O cuidado fora dos hospitais e o foco no paciente

Andre Campana é angiologista e cirurgião vascular. (Foto: Divulgação)
Andre Campana é angiologista e cirurgião vascular. (Foto: Divulgação)
A palavra desospitalização pode até assustar, mas nada mais é do que tirar, na medida do possível, os pacientes de dentro dos hospitais, garantindo a eles o melhor cuidado, com as terapias necessárias, em um ambiente que se aproxime ao máximo do clima acolhedor que se tem em família, fazendo-o sentir-se em casa.

O foco está no paciente, levando em consideração o que ele demanda e onde ele poderá receber o acompanhamento mais adequado ao longo do tratamento.

É preciso racionalizar a relação da população com o atendimento de saúde. Nem tudo precisa ser feito em hospital, nem tudo demanda internação. Por que levar para o ambiente hospitalar um paciente cujo tratamento pode ser feito em uma clínica de saúde? Por que ocupar um leito com um paciente cujo procedimento é minimamente invasivo e no qual a recuperação pode se dar em casa? Por que expor um paciente aos riscos hospitalares?

A saúde está caminhando para a desospitalização, principalmente se levarmos em consideração dois aspectos: o alto padrão de clínicas que estão se firmando no mercado e a evolução dos tratamentos, com tecnologias que tendem a simplificá-los cada vez mais.

Com relação aos estabelecimentos de saúde, vemos o conceito One Stop se estabelecendo com mais força a cada dia. É a oferta de tudo o que o paciente precisa em um só lugar, de consultas a exames e procedimentos cirúrgicos. Em se tratando de angiologia e cirurgia vascular, isso é totalmente possível, uma vez que nós dispomos de técnicas de ponta, minimamente invasivas, e que não demandam estrutura hospitalar. É possível que o cuidado com o paciente seja feito, do início ao fim, com uma proximidade que acolhe, em um ambiente com menos riscos.

Um exemplo de tratamento complexo que se tornou minimamente invasivo é a retirada de safena, veia responsável pela circulação do sangue dos membros inferiores para o coração, graças à técnica do endolaser. A safena danificada é queimada por meio de uma fibra ótica. O procedimento pode ser feito em clínica, desde que haja um ambiente montado especialmente para isso, e o paciente recebe alta no mesmo dia, passando por um processo de recuperação muito mais simples e menos doloroso.

Isso, sim, é focar no paciente, mas, para que a desospitalização deixe de ser um tabu, são necessárias, entre os profissionais e empresários da saúde, respectivamente, mudança de consciência e força de vontade.

Mudança de consciência porque os médicos precisam separar com mais rigor os casos que demandam de fato internação hospitalar dos que podem ser solucionados fora dos hospitais. Força de vontade porque os centros e clínicas de saúde precisam estar em constante evolução, para que sejam, de fato, uma alternativa segura e eficiente para os profissionais e para os pacientes.

Na outra ponta, quando levamos em consideração quem demanda cuidados, é preciso haver uma mudança de cultura. Muitos pacientes acham que precisam ficar internados para serem bem tratados. É aquela velha história da consulta que só é boa, se o médico passar um monte de remédio. Os pacientes precisam deixar de enxergar como descaso o que, na verdade, é a nossa máxima preocupação. Um tratamento bem feito nem sempre requer um ambiente hospitalar. Cada caso deve ser analisado de acordo com suas particularidades.

Andre Campana é angiologista e cirurgião vascular


últimas dessa coluna


Que coisa esquisita é essa?

Você já percebeu uma coisa? As pessoas estão evitando o amor de todas as formas. Ninguém quer se envolver profundamente com outra pessoa, todos parecem se contentar com a superficialidade dos …


Horário político obrigatório

O inevitável está acontecendo, para a ira de muitos: período eleitoral, “horário político obrigatório e gratuito” nas rádios e emissoras de televisão.   Muito já se escreveu sobre …


Diaconato permanente em Vitória

Dentre tantos fatos marcantes na historiografia do Estado do Espírito Santo, no que diz respeito à dimensão religiosa em 2008, ficou marcado na memória das Comunidades Eclesiais de Base – CEBs a …


Sobre limites, família e escola

Pensar a questão do limite é de extrema importância no processo de educação e formação do indivíduo. O ‘não’, entendido como uma forma de “frear” determinados desejos, impulsos ou vontades desse ser …


Câncer infantil: alto potencial de cura da doença

Setembro é o mês em que no Brasil a sociedade civil, as entidades de apoio e os centros de referência para tratamento do câncer infantil se reúnem em ações voltadas para divulgação da importância do …


“Lei Anticorrupção”: o Espírito Santo é referência nacional

Em agosto, a Lei Federal nº 12.846/2013, conhecida como “Lei Anticorrupção”, completou cinco anos. Porém, ainda não há tantos motivos para comemoração por parte população brasileira, extenuada pelos …


Emancipação política de Guarapari

Em todos os anos, comemora-se, no dia 19 de setembro, na cidade de Guarapari, o feriado do “Dia da Cidade”, mas pelos alto-falantes, ouvimos dizer que se trata da emancipação política do município, …


Eleição presidencial: de volta ao terror

Ao longo da campanha eleitoral para Presidente da República do ano de 2002, quando o então candidato Luiz Inácio Lula da Silva estava à frente nas pesquisas eleitorais, o PSDB, estando no Poder, …


Você sabe quando e como utilizar um pronto-socorro?

Não é de hoje que assistimos pela televisão, internet ou até mesmo vivenciamos de alguma maneira a superlotação das unidades de urgência e emergência, comumente conhecidas como pronto-socorro. …


Vacinar ou não vacinar? Eis a questão

A reumatologia é mesmo uma especialidade que nos obriga a conhecer não só sobre doenças e medicamentos, mas também sobre exercício físico, nutrição, psicologia e imunização. Haja cérebro pra guardar …