search
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

O medo de ter câncer
Doutor João Responde

O medo de ter câncer

Carcinofobia – ou medo de câncer – é um temor que aflige grande quantidade de pessoas. Na maioria dos casos, esse medo é racional. Mas em pessoas com preocupação extrema, a condição pode gerar pânico e afetar a saúde, levando-as a procurar médicos continuamente para garantir que tudo está bem com seu organismo.

O simples pensamento sobre a doença pode gerar ansiedade e ataque de pânico, acompanhados por sintomas físicos, como tremor, sudorese, taquicardia, vertigens desmaios, etc.

Ideias de morte, perda do controle e incapacidade de distinguir entre o real e o imaginário pioram o quadro sintomático.

O câncer é caracterizado pelo crescimento desordenado de células, provocando invasão de tecidos e órgãos adjacentes.

A disseminação de células cancerosas pelo organismo, pelos vasos sanguíneos e linfáticos, é denominada metástase.

Cânceres também são chamados de tumores malignos. Como o corpo possui grande número de células diferenciadas, o tipo de câncer dependerá dessa condição.

Assim, cânceres de pele são aqueles localizados nessa região.

Os tumores que se iniciam em músculos são denominados sarcomas, dentre outros exemplos.

O câncer provoca alterações no DNA da célula, gerando interferências na regulação de seu crescimento.

Como, geralmente, as células cancerígenas são menos especializadas, seu crescimento faz com que os tecidos afetados percam suas funções, conferindo graves problemas ao paciente, inclusive sua morte.

Apesar disso, muitos cânceres podem ser curados; principalmente quando diagnosticados precocemente.

Células saudáveis crescem e morrem quando o organismo não precisa mais delas.

O câncer ocorre quando o aumento de células está fora de controle, se dividindo rapidamente. Algumas células cancerosas “se esquecem de morrer”.

Carcinogênese é um processo altamente complexo do qual participam fatores de risco herdados e ambientais, como a alimentação, o tabagismo, a ocupação e a exposição à radiação e agentes químicos.

Ocorrendo de forma lenta, uma célula cancerosa pode levar vários anos para proliferar e dar origem a um tumor visível.

Exposição às radiações e a produtos químicos, viroses, tabagismo, alcoolismo, dietas inadequadas e sedentarismo, são alguns dos fatores externos que contribuem para o aparecimento de cânceres.

Como fatores externos, lembramos o comprometimento do sistema imunológico, a predisposição genética e alterações hormonais.

Prevenção é sempre importante para evitar doenças. Em se tratando de cânceres, ela se torna imperiosa.

Um tumor em qualquer região do corpo costuma produzir sintomas genéricos, como perda de peso sem fazer dieta, cansaço contínuo, tosse persistente, febre intermitente, sangramentos, presença de gânglios, manchas na pele ou dor que não melhora.

Entretanto, para obtenção de diagnóstico correto, é preciso fazer uma série de exames visando descartar outras hipóteses.

Alguns exames, como CEA, CA125, endoscopia, colonoscopia, tomografia e ressonância magnética, são úteis para rastrear a presença de tumores.

Quase sempre, o câncer é diagnosticado quando o indivíduo apresenta sintomas bem específicos, que podem surgir de uma hora para outra, sem explicação, ou como uma consequência de uma enfermidade que não foi corretamente debelada.

Câncer descoberto em fase inicial aumenta as chances de cura do paciente.

Prevenir o câncer é eliminar as condições específicas que podem desencadeá-lo, através de atitudes de eficácia comprovada.

Parte da prevenção encontra-se dentro do próprio indivíduo, onde devem morar a esperança e a coragem, esses tônicos que fortalecem seu estado de saúde. Quanto mais da doença se conhece, menos dela se teme.
 


últimas dessa coluna


Exclusivo
Doutor João Responde

Nossa memória imunológica

Quase ninguém se recorda da última vez em que ficou doente por conta de uma infecção microbiana, mas o sistema imune lembra bem desse momento da vida, assim como de vários outros anteriores. …


Exclusivo
Doutor João Responde

Esses malditos vírus

Nada garante a saúde permanente do ser humano. Por mais que a vida seja protegida, nada assegura a manutenção da tranquilidade do amanhã. Por esse motivo, a ciência toma conclusões como verdades …


Exclusivo
Doutor João Responde

Maconha não é droga inofensiva

Quando aquele jovem apareceu no consultório, eu já sabia boa parte da história que ele iria me contar. Preocupada, sua mãe havia ligado antes, me passando algumas informações a seu respeito. …


Exclusivo
Doutor João Responde

Minha vesícula encheu de pedras

Semanas após ter sido encaminhada para extrair a vesícula biliar, a paciente retornou ao meu consultório. Satisfeita, ela afirmou: “Minha cirurgia foi um sucesso, doutor”. Nada lembrava a …


Exclusivo
Doutor João Responde

Estou magro, mas sou gordo

Doze meses após se consultar comigo, o paciente reapareceu. Lembro-me quando ele chegou pela primeira vez. Lá estava, diante de mim, um adiposo jovem, carregando lipídios, complexos e desânimo. …


Exclusivo
Doutor João Responde

Idoso não deve morar sozinho

Amparado pelas filhas, um senhor de idade avançada entrou na minha sala e, com certa dificuldade, sentou-se na cadeira. Eu perguntei: O que posso fazer pelo senhor? Como ele se manteve silencios…


Exclusivo
Doutor João Responde

Ainda bem que envelhecer não dói

Agora que meu espírito amadureceu, meu corpo começou a envelhecer, lastimou um grisalho senhor. É verdade. A vida é curta, os sonhos são fugazes, as crises são duradouras, as decisões são difíceis, …


Exclusivo
Doutor João Responde

Como não enjoar navegando no mar

Minha pergunta é bastante objetiva, expôs um paciente ao entrar no meu consultório: Existe algo que eu possa fazer para evitar o vexame de correr em direção à amurada da embarcação e “deitar cargas …


Exclusivo
Doutor João Responde

Doença como forma de protesto

Quando aquele casal entrou no consultório, eu não imaginava que os sintomas, descritos por ambos, revelavam uma linguagem cifrada para um se queixar do outro. Mal iniciei a consulta do marido, a …


Exclusivo
Doutor João Responde

“Não posso ficar doente, doutor!”

Há mais de três décadas, eu venho observando os olhares aflitos de alguns doentes, quando confrontados com a realidade da doença. Adoecer significa sair da ativa, tendo em vista que “paciente” quer …


Olá, !

Esse é o seu primeiro acesso por aqui, então recomendamos que você altere o seu nome de usuário e senha, para sua maior segurança.



Manter dados