O valor das centrais de abastecimento

Henrique Casamata é engenheiro e vice-presidente da Abracen (Foto: Leonardo Bicalho)
Henrique Casamata é engenheiro e vice-presidente da Abracen (Foto: Leonardo Bicalho)
A agricultura mundial passou por profundas transformações a partir da 2ª Guerra Mundial, com reflexos nas décadas de 1950 e 1960. Nos Estados Unidos a “Revolução Verde” resultou no aumento da produção e a produtividade agropecuária, a partir da utilização de insumos químicos, sementes geneticamente modificadas, expansão do sistema de irrigação e também intensa mecanização, possibilitando que a preparação do solo, o plantio e a colheita fossem realizadas em grandes áreas.

As mudanças constatadas na área rural brasileira resultaram da política de modernização, iniciada na década de 1950, implementadas com a finalidade de aproximar o setor agrícola do setor urbano/industrial, de forma a amortizar os reflexos do êxodo rural, intensificado a partir da década de 1970.

Nesse contexto, as centrais de abastecimento, as conhecidas Ceasas, foram criadas nos anos 1960, via organização de rede de abastecimento, envolvendo diretamente o produtor, o comprador e o vendedor em um único espaço estrategicamente bem localizado, com a finalidade de oportunizar o comércio de produtos agrícolas pelos pequenos e médios produtores, de forma a garantir diretamente o abastecimento do mercado de hortifrutigranjeiros.

A regulamentação do Sistema Nacional de Abastecimento (Sinac) ocorreu em 1972, sendo substituída pela Associação Brasileira de Abastecimento (Abracen) em 1986, com o papel de integrar as Ceasa’s dentro de uma proposta de aperfeiçoar os serviços prestados pelos entrepostos atacadistas divulgando e promovendo a troca de experiências e conhecimentos acumulados entre as Associações com a finalidade de promover o mercado hortifrutigranjeiro.

Atualmente, nesses espaços comercializam-se hortifrutigranjeiros oriundos de diversas regiões do país e até de outros países, tendo papel fundamental de interligar a produção de diversas regiões, proporcionando o abastecimento do mercado de forma mais rápida e eficiente. Outra atuação importante das Ceasas está na divulgação de informações de mercado agrícola e formação de preços, por tratar-se de um mercado muito dinâmico, onde os preços variam diariamente conforme oferta x demanda dos produtos comercializados.

De acordo com os números da Abracen, em 2017 as Ceasas movimentaram 34 bilhões de reais e cerca 17 milhões de toneladas de hortifrutigranjeiros. A Ceasa/ES contribuiu com cerca de 500 milhões de quilos e cerca de um bilhão de reais, gerando cerca de 15 mil empregos diretos e indiretos.

Resta incontroversa a importância das Ceasas, que se constituem num poderoso instrumento estratégico de gestão proativa, estimulando a produção e o consumo de hortaliças, frutas e demais produtos naturais e atípicos.

Ao longo desses mais de 40 anos, as Ceasas cumpriram seu papel com louvor. Chegamos ao século XXI com necessidades inerentes à época. O arranjo produtivo da comercialização dos hortifrutigranjeiros precisa ser o agente protagonista dessas mudanças. Perpassa pela rastreabilidade, embalagem, acondicionamento, inovação, além dos procedimentos tributários como nota fiscal eletrônica.

Henrique Casamata é engenheiro e vice-presidente da Abracen


últimas dessa coluna


Turismo e riqueza social

Nas últimas décadas, o turismo tem se revelado importante vetor de desenvolvimento econômico devido sobretudo à sua peculiar capacidade de geração de renda, receita pública, empregos e atração de …


É no detalhe que se constrói a reputação

O mundo digital tem dado voz de experts a anônimos formando um palanque de especialistas em generalidades, tamanha a necessidade e facilidade das pessoas expressarem suas opiniões. Eles engajam seus …


Depois das eleições

Passada a apuração final dos votos de uma das mais conturbadas eleições, incluindo tentativa de assassinato de um dos candidatos, ironicamente o vencedor, assusta-me a continuidade das hostilidades e …


A exoneração da pensão alimentícia entre ex-cônjuges

A pensão alimentícia é uma obrigação de pagar que surge a uma pessoa em favor de outra como fruto de acordo ou decisão judicial. Com o advento do Código de Processo Civil de 2015, o tema voltou a ser …


Sua identidade é sua vida

Cada um de nós tem identidade diferente. Mesmo gêmeos univitelinos são diferentes. Mas, quem sou eu? Sócrates nos recomendava a conhecermo-nos a nós mesmos. E por não nos conhecermos, pensamos, …


A bonequinha do rádio

Durante o centenário da independência do Brasil, em 1922, muitos festejos foram promovidos país afora. Um dos eventos de maior impacto foi a primeira radiodifusão sonora no Brasil, no Rio de Janeiro. …


Imprensa e algoritmos na era da pós-verdade

A imprensa vem sendo submetida a um linchamento nas redes sociais. Robôs e pessoas que agem como tal estão entrincheirados para atacar o divergente, o controverso, o plural. Tristes tempos, mas temos …


Quartel de Maruípe: 80 anos de história

A PMES foi criada pelo Conselho de Governo, em 12.12.1831, como Companhia ou Corpo de Permanentes, e substituída em 6.04.1835, pela Guarda de Polícia Provincial. O seu primeiro quartel foi do Forte …


Uma tragédia anunciada

Não teve quem não se indignou ao assistir a tragédia no Museu Nacional do Rio de Janeiro que destruiu 90% do seu acervo. Enquanto as labaredas consumiam os 200 anos de pesquisa, uma coisa se passava …


Um novo modelo fiscal para o fluxo de mercadorias

Através de um acordo de cooperação técnica firmado entre o Ministério da Ciência e Tecnologia, a Receita Federal e os Estados da União por intermédio de suas Secretarias de Fazenda, formalizou-se o …