Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

O homem criminoso e as agressões contra mulheres
Tribuna Livre

O homem criminoso e as agressões contra mulheres

A visão da sociedade ainda é muito ingrata com as mulheres, séculos de discriminação e desrespeito não são facilmente apagadas do nosso cotidiano, mas o empoderamento feminino, que é a luta pelo respeito as suas opções e pela total igualdade entre os gêneros, parece estar conseguindo diminuir essa impressão de vulnerabilidade. Com o crescimento da participação feminina nas decisões cotidianas, muitos homens começam a se sentir vítimas deste processo e utilizam sua força para “se vingar”, “lavando sua honra” através de ameaças, agressões e espancamentos.

Com grande apelo da mídia isso está começando a mudar, mas essa mudança é sempre muito lenta.

Na atividade de defensor público é comum se deparar com relatos de espancamento feminino que foram mantidos em segredo pela vítima e seus familiares, talvez por ter conhecimento de histórias similares na sua comunidade que também foram mantidos em sigilo, quem sabe por receio de ficar desamparada financeiramente, quiçá pelo machismo das autoridades públicas que muitas vezes duvidam dos fatos ou tentam procurar alguma atitude da mulher que justificaria o homem agir daquela forma.

A antiga máxima “ruim com ele pior sem ele” ainda impera em nossa sociedade, sem contar que muitas vezes as famílias apoiam o homem agressor e colocam a culpa nas mulheres, mesmo quando elas são membros da sua família.

Não me parece representar a verdade a impressão de muitos operadores do Direito que alegam que a violência contra a mulher sempre existiu na intensidade atual, porém, que apenas agora está reluzindo devido ao estímulo das autoridades policiais para que ocorra sua comunicação.

Como os dados passados relacionados a violência doméstica são obscuros, em razão dos motivos acima alegados, não é possível fazer uma análise estatística fidedigna, mas a impressão após atuar por quase 10 anos como Defensor Público nas mais diversas áreas e regiões do Espírito Santo, alimenta a ideia que a violência doméstica vem crescendo a ponto de se admitir a existência de um surto.

Minha experiência profissional demonstra, que na maioria dos casos, um homem não começa a ser violento do dia para a noite, mas de forma gradual e as agressões vão aumentando à medida que o homem percebe que a mulher está sozinha.

Nesse sentido, a ira dos homens pode se voltar com tranquilidade contra suas parceiras dentro de casa, pois, muitas vezes, elas vão tolerar esses episódios de violência, sem se rebelar, até a morte.

Dentro desse cenário de empoderamento feminino aliado a crescente comunicação dos episódios de violência doméstica observo uma forte reação masculina de aversão ao feminismo.

Deste modo, para conter esse surto entendo que o melhor caminho a seguir é a estigmatização do homem como um criminoso, talvez dessa forma a culpa masculina que nunca existiu comece a aparecer.

Raphael Maia Rangel é defensor Público do Estado do Espírito Santo


últimas dessa coluna


Exclusivo

Teletrabalho e a possibilidade legal da empresa reduzir custos

O teletrabalho é previsto no Capítulo II-A da CLT, porém, empresários e trabalhadores ainda têm dúvidas sobre essa modalidade contratual, também chamada de home office. O teletrabalho nada mais …


Exclusivo

Violar prerrogativas é amedrontar a sociedade

O advogado mineiro Sobral Pinto foi definitivo: “A advocacia não é uma profissão de covardes”. E não é mesmo. Enfrentar o Leviatã cada vez mais inchado e poderoso, somadas às angústias dos condenados…


Assistentes sociais no combate ao racismo

Vivemos uma conjuntura marcada pela intensificação da retirada de direitos sociais e de mudanças drásticas na direção das políticas públicas. São mudanças defendidas a partir de um discurso que visa …


Primeira estrada do Estado completa um século

Ao transitar pelas inúmeras estradas de rodagem que interligam os mais remotos rincões do nosso Estado, pouca ou nenhuma memória nos vem à tona para nos remeter a um passado relativamente recente, de …


Agricultura e economia nacional: passos para o desenvolvimento

Atualmente, o Brasil ocupa lugar de destaque como exportador de vários produtos agrícolas, razão pela qual se afigura como um dos principais atores na redefinição da ordem mundial do comércio …


A importância dos conselhos de fiscalização profissional

Em tempos de discussão acerca da manutenção dos conselhos de fiscalização das atividades profissionais e até mesmo a dúvida que permeia a sociedade quanto à necessidade da existência de tais …


A onda do naturismo cristão

Está chegando ao Brasil mais uma onda norte-americana do campo religioso. Criada em 1984, na cidade de Ivor, Pensilvânia, a Igreja White Tail se destaca por ser uma comunidade nudista. O …


E os médicos ainda são culpados?

A velha história se repete. A crise que acomete a assistência aos pacientes no PA de Alto Lage, em Cariacica, foi creditada, há pouco tempo, pelo prefeito daquele município, em entrevista a emissoras …


Por que os jovens bebem tanto?

É uma triste realidade. Os adolescentes têm bebido cada vez mais e, o que é pior, cada dia mais cedo. Quais seriam as causas? Onde encontrar a origem do problema? São perguntas que todos fazem, mas …


Por mais Tabatas atuando na política

Lugar de mulher é onde ela quiser. Certo? Mas na política ainda não funciona bem assim. Temos desigualdades diversas no país – racial, social, só para citar alguns exemplos – e a de gênero é uma das …


Olá, !

Esse é o seu primeiro acesso por aqui, então recomendamos que você altere o seu nome de usuário e senha, para sua maior segurança.



Manter dados