search
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

Os novos desafios para os professores de filosofia
Gilmar Ferreira
Gilmar Ferreira

Gilmar Ferreira


Os novos desafios para os professores de filosofia

Os professores de filosofia vivem atualmente no Brasil uma situação bastante desafiadora. Após décadas de debate, de manifestações, de congressos acadêmicos e de lutas parlamentares, hoje a legislação define filosofia – bem como a sociologia – como disciplina obrigatória nos currículos do ensino médio.

Não foi fácil chegar a esta situação: após a retirada da disciplina dos currículos com a reforma tecnicista de 1971, os departamentos de filosofia das universidades brasileiras empreenderam um movimento de crítica de sua retirada e defesa de seu retorno. Esse movimento teve êxito parcial quando, em meados dos anos de 1980, foi aprovada a inclusão da disciplina filosofia como opcional, na parte diversificada do Currículo.

Os ecos desse movimento fizeram-se presentes no debates para a construção da Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (LDB), após a promulgação da Constituição de 1988, e o projeto aprovado na Câmara previa filosofia e sociologia como disciplinas obrigatórias.

O desafio do professor de filosofia no Brasil hoje, assim, consiste em inventar uma prática de modo que o aprendizado de filosofia faça sentido para os jovens estudantes.
Só assim a inclusão da disciplina nos currículos poderá efetivar-se e consolidar-se.

No dia 2 de julho de 2008, o presidente da República em exercício, José Alencar, sancionou a lei que torna obrigatório o ensino de filosofia e sociologia nas escolas públicas e privadas de nível médio.

Trinta anos após ser eliminada desse nível de ensino, a filosofia retorna a ele como disciplina obrigatória em âmbito nacional, com lugar garantido por força de lei.

Sua reinserção no currículo de nível médio já vinha se processando desde 1980, mas em caráter muito precário e instável, na medida em que ficava na dependência de recomendação das secretarias Estaduais de Educação e da opção dos diretores de escola.

A situação com que a filosofia se defronta no atual ensino médio, porém, é inteiramente distinta da anteriormente – em que usufruiu de uma presença plena, na escola secundária anterior à reforma do ensino de 1971. Até meados de 1970, a filosofia era ministrada em uma escola secundária elitizada.

Nessas três décadas em que esteve total ou parcialmente ausente, o ensino médio passou por um processo de massificação crescente, incorporando estratos sociais menos privilegiados, que antes não tinham acesso a ele, uma clientela muito diversa da anterior: em sua maior parte encontra-se em escolas públicas com precária qualidade de ensino, sendo portadora de graves deficiências educativas, tanto do ponto de vista linguístico como em relação a referências culturais de caráter mais amplo.

Trata-se de uma situação inteiramente inusitada, porque, tradicionalmente, o saber filosófico pertence às formas eruditas de cultura, um saber refinado, exigente do ponto de vista teórico, elaborado de forma complexa, e que, portanto, em princípio, não está ao alcance de todos, mas apenas dos sábios especialistas ou iniciados na área.

Confrontados com o desafio de uma divulgação massiva, os profissionais da filosofia se veem às voltas com uma situação tensa e ambígua pela dupla face que apresenta esse desafio.

Luiz Alberto Bruno Souza é professor de Letras Português e Inglês e Metodologia da Língua Inglesa e Portuguesa.

Conteúdo exclusivo para assinantes!

Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

Matérias exclusivas, infográficos, colunas especiais e muito mais, produzido especialmente pra quem é assinante.

Apenas R$ 9,90/mês
Assinar agora
esqueceu a senha?

últimas dessa coluna


Exclusivo
Gilmar Ferreira

O bom duelo

Já há algum tempo não se via um clássico Flamengo x Vasco com qualidade tão distinta em reta final de Brasileiro. Nos anos de conquista de título, tanto de um lado quanto do outro, houve sempre …


Exclusivo
Gilmar Ferreira

Minhas impressões

O número de pontos que faz do Flamengo a bonita máquina de quebrar recordes no Brasileiro traz de volta a discussão sobre a atual fórmula de disputa criada pela CBF em 2003 — polêmica, por ora, …


Exclusivo
Gilmar Ferreira

Polêmica sem fim

Tantos foram os avisos que já nem me surpreendo mais com as reclamações sobre as marcações polêmicas em favor de A, B ou C. A CBF amarrou mal o pacote de implementação do VAR no futebol …


Exclusivo
Gilmar Ferreira

A volta ao início

Logo depois que o conselho da Conmebol decidiu, em fevereiro de 2018, que a Libertadores de 2019 seria disputada em final única, três cidades se lançaram como candidatas a receber o evento: Lima …


Exclusivo
Gilmar Ferreira

Minhas impressões

O Flamengo chegou a 71 pontos, com 21 jogos de invencibilidade de Jorge Jesus — entre Brasileirão e Libertadores —, e uma certeza: a força ofensiva põe o time num ponto fora da curva. O líder do …


Exclusivo
Gilmar Ferreira

A cartilha

Quer dizer então que a diretoria do Fluminense já não acredita que o ex-interino Marcão seja o nome mais indicado para tirar o time do atoleiro em que se encontra no Brasileiro, não é mesmo? A nove …


Exclusivo
Gilmar Ferreira

Minhas impressões

O Flamengo não é só o líder do Brasileirão: o time tem os três maiores artilheiros da competição, e com requinte de superioridade: Gabriel Barbosa (19), Bruno Henrique (12) e Arrascaeta (11) têm, …


Exclusivo
Gilmar Ferreira

A nova ordem...

Os bons resultados colhidos pela comissão técnica do português Jorge Jesus em quatro meses de trabalho no Flamengo têm provocado importantes reflexões nos bastidores do futebol. E, pelo que …


Exclusivo
Gilmar Ferreira

Futebol em duas eras

O Goiás levou seis gols. O Grêmio, cinco. O Vasco, quatro. Palmeiras, Internacional e Atlético/MG, três, cada um. Não dá mais para fingir que a superioridade do Flamengo sobre seus principais …


Exclusivo
Gilmar Ferreira

Ode a Renato Gaúcho

Nunca acreditei muito que Renato Gaúcho pudesse chegar tão longe na carreira de treinador. Talvez por seu indissociável jeito “boleirão”, bom vivant e sem papas na língua — não sei ao certo. Mas do …


Olá, !

Esse é o seu primeiro acesso por aqui, então recomendamos que você altere o seu nome de usuário e senha, para sua maior segurança.



Manter dados