meses: casal de pastores criou plataforma que reúne voluntários de todo o País

Projetos unem voluntários para doações

Nesse contexto em que as igrejas e os centros religiosos lançaram mão da tecnologia para conectar os seus fiéis, surgiu a necessidade de também recorrer a ela para manter as ações que ajudam a quem necessita.

Foi aí que surgiu a ideia do casal de pastores e missionários da Primeira Igreja Batista de Goiabeiras, em Vitória, Junior Oliveira, de 35 anos, e Rosângela Oliveira, de 38 anos.

Enquanto se revezam nos cuidados com o pequeno Noah, de 11 meses, o casal se dedica à plataforma que reúne voluntários para arrecadar cestas básicas e fundos para distribuir às pessoas que precisam, mais ainda nesta pandemia.

“Eu comando a plataforma 'Transforma Brasil', onde voluntários de todo o País podem ajudar. Nesses 100 dias, já distribuímos cerca de três mil cestas básicas”, destacou Junior.

O pastor disse, ainda, que criou um grupo na plataforma Zoom, o “Coletivo Parókia”, onde os voluntários se reúnem toda segunda-feira para discutir vocação, missão e voluntariado.

“O conteúdo é para conscientizar os jovens sobre a vocação e a missão da igreja, principalmente durante a pandemia. A iniciativa busca a construção de uma fé mais prática, que cuida do próximo. Basicamente, o 'Coletivo Parókia' é a parte teórica do trabalho, enquanto o 'Transforma Brasil' é a prática”, explicou.

Retorno

Após serem considerados atividade essencial no Estado, os cultos religiosos começam a retornar presencialmente. As igrejas têm o papel de cumprir uma série de exigências para receber os fiéis.

De acordo com o pastor responsável pelo setor administrativo da Missão Praia da Costa, em Vila Velha, Rogério Breder, as atividades na igreja serão retomadas com todos os cuidados de higienização, uso de máscara e distanciamento, recomendados pela Secretaria de Estado da Saúde (Sesa).

“Os fiéis que desejam ir aos cultos precisam se cadastrar previamente numa lista de presença, onde é controlada a quantidade total de participantes para não exceder o recomendado pelo distanciamento dos acentos”, disse.

As transmissões online dos cultos continuam.

Através de uma das plataformas, conseguimos arrecadar e doar cerca de 3 mil cestas básicas para as famílias que precisam”

Junior Oliveira, pastor e missionário

Saiba mais

Como participar

As redes sociais têm sido grandes aliadas das igrejas nesse período de pandemia.

Por meio delas, é divulgada a programação de exibições de missas, cultos, novenas e sessões.

O fiel também pode buscar essas informações nos sites de suas igrejas e centros religiosos.

Daí, é só anotar os dias, horários, os canais de transmissão e participar.

Canais

Os canais mais utilizados para as transmissões ao vivo são Instagram, Facebook e Youtube.

Também é possível salvar os cultos nesses canais e o acesso pode ser feito a qualquer hora, de qualquer lugar.

Algumas igrejas possuem seus próprios canais de TV ou links para videoconferências.

Retomada

A partir de agora, as igrejas estão autorizadas a retomar os cultos presenciais.

Para isso, as igrejas terão de seguir uma série de regras impostas pela Secretaria de Estado da Saúde (Sesa).

Entre as regras estão: medir a temperatura dos fiéis, limitar a quantidade de pessoas, o uso de máscaras de proteção facial e manter o distanciamento entre uma pessoa e outra.

Fonte: Pesquisa AT.

Kadidja Fernandes/at

Família unida em culto online

A empresária Meiry Moraes, de 37 anos, e o professor Wemerson Carvalho acompanham os cultos da Igreja Evangélica Vida, em Laranjeiras, na Serra, pela internet. Os filhos João Pedro, de 8 anos, e Maria Eduarda, de 2, também participam.

“Tudo o que está acontecendo tem nos aproximado mais do Senhor. Diante do cenário, temos que nos apegar ainda mais. Estamos agindo como se fôssemos para a igreja mesmo”, contou Meiry.

arquivo pessoal

Monique: “A fé traz conforto”

Saúde mental e otimismo

Diante de toda dificuldade e das mudanças impostas pela pandemia de Covid-19, a fé surge como um caminho de esperança, uma certeza de que tudo vai passar e que a vida “normal” poderá ser retomada.

Se apegar à religião e se unir a outras pessoas que acreditam no mesmo propósito, ainda que virtualmente, é uma maneira de trazer mais conforto em um momento de incertezas.

Segundo a psicóloga clínica Monique Nogueira, a fé é acreditar em algo, mesmo que não se veja.

“Esse movimento de acreditar, principalmente neste momento difícil que estamos vivendo, traz conforto, otimismo e motivação em esperar por dias melhores. O pensamento positivo favorece a saúde mental do indivíduo, trazendo inúmeros benefícios para o seu dia a dia”, observou.

Já o psicólogo Bruno Carvalho ponderou que a ação também é importante.

“Participar dos cultos acalma o espírito, mas, nesse período, também é importante agir. Quando ajuda alguém, a pessoa também é ajudada e enfrenta a dificuldade com mais leveza”, pontuou.

Publicado em 05 de julho de 2020

Reportagem: Maraiza Silva

Olá, !

Esse é o seu primeiro acesso por aqui, então recomendamos que você altere o seu nome de usuário e senha, para sua maior segurança.



Manter dados