Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

O direito à plena infância
Tribuna Livre

O direito à plena infância

Doze de junho, além de Dia dos Namorados, é Dia de Combate ao Trabalho Infantil. Esta data foi instituída pela Organização Internacional do Trabalho (OIT), em 2002, quando da apresentação do primeiro relatório global sobre o trabalho infantil na Conferência Internacional do Trabalho.

No Brasil, foi instituída pela Lei 11.542/2007, e funciona como um chamamento para refletirmos acerca do presente e futuro de nossas crianças e adolescentes.

A Constituição Federal de 1988 (CF/88) considera a criança e o adolescente, com absoluta prioridade, e asseguram-lhes o direito à vida, à saúde, à educação, à dignidade e ao respeito, além de colocá-los a salvo de toda forma de negligência, discriminação, exploração, violência, crueldade e opressão (art. 227).

O direito à proteção integral abrange idade mínima para trabalhar (dezesseis anos, salvo na condição de aprendiz, a partir de quatorze anos de idade) e a proibição de trabalho noturno, perigoso ou insalubre a menores de dezoito anos (CF/88, arts. 227, §3º, I, e 7º, XXXIII).

Este arcabouço protetivo é reforçado pela Convenção 182 da OIT. Este instrumento internacional, internalizado pelo Brasil, contempla as piores formas de trabalho infantil. Para evitar abusos, estabelece uma lista de atividades nas quais os menores de dezoito anos não podem trabalhar, e a exigência de que os países aderentes adotem práticas efetivas para combater esta chaga social.

A Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), alinhada à Constituição e à OIT, consigna um capítulo de disposições específicas para o menor. Prescreve que o trabalho da criança e do adolescente não poderá ser realizado em locais prejudiciais à sua formação, ao seu desenvolvimento físico, psíquico, moral e social e em horários e locais que não permitam a frequência à escola (art. 403, parágrafo único). Inclusive, o empregador está obrigado a facilitar a mudança de função para respeitar sua condição peculiar (art. 426). Há também restrições à prorrogação da jornada de trabalho (art. 413). Com isso, como regra, proíbe-se a hora extra.

Mesmo com todas essas previsões, os dados sobre trabalho, abuso e à exploração sexual infantis são alarmantes.

Segundo o PNAD-2015, mais de 2,7 milhões de crianças e adolescentes, de 5 a 17 anos, estão em situação de trabalho no Brasil. No mundo, 152 milhões estão em trabalho precoce.

O Disque 100, no Brasil, recebeu, entre 2012 e 2016, 175 mil denúncias de exploração sexual de crianças e adolescentes, o que representa quatro casos por hora. A maioria das denúncias apontam as meninas como vítimas, contudo há um percentual significativo de relatos de meninos abusados e explorados sexualmente.

O trabalho infantil é cercado de vários mitos. O que parece real é que, muitas vezes, reproduz o ciclo de pobreza familiar, prejudica a aprendizagem da criança e do adolescente e, em certas situações, gera evasão escolar e os tornam vulneráveis em diversos aspectos. No final, podem ser adultos despreparados para o exigente mercado de trabalho.

A plena infância (que é incompatível com o trabalho infantil), portanto, é essencial para o desenvolvimento das crianças e na construção de uma vida adulta saudável. Por isso, a relevância da pauta do combate ao trabalho infantil!

Bruno Gomes Borges da Fonseca é procurador do Trabalho, pós-doutorando em Direito e professor universitário.

Conteúdo exclusivo para assinantes!

Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

Matérias exclusivas, infográficos, colunas especiais e muito mais, produzido especialmente pra quem é assinante.

Apenas R$ 9,90/mês
Assinar agora

últimas dessa coluna


Exclusivo
Tribuna Livre

Protagonismo judicial versus desjudicialização

O sociólogo Boaventura de Sousa Santos chamou de “[...] expansão global do poder judiciário” a tendência de afirmação do protagonismo judicial. Desse fenômeno que também se manifesta no Brasil …


Exclusivo
Tribuna Livre

A trajetória da coxinha

Linguistas ensinam que a existência de muitos idiomas em um espaço territorial pequeno é característica de áreas ocupadas há muito tempo. Já a existência de um único idioma em uma área territorial …


Exclusivo
Tribuna Livre

Metamorfose profissional e o mercado corporativo

O mercado corporativo está passando por mudanças bruscas nos últimos anos. Com o avanço da tecnologia, as empresas estão se reinventando e procurando novos caminhos e soluções ligadas à transformação …


Exclusivo
Tribuna Livre

Reflexões sobre a Arte atual

As pinturas rupestres ou pré-históricas, reveladas ao público no séc. XIX, foram de início apontadas pelos darwinistas como fraudes dos criacionistas (aqueles que acreditam que animais e plantas …


Exclusivo
Tribuna Livre

A relação entre urbanismo e segurança pública

O que o urbanismo tem a ver com a segurança pública? Para muitas pessoas não existe uma relação entre o urbanismo e a segurança pública, mas veremos que ao contrário do que pensa a maioria das …


Exclusivo
Tribuna Livre

O segredo da pré-campanha está no almoço de domingo

No domingo, como bom genro, decidi fazer um churrasco de agrado à minha sogra. Próximo a nossa casa existe um açougue, entretanto, pego o carro e faço questão de atravessar a cidade para comprar os …


Exclusivo
Tribuna Livre

Educação com segurança

Na semana passada tivemos, aqui nos EUA, a volta às aulas. Após quase três meses de férias, que coincidem com o período do verão americano, todos os alunos retomaram suas rotinas de estudo. Não …


Exclusivo
Tribuna Livre

Educação com segurança

Na semana passada tivemos, aqui nos EUA, a volta às aulas. Após quase três meses de férias, que coincidem com o período do verão americano, todos os alunos retomaram suas rotinas de estudo. Não foi …


Exclusivo
Tribuna Livre

A odiosa Devassa e os impostos nos tempos modernos

Durante o Século XVIII, o Brasil-Colônia arcava com elevada carga tributa, que lhe impunha o nosso insaciável colonizador, a Coroa portuguesa. A aludida tributação recaía sobre tudo o que era …


Exclusivo
Tribuna Livre

A PMES e a Guerrilha do Caparaó

O movimento conhecido com “a Guerrilha do Caparaó” é citado por vários autores, como a primeira tentativa insurgência armada contra o regime militar feita por ex-militares cassados e alguns civis, …


Olá, !

Esse é o seu primeiro acesso por aqui, então recomendamos que você altere o seu nome de usuário e senha, para sua maior segurança.



Manter dados