O tempo nem sempre é um aliado

Um indivíduo apaixonado clama pela permanência do tempo. Uma pessoa deprimida suplica pela passagem do tempo. Dentro da medicina, o tempo é usado para curar, como acontece, por exemplo, durante um pós-operatório. Por outro lado, diante de uma emergência, o tempo se torna um inimigo.

Uma apendicite, por exemplo, exige intervenção imediata. Quanto mais tempo passa, pior se torna o quadro. Um afogamento exige respiração artificial rápida. Depois de um tempo privado de oxigênio, os pulmões comprometem o funcionamento cerebral e a vida se extingue.

Quem buscou um cirurgião dentista visando realizar um implante dentário, reclama do tempo exigido pelo organismo para fabricar tecido ósseo, necessário ao procedimento odontológico.

O exemplo mais cristalino que demonstra a necessidade do tempo é a evolução de uma gestação. O embrião precisa de tempo para se desenvolver.

Crianças prematuras necessitam correr atrás do tempo para recuperar seu pleno amadurecimento.
Brinca-se, dizendo que o tempo depende de que lado do banheiro encontra-se o indivíduo que dele necessita.

Pessoas insones sentem o tempo se arrastando, transformando a noite numa longa vigília.

Não somente o médico, mas qualquer indivíduo pode se ver diante de algo, cujo tempo age a favor ou contra a vida.

De repente, alguém se depara com uma situação de emergência e não faz ideia de como ajudar.

A diferença entre emergência e urgência é que a emergência gera uma ameaça imediata para o bem-estar, enquanto a urgência representa uma ameaça futura, que pode vir a se tornar uma emergência, caso não seja solucionada.

Na emergência, o aparecimento é súbito e fortuito, exigindo solução imediata. Na urgência não, embora a solução deva ser acionada em curto prazo.

Em situações de emergência, devem ser tomadas medidas súbitas para evitar que a situação se agrave.

Urgência é um estado em que não há risco imediato à vida, à saúde, à propriedade ou ao ambiente, mas, se não for atendida num determinado período de tempo, a situação pode se transformar em uma emergência.

Na verdade, a maior urgência da vida é lembrar que devemos aproveitá-la.

No âmbito da medicina, emergência é a circunstância que exige imediatamente conduta cirúrgica ou intervenção médica. Hemorragias, parada respiratória e cardíaca são exemplos clássicos de emergências.

As ocorrências de caráter urgente necessitam de tratamento médico e, muitas vezes, de intervenção cirúrgica, mas possuem caráter menos imediatista.

Infecções, fraturas, luxações e dengue, por exemplo, lembram quadros de urgências.

Milhares de vidas são salvas pelo atendimento médico de urgência. Nos últimos anos, os avanços no campo da saúde foram significativos. Quando a urgência quer falar, não há necessidade de preparar discurso.

No século passado, a maioria dos pacientes de emergência que davam entrada nos hospitais, acabava morrendo.

Hoje se observa que, em grande parte, as vítimas conseguem recuperar-se e retornam a uma vida normal.

Doenças graves e traumas produzidos por acidentes podem ocasionar morte, antes mesmo de a vítima chegar ao hospital.

A assistência deve começar no local da emergência e continuar durante o deslocamento para o hospital.

Após o transporte, efetuado pelo serviço de emergência, ocorre a transferência do paciente para o pronto-socorro, assegurando a continuidade da assistência.

Esse atendimento profissional é acompanhado por uma cadeia de recursos humanos. A dinâmica do trabalho em equipe favorece a obtenção do êxito.

O tempo jamais se cansa; enquanto nós, lutando contra ou a favor dele, precisamos parar para respirar. A única coisa que detém o tempo é a saudade.


últimas dessa coluna


Sintomas são delações premiadas

Diante do delito cometido pela criminosa doença, o inocente corpo acumula provas, utilizando sintomas como forma de delação. Dessa maneira, ele espera, como prêmio, o retorno da saúde. Sintomas …


O perigo de nunca sentir dor

A presença da dor é essencial para a integridade e a sobrevivência da espécie. Jesus enfrentou o sofrimento, sabendo que estaria abandonado da presença misericordiosa de Deus. O cálice da …


A doença da urina do rato

O mundo está lembrando o centenário do término da Primeira Guerra Mundial. Entre 1914 e 1918, soldados inimigos trocavam tiros, buscando proteção dentro das trincheiras. Naquela época, ninguém …


“Abracadabra, que a doença seja debelada”

Escutar, examinar, solicitar exames, diagnosticar, explicar e tratar. Eu exerço esses ofícios há 40 anos. Procuro caprichar na informação, pois comunicação não é o que se fala, mas o que o outro …


Nem sempre dominamos o nosso corpo

Quando criança, eu costumava prestar atenção em minha respiração. O resultado era sempre uma sensação de cansaço, causado pelo trabalho dos músculos acostumados a respirar por conta própria. O …


A dor que não pertence ao corpo

“A dor do outro é sempre menor que a nossa”. Nem sempre isso é verdade. Existe dor que não mais nos pertence, mas ainda nos aflige. Ela costuma residir num membro fantasma. Quando removido ou …


Álcool não aduba felicidade

Após atravessar o aparelho digestivo e cair na corrente sanguínea, o álcool atinge o cérebro. Ao transformar o córtex cerebral em salão de festa, ele deixa o bebedor desinibido e falante. Sentindo-se …


Suicídio: coragem ou covardia?

Em algum momento na vida, todos já flertamos com a morte. Se não desejamos nos matar, ao menos cogitamos morrer para escapar do sofrimento, para chamar a atenção ou para entrar na história. O ser …


É preciso atenção com as ínguas

Íngua é o aumento dos gânglios linfáticos, aparecendo como consequência de alguma inflamação na região acometida, podendo ou não vir acompanhada de dor. Quando expostos a bactérias ou vírus, a …


Os efeitos colaterais da paixão

Amo mais que a ti, ao meu amor por ti”, diz o poeta. Não seria esta declaração de amor, na verdade, uma confissão de paixão? Estar apaixonado é adoecer por alguém. Apesar da inebriante sensação …