Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

O perigo de nunca sentir dor
Doutor João Responde

O perigo de nunca sentir dor

Doutor João Evangelista, médico e colunista de A Tribuna (Foto: Arquivo/AT)
Doutor João Evangelista, médico e colunista de A Tribuna (Foto: Arquivo/AT)
A presença da dor é essencial para a integridade e a sobrevivência da espécie. Jesus enfrentou o sofrimento, sabendo que estaria abandonado da presença misericordiosa de Deus.

O cálice da maldição divina por causa do pecado estava prestes a ser derramado sobre o Nazareno na cruz do calvário, experimentando o martírio para redimir o ser humano. Aquele que nunca pecou, se fez pecado, gritando pelo afastamento da dor.

Não sentir dor não caracteriza benção. A dor é necessária. Ninguém consegue crescer sem experimentar sofrimento.

Algia é um sinal de alarme que protege o organismo. Diante da sua ausência, os gestos mais simples do cotidiano podem acarretar lesões graves.

O indivíduo que não retira a mão do fogo, ou que suporta, sem reclamar, pancadas intensas, orienta para o diagnóstico de analgesia congênita.

Presença de queimaduras, feridas, hematomas ou fraturas, sem que haja queixas, apontam para essa patologia.

Bebês com marcas de automutilação involuntária, como mordidas nos dedos, no interior da boca e na língua, são indícios de analgesia congênita.

Algumas vezes, a insensibilidade congênita à dor é descoberta apenas na adolescência ou em idade adulta, de forma acidental, quando uma fratura não produz nenhuma dor, por exemplo.

A etiologia dessa estranha enfermidade permaneceu por bastante tempo sem explicação.

Hoje se sabe da relação entre a falta de sensibilidade à dor, com anomalias genéticas que modificam o funcionamento de determinadas fibras nervosas.

Algumas formas de analgesia congênita provocam perda de sensibilidade tátil e da noção da posição dos membros.

Em outros casos, observa-se uma alteração do sistema nervoso autônomo, levando à ausência de lágrimas, crises de febre inexplicáveis e transpiração deficiente ou excessiva.

Diferentes genes foram associados a diversos tipos de analgesia. Assim, em uma das ocorrências mais raras, o motivo é a modificação de um gene que permite a diminuição do fator de crescimento, indispensável ao desenvolvimento das fibras responsáveis pela dor.

Essa mutação acarreta uma analgesia grave, acompanhada, por vezes, de uma situação de atraso mental.

A insensibilidade congênita faz com que seus portadores não percebam diferenças de temperatura, podendo sofrer queimaduras com facilidade e, embora eles sejam sensíveis ao tato, são incapazes de sentir dor física, ficando propensos a graves lesões, como amputações e esmagamentos de membros.

Dor é um sinal emitido pelo corpo, cuja função é servir de proteção.

Ela indica indício de perigo, auxiliando a identificar enfermidades, como infecção de ouvido, gastrite, ou outras mais graves, como o infarto agudo do miocárdio.

Quando a pessoa não sente dor, a doença vai progredindo e se agravando, sendo descoberta apenas numa fase avançada.

O diagnóstico da analgesia congênita é feito com base na observação clínica da criança, já que normalmente é descoberta na infância.

O tratamento não é específico, pois esta doença não tem cura.

Imobilizações e cirurgias podem ser necessárias para tratar lesões ortopédicas e evitar a perda dos membros.

Por mais sedutora que a ausência de dor possa parecer, basta refletir um pouco para se descobrir que essa premissa é mais um problema, que uma solução.

Sentir dor é a melhor maneira para evitar perigos e se recuperar o mais rapidamente possível de danos já ocorridos.

Agindo como um mecanismo de alarme, ela avisa ao cérebro de que algo potencialmente ameaçador está acontecendo em algum local do corpo.

Dor frutifica memória. Ter sofrido é não esquecer a tristeza e a dor, mesmo quando elas já se diluíram no passado. Só é feliz quem um dia foi triste.

João Evangelista Teixeira Lima é clínico geral e gastroenterologista


últimas dessa coluna


Exclusivo
Doutor João Responde

Importância da dor para a preservação da vida humana

Saúde e doença saem de um tronco único, visto que têm uma só e mesma base: a dor de crescer. Dor é uma experiência sensorial desagradável associada com lesão tecidual real ou potencial, refletindo a …


Exclusivo
Doutor João Responde

Doenças exantemáticas

Dezembro de 1978. Após frutificante período de faculdade, eu terminava o curso de Medicina. Durante as festividades de formatura, amanheci febril e com o corpo todo pintado de vermelho. Como …


Exclusivo
Doutor João Responde

Herpes-zóster, esse filho da catapora

Varicela é uma virose que afeta a criança e o adolescente, cujo nome foi criado para assustá-los na hora do médico informar que se trata da conhecida catapora. No primeiro dia de infecção, o vírus se …


Exclusivo
Doutor João Responde

Envelhecer é um privilégio

Velho não é sinônimo de imprestável. Ao contrário, alcançar os últimos degraus da idade pode trazer consigo um grande acúmulo de sabedoria. O que seria do mundo presente se não houvesse as lembranças …


Exclusivo
Doutor João Responde

Boqueira, essa incômoda feridinha

Queilite angular, chamada popularmente de boqueira, é um pequeno machucado doloroso que ocorre no canto da boca. Trata-se de uma dermatose comum, caracterizada por fissura e inflamação no ângulo dos …


Exclusivo
Doutor João Responde

Arroto: um sintoma mal-educado?

Para os árabes, arrotar depois da refeição é sinal de que o convidado apreciou o prato. Em nosso País, isso caracteriza falta de educação. Para o corpo, eructar é a maneira que o estômago encontra …


Exclusivo
Doutor João Responde

A prazerosa fome do apetite

O mais saboroso alimento depende da fome. O mais prazeroso prato depende do apetite. Dizem que beleza não se põe em mesa. Concordo, mas confesso que ela abre o apetite. Quando sentimos vontade …


Exclusivo
Doutor João Responde

Afeto faz bem à saúde

Experimente caminhar pelas ruas distribuindo abraços e apertos de mãos. Infelizmente, a maior parte das pessoas não retornará as demonstrações de afeto oferecidas por você. Algumas reagirão com …


Doutor João Responde

Tato, o olho da pele humana

O tato é o idioma do corpo. Vendo, ouvindo, cheirando, apalpando e sentindo sabores, percebemos o meio que nos cerca. Ao processar esses estímulos em nosso cérebro, nós os interpretamos, sejam como …


Doutor João Responde

Saúde esterilizada vira doença

Ninguém questiona a imprescindível necessidade da higiene, do uso de medicamentos, do emprego de vacinações, entre outros cuidados que visam preservar a saúde. Antigamente, a preocupação do ser …


Olá, !

Esse é o seu primeiro acesso por aqui, então recomendamos que você altere o seu nome de usuário e senha, para sua maior segurança.



Manter dados