O valor das centrais de abastecimento

Henrique Casamata é engenheiro e vice-presidente da Abracen (Foto: Leonardo Bicalho)
Henrique Casamata é engenheiro e vice-presidente da Abracen (Foto: Leonardo Bicalho)
A agricultura mundial passou por profundas transformações a partir da 2ª Guerra Mundial, com reflexos nas décadas de 1950 e 1960. Nos Estados Unidos a “Revolução Verde” resultou no aumento da produção e a produtividade agropecuária, a partir da utilização de insumos químicos, sementes geneticamente modificadas, expansão do sistema de irrigação e também intensa mecanização, possibilitando que a preparação do solo, o plantio e a colheita fossem realizadas em grandes áreas.

As mudanças constatadas na área rural brasileira resultaram da política de modernização, iniciada na década de 1950, implementadas com a finalidade de aproximar o setor agrícola do setor urbano/industrial, de forma a amortizar os reflexos do êxodo rural, intensificado a partir da década de 1970.

Nesse contexto, as centrais de abastecimento, as conhecidas Ceasas, foram criadas nos anos 1960, via organização de rede de abastecimento, envolvendo diretamente o produtor, o comprador e o vendedor em um único espaço estrategicamente bem localizado, com a finalidade de oportunizar o comércio de produtos agrícolas pelos pequenos e médios produtores, de forma a garantir diretamente o abastecimento do mercado de hortifrutigranjeiros.

A regulamentação do Sistema Nacional de Abastecimento (Sinac) ocorreu em 1972, sendo substituída pela Associação Brasileira de Abastecimento (Abracen) em 1986, com o papel de integrar as Ceasa’s dentro de uma proposta de aperfeiçoar os serviços prestados pelos entrepostos atacadistas divulgando e promovendo a troca de experiências e conhecimentos acumulados entre as Associações com a finalidade de promover o mercado hortifrutigranjeiro.

Atualmente, nesses espaços comercializam-se hortifrutigranjeiros oriundos de diversas regiões do país e até de outros países, tendo papel fundamental de interligar a produção de diversas regiões, proporcionando o abastecimento do mercado de forma mais rápida e eficiente. Outra atuação importante das Ceasas está na divulgação de informações de mercado agrícola e formação de preços, por tratar-se de um mercado muito dinâmico, onde os preços variam diariamente conforme oferta x demanda dos produtos comercializados.

De acordo com os números da Abracen, em 2017 as Ceasas movimentaram 34 bilhões de reais e cerca 17 milhões de toneladas de hortifrutigranjeiros. A Ceasa/ES contribuiu com cerca de 500 milhões de quilos e cerca de um bilhão de reais, gerando cerca de 15 mil empregos diretos e indiretos.

Resta incontroversa a importância das Ceasas, que se constituem num poderoso instrumento estratégico de gestão proativa, estimulando a produção e o consumo de hortaliças, frutas e demais produtos naturais e atípicos.

Ao longo desses mais de 40 anos, as Ceasas cumpriram seu papel com louvor. Chegamos ao século XXI com necessidades inerentes à época. O arranjo produtivo da comercialização dos hortifrutigranjeiros precisa ser o agente protagonista dessas mudanças. Perpassa pela rastreabilidade, embalagem, acondicionamento, inovação, além dos procedimentos tributários como nota fiscal eletrônica.

Henrique Casamata é engenheiro e vice-presidente da Abracen


últimas dessa coluna


A influência das mídias sociais sobre as decisões políticas

Estamos observando, no Brasil e em outras partes do mundo, o povo se reunindo através das redes digitais com o objetivo de influenciar as decisões políticas. Será que as principais decisões serão …


O Moscoso não morreu e nem morrerá por causa da violência

O fato ocorrido no dia 15 de janeiro, quando três vidas foram ceifadas de forma brutal, na divisa do bairro Piedade, mesmo em se tratando de um ato isolado, nos causou indignação. Mas foi inaceitável …


A lei e a quebra de contrato na compra de imóveis na planta

Quase no apagar das luzes do ano de 2018, na última sexta-feira, dia 28 de dezembro, foi publicada a Lei Federal nº 13.786, que visa regulamentar a resolução por inadimplemento de contratos de …


Telemedicina traz ganhos, mas não é remédio para todos os males

A divulgação da Resolução nº 2.227/18, do Conselho Federal de Medicina (CFM), que estabelece critérios para prática da telemedicina no Brasil, provocou um grande debate sobre o tema, durante o qual …


Será um desserviço ao País desmantelar aquilo que dá certo

Atualmente, o sistema cooperativista tem sido bastante evidenciado pelo seu constante crescimento e pela sua participação no combate à exclusão social, valorizando o homem pelo que ele é, tornando-o …


A importância do planejamento para se saber aonde quer chegar

Ao receber a resposta de Alice, que diz não saber para onde quer ir, uma vez que estaria perdida, o Gato é enfático: “Para quem não sabe onde quer ir, qualquer caminho serve”. O trecho da história …


Ferida emocional e baixa fé religiosa põem vidas em risco

Revista de circulação nacional diz que acontece um suicídio no mundo a cada 40 segundos. No Brasil, a cada 45 minutos. E em Vitória? Não sabemos, pois a mídia, com a sábia intenção de não incentivar, …


Pacote anticrime de Moro é bom, mas peca em alguns pontos

O ministro Sérgio Moro divulgou as primeiras medidas concebidas para o enfrentamento da criminalidade. Sob o impacto inicial das soluções apontadas, várias análises foram feitas logo após sua …


É direito de alunos terem acesso às informações de seus cursos

Há quase quatro anos, A Tribuna publicou neste mesmo espaço um artigo em que eu falava sobre o Exame de Ordem e o direito à informação. Citei o Projeto de Lei 214/2015, proposto pelo então deputado …


Tecnologia nos distancia do amor e nos aproxima da violência

Celular… Essa maquininha veio com a promessa de aproximar as pessoas, mas está fazendo exatamente o contrário. Cada dia aumenta mais a distância entre os corações humanos. É na convivência com as …