Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

O phallós grego e outros falos
Regina Navarro Lins
Regina Navarro Lins

Regina Navarro Lins


O phallós grego e outros falos

As estátuas do deus Hermes, com o pênis ereto, ornamentava fachadas de residências gregas. Aliás, a palavra Hermes era um sinônimo de pênis para os gregos. A genitália exposta, e proeminente, de sátiros e homens é encontrada em vasos e taças. A Atenas da idade clássica tinha obsessão pelo pênis, era uma falocracia.
Mutilações de Hermes

No ano de 415 a.C., os pênis das estátuas de Hermes, tão populares em toda Atenas, sofreram atentados, foram quebrados, causando desconforto geral entre os adoradores de Príapo, deus masculino. As mutilações de Hermes se tornaram fato intrigante entre os estudiosos do período. Havia também Dionísio, com seu volumoso membro viril.

Poderes mágicos?

Os obeliscos, criados pelos egípcios, são homenagens ao membro do homem. São esculturas altíssimas, com a ponta em forma de pirâmide. Um deles, chamado de A agulha de Cleópatra, está no Central Park, em Nova Iorque. Nas ruínas de Pompeia foram encontrados falos de bronze e terracota, com asas, rabos e pernas. Eles tinham a fama de possuírem poderes mágicos, usados como amuleto, no pescoço ou em braceletes.

Como guardar (exibir) um falo

Os envoltórios para cobertura de pênis, em sociedades onde os homens andam nus, são chamados falocriptos. Eles consistem de faixas de tecido, geralmente de chita, que é enrolado em torno dos testículos e do próprio pênis. O resultado é um volume que mais chama a atenção do que esconde o membro viril.

Penas e rabos de animais

Nas Novas Hébridas (atual Vanuatu, oceano Pacífico) os homens andam nus, portando falocriptos adornados com penas de pássaros ou rabos de animais, em torno do pênis. Este hábito foi notado no Amazonas, entre os marquesianos e também era de uso dos gregos antigos, que amarravam o pênis, de forma a que não balançasse durante os movimentos. Conchas, cabaças, chifres e canudos de bambu são alguns dos materiais usados como falocriptos.

Sexo por prazer

O mais completo guia de prática sexual do Ocidente é do americano Alex Confort. Publicado pela primeira vez na década de 1970, Os Prazeres do Sexo foi escrito sob a forma de verbetes distribuídos em seções.

Segundo suas palavras na introdução, “o primeiro livro fundamentado na biologia e na etologia do comportamento”. Ele também acentua que “para o gênero humano, sexo é apenas um décimo reprodução; nove décimos são entretenimento”. Essas singularidades se devem ao livro ser reflexo direto da Revolução Sexual recém-iniciada nos anos 1960.

A arte do pompoarismo

As possibilidades da vagina são múltiplas: orgasmos múltiplos vaginais, ponto G, ponto A, ponto U, ejaculação feminina, orgasmo combinado (ponto G e clitóris ao mesmo tempo) e pompoarismo. Uma prática comum na Tailândia. Vários documentários mostram pompoaristas em atividade em diversas partes do mundo. No documentário chinês Os últimos tabus, uma mulher aparece fumando pela vagina, no filme japonês O império dos sentidos, a mulher introduz um ovo cozido, que depois é expelido e comido, e no filme australiano Priscilla – a rainha do deserto, bolas de pingue-pongue são disparadas pela vagina.

No dicionário

O dicionário Michaelis explica o que é pompoar: “contração voluntária dos músculos circunvaginais, a fim de induzir sensações eróticas no pênis, durante o ato sexual.’ Tal prática prolonga e intensifica o prazer sexual.” Quanto a isso, parece não haver dúvida. Pelos relatos de quem viveu essa experiência, uma pompoarista tem vários orgasmos intensos e leva seu parceiro, por meio da massagem que sua vagina faz no pênis, a obter sensações de prazer intensas.

Conteúdo exclusivo para assinantes!

Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

Matérias exclusivas, infográficos, colunas especiais e muito mais, produzido especialmente pra quem é assinante.

Apenas R$ 9,90/mês
Assinar agora

últimas dessa coluna


Exclusivo
Regina Navarro Lins

Aos gregos, o prazer

Duas vertentes compunham o perfil da sexualidade grega (século V a.C.), o hedonismo e a falocracia. Elas geravam um modo de vida em que nada era proibido aos cidadãos gregos e nunca se discutia a …


Exclusivo
Regina Navarro Lins

Sobre a separação

Colocar um ponto final num relacionamento é tão doloroso, que muitos consideram o sofrimento comparável em intensidade à dor provocada pela morte de uma pessoa querida. Formas de se separar …


Exclusivo
Regina Navarro Lins

Mapa amoroso

Para o sexólogo americano John Money, antes de qualquer escolha amorosa já havíamos desenvolvido um mapa mental, um modelo cheio de circuitos cerebrais que determinam o que desperta nossa sexualidade…


Exclusivo
Regina Navarro Lins

O amor no cérebro

As descobertas científicas, que permitem saber como funciona o cérebro, cada vez mais contribuem para modificar a visão do amor e do sexo. Não vamos mais tratar o sexo como algo incompreensível, como …


Exclusivo
Regina Navarro Lins

Masturbação: um grande tabu

Um levantamento feito pelo PornHub (maior e mais assistido site de pornografia do mundo), traz dados interessantes sobre a masturbação. Alguns dos que vão surpreender muita gente são o de que …


Exclusivo
Regina Navarro Lins

Novas formas de pensar e viver

Após a Segunda Guerra, com a destruição de Hiroxima e Nagasaki, a ameaça da bomba atômica paira na cabeça dos jovens. Com o sentimento de insatisfação que isso provoca, eles começam a questionar os …


Exclusivo
Regina Navarro Lins

Diversão e prazer sexual

Na segunda metade do século 17 houve uma grande invasão da pornografia em Londres e Paris. As obras pornográficas aparecem abruptamente por volta de 1650. Inicialmente traduzia resistências dirigidas …


Exclusivo
Regina Navarro Lins

Simbiose X Liberdade

Na fusão com a mãe no útero, experimentamos a sensação de plenitude, bruscamente interrompida com o nascimento. A partir daí, o anseio amoroso parece ser o de recuperar a harmonia perdida. A criança, …


Olá, !

Esse é o seu primeiro acesso por aqui, então recomendamos que você altere o seu nome de usuário e senha, para sua maior segurança.



Manter dados