Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

O sentido do olfato
Doutor João Responde

O sentido do olfato

Ao chegar, o cheiro tempera o ar. Quando parte, ele deixa lembranças – boas ou más. Um trivial aspirar pode despertar fome, provocar atração ou repulsa e resgatar cenas do passado. Quase tudo tem odor, e dele depende nossa sobrevivência, embora algumas vezes nós torçamos o nariz para o olfato, esse intrigante sentido.

Enquanto os outros sentidos só irão funcionar perfeitamente depois de algum tempo de vida, o olfato entra em ação assim que o ser humano vem ao mundo.

A partir da primeira semana, o bebê reconhece o odor da mãe. Todas as pessoas têm um cheiro próprio, uma espécie de combinação final de todas as substâncias odoríferas liberadas através da pele. É provável que o cheiro de cada um seja de fato uma marca registrada tão particular como a impressão digital.

Diferentemente da visão, que consegue notar uma série de cores ao mesmo tempo, o olfato é capaz de identificar apenas um odor de cada vez, mesmo que esse seja uma combinação de vários odores.

Se dois aromas coexistirem em um mesmo local, predominará o mais intenso, e no caso de ambos serem acentuados, a percepção do cheiro alternará entre um e outro odor.

A percepção dos odores acontece quando o ar, que possui as moléculas aromáticas, atravessa as fossas nasais e entra em contato com a mucosa olfativa.

Esta estrutura, também denominada mucosa amarela, é rica em terminações nervosas que enviam impulsos ao cérebro para que sejam interpretados. O resultado desse processo é a identificação dos cheiros.

A mucosa amarela é sensível a ponto de ser estimulada a produzir impulsos, mesmo com uma quantidade pequena de moléculas aromáticas.

Entretanto, quanto maior for a quantidade dessas moléculas no ar, maior será a quantidade de estímulos transmitidos ao cérebro e, consequentemente, maior a sensação e percepção do odor.

Esta sensação, mesmo quando intensa, é rapidamente assimilada pelo olfato. Ou seja, ele “acostuma-se” ao odor excessivo e passa a senti-lo de forma mais amena.

Na parte inferior da cavidade nasal está localizada a mucosa vermelha, que recebe esse nome por ser irrigada por grande quantidade de vasos sanguíneos. Além disso, ela também contém glândulas secretoras de muco, responsáveis por manter a região úmida.

Durante um resfriado, por exemplo, essas glândulas produzem muco em excesso, dificultando a percepção do paladar.

Os odores são fundamentais para identificar cheiros diferentes entre sabores iguais.

Quando a capacidade olfativa não está funcionando corretamente, o paladar também acaba envolvido, fazendo com que tenhamos a sensação de que aquilo que ingerimos está “sem gosto”.

O olfato pode estar comprometido pela perda total, perda parcial ou excesso de sensibilidade olfativa.

Anomia representa dano total ou parcial do olfato. Indivíduos acometidos por esse quadro nosológico não conseguem distinguir sabores específicos.

Hiposmia é a baixa sensibilidade olfativa. Hiperosmia é a sensibilidade excessiva aos odores, afetando, principalmente, mulheres grávidas.

Distorção do sentindo do olfato pode surgir como consequência de infecções orais, sinusites, má higiene bucal, lesões dos nervos olfatórios, depressão emocional, Parkinson, Alzheimer, doenças endócrinas, tumores nasais e cerebrais, alergias respiratórias, etc.

Idosos também apresentam diminuição da capacidade olfativa. O envelhecer provoca deterioração dos nervos responsáveis pelo olfato, deixando a lembrança decidir o que fazer com as sensações que as narinas absorveram da vida.

O tempo tem cheiro, os momentos têm cheiro, as coisas têm cheiro. Nós respondemos a cada um deles, de uma determinada maneira. Amamos e odiamos também pelo cheiro.


últimas dessa coluna


Exclusivo
Doutor João Responde

Causas de inchaço nas pernas

Quando falamos de “edema”, a primeira coisa que devemos levar em conta é que essa inchação não se trata de diagnóstico, mas de um sinal, uma alteração fisiológica que implica a presença de fluidos …


Exclusivo
Doutor João Responde

Importância da dor para a preservação da vida humana

Saúde e doença saem de um tronco único, visto que têm uma só e mesma base: a dor de crescer. Dor é uma experiência sensorial desagradável associada com lesão tecidual real ou potencial, refletindo a …


Exclusivo
Doutor João Responde

Doenças exantemáticas

Dezembro de 1978. Após frutificante período de faculdade, eu terminava o curso de Medicina. Durante as festividades de formatura, amanheci febril e com o corpo todo pintado de vermelho. Como …


Exclusivo
Doutor João Responde

Herpes-zóster, esse filho da catapora

Varicela é uma virose que afeta a criança e o adolescente, cujo nome foi criado para assustá-los na hora do médico informar que se trata da conhecida catapora. No primeiro dia de infecção, o vírus se …


Exclusivo
Doutor João Responde

Envelhecer é um privilégio

Velho não é sinônimo de imprestável. Ao contrário, alcançar os últimos degraus da idade pode trazer consigo um grande acúmulo de sabedoria. O que seria do mundo presente se não houvesse as lembranças …


Exclusivo
Doutor João Responde

Boqueira, essa incômoda feridinha

Queilite angular, chamada popularmente de boqueira, é um pequeno machucado doloroso que ocorre no canto da boca. Trata-se de uma dermatose comum, caracterizada por fissura e inflamação no ângulo dos …


Exclusivo
Doutor João Responde

Arroto: um sintoma mal-educado?

Para os árabes, arrotar depois da refeição é sinal de que o convidado apreciou o prato. Em nosso País, isso caracteriza falta de educação. Para o corpo, eructar é a maneira que o estômago encontra …


Exclusivo
Doutor João Responde

A prazerosa fome do apetite

O mais saboroso alimento depende da fome. O mais prazeroso prato depende do apetite. Dizem que beleza não se põe em mesa. Concordo, mas confesso que ela abre o apetite. Quando sentimos vontade …


Exclusivo
Doutor João Responde

Afeto faz bem à saúde

Experimente caminhar pelas ruas distribuindo abraços e apertos de mãos. Infelizmente, a maior parte das pessoas não retornará as demonstrações de afeto oferecidas por você. Algumas reagirão com …


Doutor João Responde

Tato, o olho da pele humana

O tato é o idioma do corpo. Vendo, ouvindo, cheirando, apalpando e sentindo sabores, percebemos o meio que nos cerca. Ao processar esses estímulos em nosso cérebro, nós os interpretamos, sejam como …


Olá, !

Esse é o seu primeiro acesso por aqui, então recomendamos que você altere o seu nome de usuário e senha, para sua maior segurança.



Manter dados