search
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

Operação combate falsificação de anilhas para aves silvestres

Notícias

Publicidade | Anuncie

Polícia

Operação combate falsificação de anilhas para aves silvestres


Anilha falsa apreendida pela Polícia Federal (Foto: Divulgação/ PF)
Anilha falsa apreendida pela Polícia Federal (Foto: Divulgação/ PF)
A Operação Ad Aerternum, deflagrada pela Polícia Federal na manhã desta quarta-feira (13), cumpre sete mandados de busca e apreensão para combater a falsificação e distribuição de anilhas para colocação em aves capturadas da natureza e a inclusão de informações falsas no Sistema Gestão de Criadores de Passeriformes Silvestres (Sispass).

O Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) também realiza uma fiscalização administrativa em endereços de Pancas, Aracruz, Nova Venécia e Vila Pavão, no Norte do Estado, e em São Paulo capital.

As investigações indicam que criadores registrados adquiriam anilhas falsas com a mesma numeração das legítimas. Além disso, a colocação ocasionava maus tratos, lesões e mutilações dos animais, de acordo com a PF.

Também foi observado na investigação que os criadores deixavam de registrar no Sispass a morte dos pássaros e simulavam no sistema a transferência da ave inexistente para o plantel de quem adquiriu a anilha falsa.

A Coordenação de Segurança dos Correios conseguiu identificar, em um dos seus centros de distribuição, a postagem das encomendas com as anilhas falsas.

Participaram da operação 31 policiais federais e oito analistas ambientais do Ibama.

Crimes investigados

De acordo com a Polícia Federal, os investigados poderão responder por crimes contra a fauna, falsificação de selo público, falsidade ideológica e associação criminosa. As penas somadas poderão alcançar de cinco a 18 anos de prisão.


Olá, !

Esse é o seu primeiro acesso por aqui, então recomendamos que você altere o seu nome de usuário e senha, para sua maior segurança.



Manter dados