search
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

O desafio de tratar a dependência química
Tribuna Livre

O desafio de tratar a dependência química

A dependência química é uma doença complexa, já considerada um dos maiores desafios de saúde pública no País. Diferentes pesquisas mostram o aumento do uso de drogas em todas as classes sociais. A ONU estima que 158,8 milhões de pessoas, ou 3,8% da população entre 15 e 64 anos, consumam drogas no mundo.

E o Brasil é o maior mercado de derivados de ópio (como a heroína) na América do Sul, com estatísticas que apontam que cerca de 600 mil pessoas consomem a droga – considerada altamente viciante, já que uma pequena dose pode ser capaz de aumentar os níveis de dopamina do usuário em cerca de 200%, só para citar um exemplo.

A questão é que o caminho para a dependência química tende a ser curto enquanto o percurso que leva à recuperação é longo, custoso e multifacetado, com características específicas de acordo com as drogas envolvidas, o perfil do indivíduo, entre outros inúmeros fatores sociais, biológicos e comportamentais.

Em comum, uma realidade alarmante que precisa ser enfrentada e que gera demandas que passam pela saúde, pelo mercado de trabalho e pela segurança pública, por exemplo.

Já está posto que os melhores programas de tratamento são aqueles que reúnem uma combinação de terapias e outros serviços para atender as especificidades de cada caso.

Trata-se da primeira orientação do Instituto Nacional de Abuso de Drogas, que defende 13 princípios de tratamento e define como “número 1” a premissa de que um único tratamento padronizado não é apropriado para todos os indivíduos.

Combinar locais de tratamento, intervenção e serviços para os problemas e necessidades de cada paciente em particular é indispensável para garantir o retorno pleno e produtivo à família, ao local de trabalho e à sociedade.

Os 13 princípios defendem uma abordagem médica, psicológica, social, vocacional e legal individualizada e personalizada. Cabem aos profissionais de diversas áreas avaliarem, de forma permanente e conjunta, as combinações de tratamento durante o processo de recuperação.

Princípios que abordam a duração e a medicação também devem considerar a individualidade de cada um, sua idade, gênero, etnia e cultura.

Importante perceber que outros princípios que falam, por exemplo, de terapias comportamentais, internações e métodos de desintoxicação também defendem a avaliação integral do dependente.

Fundamental é reafirmar que restaurar o funcionamento pleno do dependente químico requer um trabalho em equipe, que deve estar preparada para avaliar as necessidades múltiplas do paciente.

Tratar a dependência química não é apenas curar os efeitos que as drogas causam no indivíduo e, sim, reorganizar o indivíduo por completo.

Governo e sociedade já entenderam que a prioridade é desintoxicar, tratar e auxiliar os dependentes químicos a voltarem ao convívio social. Que a dependência química é uma doença crônica e grave, traz complexidades em seu tratamento e tem sido ampliada com o aumento do desemprego, da pobreza e da desigualdade social.

São desafios de saúde que envolvem muitas áreas e infinitos esforços. Refletir, abrir espaço para o debate e assumir responsabilidades, buscando os melhores caminhos, deve ser um compromisso de toda a sociedade. 

Luis Henrique Casagrande é psiquiatra e presidente da Associação Capixaba de Clínicas Psiquiátricas do Espírito Santo.

Conteúdo exclusivo para assinantes!

Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

Matérias exclusivas, infográficos, colunas especiais e muito mais, produzido especialmente pra quem é assinante.

Apenas R$ 9,90/mês
Assinar agora
esqueceu a senha?

últimas dessa coluna


Exclusivo
Tribuna Livre

Afastem-se logo dos milagreiros tributários

Em meio à grave crise econômica que assola o Brasil e o mundo, empresas se veem cada vez mais descapitalizadas e diante de uma equação que leva à pena de morte: inadimplência e custos cada vez mais …


Exclusivo
Tribuna Livre

Cuide da saúde do seu coração durante o isolamento social

Nesses tempos de distanciamento social, quem possui alguma doença cardiovascular deve redobrar a atenção com a saúde. De acordo com dados divulgados pela Sociedade Brasileira de Cardiologia, as …


Exclusivo
Tribuna Livre

Mudanças de hábito valorizam a importância do papel

As embalagens estão cada vez mais no radar das empresas. Seja papel cartão, papelão ondulado ou nos moldes de leite longa vida, as embalagens de papel têm se tornado a menininha dos olhos no mundo …


Exclusivo
Tribuna Livre

A sociedade precisa saber mais sobre a agricultura familiar

Não há governante que, nos dias atuais, consciente do seu papel, não compreenda a necessidade de se investir num setor tão importante para o povo brasileiro. Muito se fala em manutenção do homem …


Exclusivo
Tribuna Livre

Novos modos de vida e a “economia de baixo contato”

Enquanto algumas tendências sinalizam movimentos socioculturais ou respostas para os desafios globais persistentes, outras emergiram do contexto específico da pandemia da Covid-19. A tendência da …


Exclusivo
Tribuna Livre

Trezena de Santo Antônio muda de data sem perder a vocação

Há quase oito décadas, com festivas solenidades, é pela primeira vez que a Trezena de Santo Antônio deixou de acontecer nos 13 dias do mês de junho, na Paróquia e Santuário-Basílica, em Vitória. A …


Exclusivo
Tribuna Livre

A modernização dos cartórios em tempos de Covid-19

Mesmo antes da pandemia, o sistema cartorário já tinha migrado diversos serviços para serem solicitados e feitos através das centrais online. Durante o período da quarentena, essas centrais se …


Exclusivo
Tribuna Livre

É preciso mais atenção à vida e à respiração saudável

Sabe-se que a poluição do ar pode comprometer a saúde da criança, do adulto ou do idoso. Lei ambiental a ser aplicada em prol da vida filtraria o ar em residências e nos ambientes eventuais do …


Exclusivo
Tribuna Livre

Desafios da advocacia no Brasil pós-pandemia do coronavírus

Desde o dia 11 de março, quando o governo federal decretou situação de emergência na saúde pública decorrente da Covid-19, a sociedade se viu afastada das suas rotinas afetivas e grande parte foi …


Exclusivo
Tribuna Livre

Profissional pós-pandemia terá de ser mais calmo e resiliente

Vivemos em um tempo de mudanças bruscas na relação com as pessoas, na relação profissional, familiar, ambiental. Enfim, estamos mudando radicalmente conceitos pré-estabelecidos por décadas. Essas …


Olá, !

Esse é o seu primeiro acesso por aqui, então recomendamos que você altere o seu nome de usuário e senha, para sua maior segurança.



Manter dados