Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

Os efeitos colaterais da paixão
Doutor João Responde

Os efeitos colaterais da paixão

Amo mais que a ti, ao meu amor por ti”, diz o poeta. Não seria esta declaração de amor, na verdade, uma confissão de paixão?

Estar apaixonado é adoecer por alguém. Apesar da inebriante sensação que proporciona, este sentimento desregula a mente e o corpo.

Paixão, a primeira vista pode parecer agradável. Inicia-se através de uma atração, fazendo nascer grande interesse e admiração pelo outro. Por fim, se transforma em perigosa obsessão.

Apaixonados sentem o coração bater mais rápido e um frio na barriga. Eles passam noites sem dormir e perdem o apetite. Nesse ponto, a paixão é muito diferente do amor, que é um sentimento muito mais voltado para a estabilidade, sem provocar sobressaltos.

Várias substâncias cerebrais são liberadas quando estamos apaixonados, o que auxilia a explicar, do ponto de vista químico, as noites insones e a anorexia. É tudo culpa de estimulantes naturais, como a dopamina e a noradrenalina, produzidas em quantidades maiores que o usual, por quem se apaixona. Essas substâncias são as mesmas utilizadas em moderadores de apetite.

Não existe paixão sem liberdade de escolha. Entretanto, isso não basta. Para apaixonar-se é preciso estar com o coração predisposto. Ao contrário do que diz o senso comum, não nos apaixonamos por acaso. É necessário estar pronto para essa experiência.

Indivíduos com medo de dar esse mergulho no escuro inconscientemente criam barreiras para não se apaixonar. Geralmente nos apaixonamos pelas pessoas que correspondem a um conjunto de expectativas que formamos ao longo da vida, muitas vezes com base em experiências vividas na infância, embora seja impossível explicar cientificamente por que nos apaixonamos por uma determinada pessoa. Os motivos são inconscientes e incompressíveis.

Assim como acontece com certas enfermidades, a paixão gera inquietação, preocupação e desgaste físico. Além disso, inundado pela euforia, o apaixonado costuma relaxar nas responsabilidades exigidas pela vida.

Paixão faz o indivíduo agir de maneira obsessiva, passando horas sonhando acordado com seu novo interesse amoroso. No interior do seu cérebro deslumbrado e dependente borbulham grandes quantidades de substâncias estimulantes.

A dopamina desencadeia imensa sensação de euforia. Este é um dos neurotransmissores mais famosos do sistema nervoso. Ele é conhecido como o neurotransmissor do prazer. Sua função principal é ativar os circuitos de recompensa do cérebro.

A noradrenalina aumenta o estado de vigília e acelera os batimentos cardíacos.
A serotonina deixa a mente temporariamente insana. Substância responsável pelo bom humor e sensação de bem-estar, ela é chamada de neurotransmissor da felicidade.

A vasopressina e a oxitocina, hormônios liberados pelo sistema nervoso, têm papel na formação de laços, gerando apego e estímulo sexual.

Acelerado por overdoses de neurotransmissores, o cérebro tenta se defender, abreviando o tempo do êxtase. Nenhuma paixão dura muito. O paraíso necessita voltar à normalidade. Apesar de ser um sentimento delicioso, uma paixão que perdurasse acabaria com a saúde do indivíduo. Seria biologicamente impossível manter a mente e o corpo acelerados por muito tempo. Nenhum ser humano suportaria permanecer anos a fio sem comer ou dormir direito. Em média, o prazo de validade da paixão é de dois a três anos.

A paixão não morre de amores pela liberdade. Abraçada por esse sentimento ardente, demora um pouco para que a liberdade volte a caminhar sem a paixão. Um dia o desejo de liberdade acaba sendo mais forte que a paixão. Um pássaro não amaria quem lhe cortasse as asas. Um barco não amaria quem lhe amarrasse no cais.


últimas dessa coluna


Exclusivo
Doutor João Responde

Rachaduras nos pés

A saúde dos pés implica condição fundamental para o movimento e o equilíbrio do corpo humano. Os pés, além de manter o corpo em posição bípede, peculiaridade sobre a qual o homem desenvolve sua …


Exclusivo
Doutor João Responde

Dê um tempo para um osso quebrado

“Em quanto tempo minha fratura estará consolidada?” Certamente esta é uma pergunta muito comum na ortopedia, mas que não pode ser respondida de uma única maneira. Fraturas em crianças têm …


Exclusivo
Doutor João Responde

Causas de inchaço nas pernas

Quando falamos de “edema”, a primeira coisa que devemos levar em conta é que essa inchação não se trata de diagnóstico, mas de um sinal, uma alteração fisiológica que implica a presença de fluidos …


Exclusivo
Doutor João Responde

Importância da dor para a preservação da vida humana

Saúde e doença saem de um tronco único, visto que têm uma só e mesma base: a dor de crescer. Dor é uma experiência sensorial desagradável associada com lesão tecidual real ou potencial, refletindo a …


Exclusivo
Doutor João Responde

Doenças exantemáticas

Dezembro de 1978. Após frutificante período de faculdade, eu terminava o curso de Medicina. Durante as festividades de formatura, amanheci febril e com o corpo todo pintado de vermelho. Como …


Exclusivo
Doutor João Responde

Herpes-zóster, esse filho da catapora

Varicela é uma virose que afeta a criança e o adolescente, cujo nome foi criado para assustá-los na hora do médico informar que se trata da conhecida catapora. No primeiro dia de infecção, o vírus se …


Exclusivo
Doutor João Responde

Envelhecer é um privilégio

Velho não é sinônimo de imprestável. Ao contrário, alcançar os últimos degraus da idade pode trazer consigo um grande acúmulo de sabedoria. O que seria do mundo presente se não houvesse as lembranças …


Exclusivo
Doutor João Responde

Boqueira, essa incômoda feridinha

Queilite angular, chamada popularmente de boqueira, é um pequeno machucado doloroso que ocorre no canto da boca. Trata-se de uma dermatose comum, caracterizada por fissura e inflamação no ângulo dos …


Exclusivo
Doutor João Responde

Arroto: um sintoma mal-educado?

Para os árabes, arrotar depois da refeição é sinal de que o convidado apreciou o prato. Em nosso País, isso caracteriza falta de educação. Para o corpo, eructar é a maneira que o estômago encontra …


Exclusivo
Doutor João Responde

A prazerosa fome do apetite

O mais saboroso alimento depende da fome. O mais prazeroso prato depende do apetite. Dizem que beleza não se põe em mesa. Concordo, mas confesso que ela abre o apetite. Quando sentimos vontade …


Olá, !

Esse é o seu primeiro acesso por aqui, então recomendamos que você altere o seu nome de usuário e senha, para sua maior segurança.



Manter dados