search
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

O dever de guarda e segurança das senhas pelo consumidor
Tribuna Livre

O dever de guarda e segurança das senhas pelo consumidor

As fraudes nos sistemas bancário e de comércio eletrônico tem ocasionado um aumento vertiginoso de demandas judiciais buscando reparação dos danos, ao mesmo tempo em que o Poder Judiciário não acompanha - na mesma velocidade – com novos entendimentos acerca dos atuais métodos de pagamentos digitais e transações financeiras.

Os tribunais superiores já registraram entendimentos com as Súmulas n.º 297 e 479, de seguintes conclusões: “o Código de Defesa do Consumidor é aplicável às instituições financeiras” e “As instituições financeiras respondem objetivamente pelos danos gerados por fortuito interno relativo a fraudes e delitos praticados por terceiros no âmbito de operações bancárias.”

No entanto, o que se observa na prática é que ainda temos decisões e sentenças equivocadas, principalmente quando evidente a reiteração de novos golpes praticados por estelionatários, que só foi (é) possível devido a participação do cliente/consumidor que forneceu senha pessoal.

Existe uma linha tênue no conceito de “segurança” exigida dos fornecedores na relação de consumo, e a reiteração de casos semelhantes, necessitam uma análise mais profunda do Judiciário, especialmente quando o dever de guarda e segurança das senhas pessoais não é observado.

Os bancos e as organizações do setor tem se empenhado em suas redes sociais em informar ao consumidor os procedimentos que não são adotados por seus prepostos, reforçando a necessidade de manutenção do sigilo e guarda de informações pessoais, especialmente as senhas de uso pessoal e intransferível.

A imprensa vem noticiando casos de fraudes praticadas por estelionatários que se apresentam como funcionários - o chamado “golpe do motoboy” - que recolhe cartões e senhas pessoais, e realiza diversas transações. Há também, estelionatários que se aproveitam da facilidade dos novos cartões com a função “contactless” (que não necessitam de inserção na máquina e digitação da senha) e furtam pequenas quantias do consumidor, apenas aproximando o terminal do cartão, que está desprotegido na carteira. Tais danos apenas ocorrem com a participação da pessoa lesada, que informa dados pessoais.

Os tribunais têm direcionado suas análises à apenas um conceito: O Fortuito Interno. Mas afinal, o que é isso? É quando a fraude/dano ao consumidor é gerado durante execução do serviço, como por exemplo a Fraude no sistema de internet banking que coleta senha pessoal e causa prejuízo ao consumidor (sites clonados/clandestinos); ou os dispositivos de coleta de dados junto a terminais de autoatendimento bancário, instalados por terceiros (chamados de “chupa-cabras").

Assim, quando a fraude é gerada por fatores externos, não vinculados a execução do serviço pelas instituições bancárias, os Tribunais tem entendido que é caso de fortuito externo, cuja prevenção e segurança já disponível não seria possível para evitar o dano. Anotar dados pessoais junto ao cartão, informar senha a terceiras pessoa ou em sites desconhecidos, são fatores externos à atividade do fornecedor, por isso não previsíveis e evitáveis.

A recomendação é: nunca revele senhas A terceiros, nunca anote-as, especialmente junto ao cartão. Proteja seus dados pessoais, inclusive nas redes sociais. Qualquer movimentação estranha, comunique ao seu gerente.

Com a adoção de novas tecnologias pelos bancos as tentativas de golpes/fraudes passaram a ser direcionadas aos clientes/consumidores. Manter o sigilo de informações pessoais é um requisito complementar à segurança do serviço disponibilizado pelos Bancos, que somente será efetiva com a participação do consumidor. Prevenção é a melhor atitude.

Gustavo Guimarães é advogado

Conteúdo exclusivo para assinantes!

Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

Matérias exclusivas, infográficos, colunas especiais e muito mais, produzido especialmente pra quem é assinante.

Apenas R$ 9,90/mês
Assinar agora
esqueceu a senha?

últimas dessa coluna


Exclusivo
Tribuna Livre

Ministério Público transforma a realidade e a história do Brasil

O dia 14 de dezembro é uma data muito importante em nosso calendário nacional. Talvez alguns não se recordem, mas é sempre bom fazer menção a esta conquista histórica. Nesta data, celebramos o Dia …


Exclusivo
Tribuna Livre

Tempos atuais caminham para a fusão entre Igreja e Estado

Os brasileiros, em geral, são de uma cultura que dá pouca atenção à história. Há 128 anos, a República brasileira foi implantada separando Igreja e Estado. Porém, a questão da relação entre Religião …


Exclusivo
Tribuna Livre

O custo socioeconômico da “imobilidade” urbana no Brasil

Um estudo realizado pela Associação Nacional de Transportes Públicos (ANTP) mostra que o custo socioeconômico da “imobilidade” urbana no Brasil cresceu 7% em um ano e se aproxima de meio trilhão de …


Exclusivo
Tribuna Livre

A engenharia muda o mundo e está em tudo o que nos cerca

Com o ritmo acelerado da vida contemporânea, quase nunca nos sobra tempo para refletir sobre o mundo a nossa volta. Mas, se pararmos para pensar, concluímos que a engenharia está em tudo o que nos …


Exclusivo
Tribuna Livre

Ineditismo e vanguarda: o Marco Regulatório das Startups

Foi publicada, no último dia 26 de novembro, a Lei Complementar Estadual nº 929/2019, de iniciativa do Governador do Estado, que institui instrumentos e procedimentos para o fomento às parcerias …


Exclusivo
Tribuna Livre

Sábio é quem aprende com a experiência alheia

Na semana passada, tivemos por aqui, nos Estados Unidos, a celebração do famoso feriado de Thanksgiving (Dia de Ação de Graças, destinado a agradecer a Deus os bons acontecimentos do ano). Aproveitam…


Exclusivo
Cidades Tribuna Livre

É preciso priorizar a mobilidade das pessoas e não dos veículos

Todos querem viver numa cidade que ofereça uma boa qualidade de vida. Para tanto, faz-se necessário compreendermos a “mobilidade peatonal”, reconhecendo os pedestres nos planejamentos estratégicos …


Exclusivo
Tribuna Livre

Por que o Tribunal de Contas deu certo

O Tribunal de Contas do Espírito Santo completou 62 anos de existência em 2019. Por desairosa que seja, a verdade é que, ao longo do tempo, consumiu imensos recursos públicos em ajustes políticos que …


Exclusivo
Tribuna Livre

Os jogos precisam ser legalizados no Brasil

O ano era 1946. No dia 30 de abril, foi publicado o Decreto Lei 9215 que proibiu os (erroneamente) denominados jogos de azar. Os fundamentos da proibição? Que a repressão aos jogos de azar é um …


Exclusivo
Tribuna Livre

O ônus do Judiciário e o Legislativo que joga para a plateia

Não é a primeira vez, e certamente não será a última, que vivenciamos certas articulações, no núcleo do poder, com o objetivo, simplesmente, de tentar limpar imagens manchadas e acalmar os ânimos da …


Olá, !

Esse é o seu primeiro acesso por aqui, então recomendamos que você altere o seu nome de usuário e senha, para sua maior segurança.



Manter dados