search
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

O crime compensa?
Tribuna Livre

O crime compensa?

A análise sobre o crime passa por vários pontos e o tema proposto me veio à mente durante uma conversa com um policial muito experiente, aliás um policial das antigas, da época do bigode grosso e do óculos Ray-Ban.

No viés da academia, o crime pode ser definido por vários ângulos, seja o jurídico ou o sociológico, contudo, a abordagem que se quer fazer neste ensaio será sobre uma conceituação do crime como negócio. Assim, seria possível falar de uma cadeia produtiva do crime?

É preciso estar aberto ao debate, pois não podemos olhar apenas para a questão da organização do crime e do criminoso, pois isso já é uma realidade, a criminalidade organizada tem estatuto, tribunal para julgamento e tudo o mais.

Acredito que devamos voltar o nosso olhar para todo o sistema criminal, que aqui podemos chamar de cadeia produtiva do crime (ilícito) e a cadeia produtiva de combate ao crime. Esses todos são elementos que existem em razão do crime ou da sua ocorrência.

Ao entendermos que existe uma cadeia produtiva do crime, e por consequência uma cadeia produtiva de combate ao crime encontraremos vários atores envolvidos, tais como: empresas de segurança, empresas de equipamentos de segurança, guardas municipais, polícias civis e militares, promotores, juízes, defensores públicos e dativos, servidores da justiça e do ministério público, agentes do sistema penitenciário, empresas de marmitas, empresas que fornecem uniformes, empresas que constroem presídios, empresas que fazem a gestão de presídios, a empresa pública de água e a concessionária de energia, enfim todo um emaranhado que existem, em boa medida, para enfrentamento do crime. Quanto tudo isso custa?

A análise não tem a intenção de polemizar ou demonizar as carreiras e profissões, muito pelo contrário já que é o modelo adotado e as requer, porém o debate deve se pautar para a falta de políticas públicas corretas e direcionadas para o enfrentamento da violência e do crime de forma preventiva, tendo por consciência que o crime, como fato social não será extinto, mas deverá ser controlado em números aceitáveis que transmitam a sensação de segurança ao cidadão.

Por óbvio que toda essa cadeia produtiva não surgiu num passe de mágica (da noite para o dia), ela é fruto de um longo e paulatino processo que preferiu focar na repressão em detrimento de ações profiláticas que minimizassem o ingresso dos jovens no mundo do crime.

A segurança pública mais do que números estatísticos é um sentimento. Um sentimento externado na sensação de segurança que se manifesta no cidadão.

Dessa forma será preciso que os governos bipartam equilibradamente as suas ações tanto na parte repressiva quanto na parte preventiva, buscando-se um equilíbrio para combater o crime e proporcionar a dita sensação de segurança, ao mesmo tempo em que se desenvolvem políticas públicas que evitem o ingresso e o reingresso das pessoas no mundo do crime, destacando-se atenção especial aos jovens.

Para que isso aconteça é necessária uma mudança significativa e rápida, na legislação penal, processual penal e penitenciária do país para que aquele que cometeu o crime tenha a convicção de que pagará pelo que praticou acabando com a certeza da impunidade que atualmente existe na população.

Rogério Fernandes Lima é tenente-coronel da Polícia Militar do Espírito Santo e bacharel em Direito

Conteúdo exclusivo para assinantes!

Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

Matérias exclusivas, infográficos, colunas especiais e muito mais, produzido especialmente pra quem é assinante.

Apenas R$ 9,90/mês
Assinar agora
esqueceu a senha?

últimas dessa coluna


Exclusivo
Tribuna Livre

Ineditismo e vanguarda: o Marco Regulatório das Startups

Foi publicada, no último dia 26 de novembro, a Lei Complementar Estadual nº 929/2019, de iniciativa do Governador do Estado, que institui instrumentos e procedimentos para o fomento às parcerias …


Exclusivo
Tribuna Livre

Sábio é quem aprende com a experiência alheia

Na semana passada, tivemos por aqui, nos Estados Unidos, a celebração do famoso feriado de Thanksgiving (Dia de Ação de Graças, destinado a agradecer a Deus os bons acontecimentos do ano). Aproveitam…


Exclusivo
Cidades Tribuna Livre

É preciso priorizar a mobilidade das pessoas e não dos veículos

Todos querem viver numa cidade que ofereça uma boa qualidade de vida. Para tanto, faz-se necessário compreendermos a “mobilidade peatonal”, reconhecendo os pedestres nos planejamentos estratégicos …


Exclusivo
Tribuna Livre

Por que o Tribunal de Contas deu certo

O Tribunal de Contas do Espírito Santo completou 62 anos de existência em 2019. Por desairosa que seja, a verdade é que, ao longo do tempo, consumiu imensos recursos públicos em ajustes políticos que …


Exclusivo
Tribuna Livre

Os jogos precisam ser legalizados no Brasil

O ano era 1946. No dia 30 de abril, foi publicado o Decreto Lei 9215 que proibiu os (erroneamente) denominados jogos de azar. Os fundamentos da proibição? Que a repressão aos jogos de azar é um …


Exclusivo
Tribuna Livre

O ônus do Judiciário e o Legislativo que joga para a plateia

Não é a primeira vez, e certamente não será a última, que vivenciamos certas articulações, no núcleo do poder, com o objetivo, simplesmente, de tentar limpar imagens manchadas e acalmar os ânimos da …


Exclusivo
Tribuna Livre

Comer bem para viver bem

Mesmo antes das muitas descobertas científicas que revolucionaram o entendimento sobre o funcionamento do corpo humano; a correlação entre alimentação, atividades físicas e condições de saúde já era …


Tribuna Livre

Raízes capixabas de Ayrton Senna

Ayrton Senna da Silva marcou nossas manhãs de domingo e fazia-nos sentir mais brasileiros, numa época de muito descrédito com o país, por sua ousadia, destreza e espírito de campeão. Tornou-se ídolo …


Exclusivo
Tribuna Livre

Eu sou real. E você?

Nunca na história da humanidade vivemos um momento de tantas, intensas e tão rápidas transformações como o que presenciamos hoje. Em cerca de três décadas, equipamentos, até então considerados …


Exclusivo
Tribuna Livre

Adeus, prisão!

O Código de Processo Penal vigente, em seu texto original (Decreto-Lei nº 3.689, de 3/10/1941), no art. 393, previa: “São efeitos da sentença condenatória recorrível: I - ser o réu preso ou …


Olá, !

Esse é o seu primeiro acesso por aqui, então recomendamos que você altere o seu nome de usuário e senha, para sua maior segurança.



Manter dados