Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

O valor das centrais de abastecimento
Tribuna Livre

O valor das centrais de abastecimento

Henrique Casamata é engenheiro e vice-presidente da Abracen (Foto: Leonardo Bicalho)
Henrique Casamata é engenheiro e vice-presidente da Abracen (Foto: Leonardo Bicalho)
A agricultura mundial passou por profundas transformações a partir da 2ª Guerra Mundial, com reflexos nas décadas de 1950 e 1960. Nos Estados Unidos a “Revolução Verde” resultou no aumento da produção e a produtividade agropecuária, a partir da utilização de insumos químicos, sementes geneticamente modificadas, expansão do sistema de irrigação e também intensa mecanização, possibilitando que a preparação do solo, o plantio e a colheita fossem realizadas em grandes áreas.

As mudanças constatadas na área rural brasileira resultaram da política de modernização, iniciada na década de 1950, implementadas com a finalidade de aproximar o setor agrícola do setor urbano/industrial, de forma a amortizar os reflexos do êxodo rural, intensificado a partir da década de 1970.

Nesse contexto, as centrais de abastecimento, as conhecidas Ceasas, foram criadas nos anos 1960, via organização de rede de abastecimento, envolvendo diretamente o produtor, o comprador e o vendedor em um único espaço estrategicamente bem localizado, com a finalidade de oportunizar o comércio de produtos agrícolas pelos pequenos e médios produtores, de forma a garantir diretamente o abastecimento do mercado de hortifrutigranjeiros.

A regulamentação do Sistema Nacional de Abastecimento (Sinac) ocorreu em 1972, sendo substituída pela Associação Brasileira de Abastecimento (Abracen) em 1986, com o papel de integrar as Ceasa’s dentro de uma proposta de aperfeiçoar os serviços prestados pelos entrepostos atacadistas divulgando e promovendo a troca de experiências e conhecimentos acumulados entre as Associações com a finalidade de promover o mercado hortifrutigranjeiro.

Atualmente, nesses espaços comercializam-se hortifrutigranjeiros oriundos de diversas regiões do país e até de outros países, tendo papel fundamental de interligar a produção de diversas regiões, proporcionando o abastecimento do mercado de forma mais rápida e eficiente. Outra atuação importante das Ceasas está na divulgação de informações de mercado agrícola e formação de preços, por tratar-se de um mercado muito dinâmico, onde os preços variam diariamente conforme oferta x demanda dos produtos comercializados.

De acordo com os números da Abracen, em 2017 as Ceasas movimentaram 34 bilhões de reais e cerca 17 milhões de toneladas de hortifrutigranjeiros. A Ceasa/ES contribuiu com cerca de 500 milhões de quilos e cerca de um bilhão de reais, gerando cerca de 15 mil empregos diretos e indiretos.

Resta incontroversa a importância das Ceasas, que se constituem num poderoso instrumento estratégico de gestão proativa, estimulando a produção e o consumo de hortaliças, frutas e demais produtos naturais e atípicos.

Ao longo desses mais de 40 anos, as Ceasas cumpriram seu papel com louvor. Chegamos ao século XXI com necessidades inerentes à época. O arranjo produtivo da comercialização dos hortifrutigranjeiros precisa ser o agente protagonista dessas mudanças. Perpassa pela rastreabilidade, embalagem, acondicionamento, inovação, além dos procedimentos tributários como nota fiscal eletrônica.

Henrique Casamata é engenheiro e vice-presidente da Abracen


últimas dessa coluna


Exclusivo
Tribuna Livre

Vida nova no Velho Continente

Todos nós conhecemos alguém que já tenha demonstrado interesse em se mudar do Brasil, seja por querer um novo rumo para sua carreira, seja por desejar uma vida melhor para sua família. De acordo com …


Exclusivo
Tribuna Livre

No Meio Ambiente, precisamos derrotar o retrocesso!

Este ano, três deputados noruegueses indicaram a adolescente ecologista sueca Greta Thunberg, de 16 anos, ao Prêmio Nobel da Paz. Ela protesta para que o mundo preste mais atenção e aja contra …


Exclusivo
Tribuna Livre

O que fazer com a ilegalidade que esclarece ou diz esclarecer?

Esta semana, o site The Intercept Brasil publicou três reportagens que miravam diretamente a imagem mítica personificada na mais longa operação já anunciada no Brasil, no que contraria o sentido de …


Exclusivo
Tribuna Livre

O direito à plena infância

Doze de junho, além de Dia dos Namorados, é Dia de Combate ao Trabalho Infantil. Esta data foi instituída pela Organização Internacional do Trabalho (OIT), em 2002, quando da apresentação do primeiro …


Exclusivo
Tribuna Livre

A Medida Provisória 881/2019 e a Liberdade Econômica

Um dos temas importantes de discussão no Brasil é se estamos caminhando para mais uma década perdida, visto que, no período de 2011 a 2020, o crescimento médio do PIB brasileiro projetado é de apenas …


Exclusivo
Tribuna Livre

O caso Neymar e o tribunal da internet

A história da humanidade é, também, a história da evolução dos meios válidos de se chegar à verdade sobre um fato, para se permitir um julgamento. No passado, já se entendeu como método racional as …


Exclusivo
Tribuna Livre

Universidade pública e indignação com os cortes

O que a universidade pública tem a ver com você, leitor, e com você, leitora? Vamos refletir sobre isso? Por que a educação superior pública é importante na vida de cada um de nós? E por que é …


Exclusivo
Tribuna Livre

Mercado imobiliário, otimismo e entraves

Recente pesquisa realizada pelo Sindicato da Indústria da Construção Civil (Sinduscon-ES) mostra a previsão de lançamentos imobiliários, edição 2019, e inclui levantamento sobre os principais …


Exclusivo
Tribuna Livre

A necessidade de repensar a educação no Brasil

Mais da metade dos recursos do Ministério da Educação é aplicada no ensino superior, o que contraria a Constituição Federal, que dá prioridade ao combate ao analfabetismo e ao ensino fundamental. …


Exclusivo
Tribuna Livre

O STF, a Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF) e as despesas

A Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF) impôs limite às despesas com pessoal, cujo descumprimento e a não adoção das medidas corretivas são condutas graves que podem ensejar a aplicação das seguintes …


Olá, !

Esse é o seu primeiro acesso por aqui, então recomendamos que você altere o seu nome de usuário e senha, para sua maior segurança.



Manter dados