O tempo nem sempre é um aliado

Um indivíduo apaixonado clama pela permanência do tempo. Uma pessoa deprimida suplica pela passagem do tempo. Dentro da medicina, o tempo é usado para curar, como acontece, por exemplo, durante um pós-operatório. Por outro lado, diante de uma emergência, o tempo se torna um inimigo.

Uma apendicite, por exemplo, exige intervenção imediata. Quanto mais tempo passa, pior se torna o quadro. Um afogamento exige respiração artificial rápida. Depois de um tempo privado de oxigênio, os pulmões comprometem o funcionamento cerebral e a vida se extingue.

Quem buscou um cirurgião dentista visando realizar um implante dentário, reclama do tempo exigido pelo organismo para fabricar tecido ósseo, necessário ao procedimento odontológico.

O exemplo mais cristalino que demonstra a necessidade do tempo é a evolução de uma gestação. O embrião precisa de tempo para se desenvolver.

Crianças prematuras necessitam correr atrás do tempo para recuperar seu pleno amadurecimento.
Brinca-se, dizendo que o tempo depende de que lado do banheiro encontra-se o indivíduo que dele necessita.

Pessoas insones sentem o tempo se arrastando, transformando a noite numa longa vigília.

Não somente o médico, mas qualquer indivíduo pode se ver diante de algo, cujo tempo age a favor ou contra a vida.

De repente, alguém se depara com uma situação de emergência e não faz ideia de como ajudar.

A diferença entre emergência e urgência é que a emergência gera uma ameaça imediata para o bem-estar, enquanto a urgência representa uma ameaça futura, que pode vir a se tornar uma emergência, caso não seja solucionada.

Na emergência, o aparecimento é súbito e fortuito, exigindo solução imediata. Na urgência não, embora a solução deva ser acionada em curto prazo.

Em situações de emergência, devem ser tomadas medidas súbitas para evitar que a situação se agrave.

Urgência é um estado em que não há risco imediato à vida, à saúde, à propriedade ou ao ambiente, mas, se não for atendida num determinado período de tempo, a situação pode se transformar em uma emergência.

Na verdade, a maior urgência da vida é lembrar que devemos aproveitá-la.

No âmbito da medicina, emergência é a circunstância que exige imediatamente conduta cirúrgica ou intervenção médica. Hemorragias, parada respiratória e cardíaca são exemplos clássicos de emergências.

As ocorrências de caráter urgente necessitam de tratamento médico e, muitas vezes, de intervenção cirúrgica, mas possuem caráter menos imediatista.

Infecções, fraturas, luxações e dengue, por exemplo, lembram quadros de urgências.

Milhares de vidas são salvas pelo atendimento médico de urgência. Nos últimos anos, os avanços no campo da saúde foram significativos. Quando a urgência quer falar, não há necessidade de preparar discurso.

No século passado, a maioria dos pacientes de emergência que davam entrada nos hospitais, acabava morrendo.

Hoje se observa que, em grande parte, as vítimas conseguem recuperar-se e retornam a uma vida normal.

Doenças graves e traumas produzidos por acidentes podem ocasionar morte, antes mesmo de a vítima chegar ao hospital.

A assistência deve começar no local da emergência e continuar durante o deslocamento para o hospital.

Após o transporte, efetuado pelo serviço de emergência, ocorre a transferência do paciente para o pronto-socorro, assegurando a continuidade da assistência.

Esse atendimento profissional é acompanhado por uma cadeia de recursos humanos. A dinâmica do trabalho em equipe favorece a obtenção do êxito.

O tempo jamais se cansa; enquanto nós, lutando contra ou a favor dele, precisamos parar para respirar. A única coisa que detém o tempo é a saudade.


últimas dessa coluna


As frustrantes colites imunológicas

Existem basicamente três tipos de doenças: aquela que cura rápido, a que demora curar e aquela que nunca cura. Médicos apreciam enfermidades que evoluem rapidamente para o restabelecimento da saúde …


Ginecomastia na adolescência

O crescimento das mamas em homens pode criar constrangimentos de cunho estético.Anormalidade benigna, passível de correção, a ginecomastia é caracterizada por um excesso de tegumento, gordura e …


O sentido do olfato

Ao chegar, o cheiro tempera o ar. Quando parte, ele deixa lembranças – boas ou más. Um trivial aspirar pode despertar fome, provocar atração ou repulsa e resgatar cenas do passado. Quase tudo tem …


Surdez pode causar isolamento

A perda da audição causa um pesado infortúnio. Ela representa a ausência de um estímulo vital, o som da voz, que veicula a linguagem, agita os pensamentos e nos mantém conectados aos outros. A …


O medo de ter câncer

Carcinofobia – ou medo de câncer – é um temor que aflige grande quantidade de pessoas. Na maioria dos casos, esse medo é racional. Mas em pessoas com preocupação extrema, a condição pode gerar pânico …


Meningite, uma doença grave

Em 1977, apesar de ainda estar cursando o quinto ano de Medicina, fui chamado para consultar um adolescente que apresentava dor de cabeça e febre. Ao examina-lo percebi que se tratava de uma infecção …


Gripe intestinal e seus sintomas

Conhecida também como virose digestiva, a gripe intestinal provoca um quadro clínico bastante incômodo, embora desapareça, sem muitas complicações, depois de alguns dias. Esse tipo de gastroente…


Entupimento do ducto salivar

Pedras podem surgir na vesícula, no trato urinário e nas glândulas salivares. A sialolitíase ou cálculo salivar representa a obstrução do sistema excretor de uma glândula salivar por calcificações …


Nossas vigilantes e aliadas amígdalas

Tonsilas ou amígdalas são órgãos que auxiliam na fabricação de anticorpos para combater bactérias agindo, assim, como grandes aliadas do sistema imunológico. Localizadas na encruzilhada entre a …


Trememos por várias razões

“Quando a vela chega ao fim, a chama começa a tremer, com medo da escuridão”. O tremor resulta de várias situações. Sua principal causa é o frio, condição que faz com que os músculos se contraiam …