Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

O caso Neymar e o tribunal da internet
Tribuna Livre

O caso Neymar e o tribunal da internet

A história da humanidade é, também, a história da evolução dos meios válidos de se chegar à verdade sobre um fato, para se permitir um julgamento. No passado, já se entendeu como método racional as chamadas Ordálias, conhecidas como Juízos de Deus, que nada mais eram do que jogos de sorte cujo resultado se pressupunha ser o da Justiça divina.

Houve época ainda que a confissão obtida mediante tortura era aceita.

Hoje, evoluímos. É consenso que a prova precisa ser produzida com observância de preceitos legais, instituídos por razões éticas ou científicas, cabendo ao Judiciário o controle sobre sua validade. A condenação de alguém deve ser o resultado de um processo racional, ainda que por vezes suscetível de erros. Toda essa evolução, no entanto, não é observada nos julgamentos sumários feitos pela sociedade nos tribunais populares instituídos pelas redes sociais. O recente caso envolvendo o jogador Neymar é exemplo disso.

O Boletim de Ocorrência com a acusação vazou, mesmo sendo casos de crime sexual passíveis de sigilo da Justiça. A situação foi exposta mundialmente, deixando em perigo a reputação e a carreira do jogador. E, mesmo a denunciante, suposta vítima, teve sua vida invadida e exposta. As partes estão em meio a julgamento social, no qual não há prazos processuais, nem regras pré-definidas.

Aceitam-se apenas trechos de vídeos, depoimentos sem contraditório.

Há todos os elementos de um júri: acusação, apresentação de provas, contraprovas e o julgamento, em si, feito por uma multidão passional. Tudo numa velocidade que impõe culpados e vítimas a cada minuto, capaz de destruir carreiras, expor a intimidade e exterminar reputações em um clique, em um compartilhamento.

Julgamentos sociais sempre existiram e, por isso, foram criadas regras que limitam a publicidade de determinados processos, sobretudo quando seu conteúdo diz respeito à intimidade. Todavia, o descumprimento dessas regras, com vazamento de documentos, informações e decisões, ganhou uma nova dimensão com as redes sociais, tornando os efeitos do vazamento infinitamente mais danosos.

Diante desse contexto, impõe-se repensar o problema: Quais são os mecanismos de controle para que aquilo que está na investigação criminal não chegue a conhecimento do público? Como garantir a coexistência da proteção ao investigado e o direito à publicidade e a liberdade de imprensa?

O tema é latente. Na última quarta-feira ( dia 6), a Polícia Federal fez uma operação em Minas Gerais, prendendo dois escrivães acusados de vazar informações de inquéritos policiais. Poucas semanas antes, instaurou-se um grande debate, capitaneado por ministros do Supremo Tribunal Federal (STF), sobre vazamentos de informações sigilosas e sobre as formas de contê-los.

É necessário, portanto, debater, de forma clara, o vazamento de informações, as regras que impõem sigilo às partes e às autoridades e discutir as punições para aqueles que descumprirem esses limites, tudo sem perder de vista a necessidade de compatibilizar essa proteção com os alicerces da democracia, dentre os quais estão a liberdade de imprensa e a publicidade dos atos do Poder Público. A discussão deve ter ampla participação popular e o espaço propício para isso é o Poder Legislativo.

Ludgero Liberato é advogado, mestre em Direito Processual.

Conteúdo exclusivo para assinantes!

Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

Matérias exclusivas, infográficos, colunas especiais e muito mais, produzido especialmente pra quem é assinante.

Apenas R$ 9,90/mês
Assinar agora

últimas dessa coluna


Exclusivo
Tribuna Livre

A trajetória da coxinha

Linguistas ensinam que a existência de muitos idiomas em um espaço territorial pequeno é característica de áreas ocupadas há muito tempo. Já a existência de um único idioma em uma área territorial …


Exclusivo
Tribuna Livre

Metamorfose profissional e o mercado corporativo

O mercado corporativo está passando por mudanças bruscas nos últimos anos. Com o avanço da tecnologia, as empresas estão se reinventando e procurando novos caminhos e soluções ligadas à transformação …


Exclusivo
Tribuna Livre

Reflexões sobre a Arte atual

As pinturas rupestres ou pré-históricas, reveladas ao público no séc. XIX, foram de início apontadas pelos darwinistas como fraudes dos criacionistas (aqueles que acreditam que animais e plantas …


Exclusivo
Tribuna Livre

A relação entre urbanismo e segurança pública

O que o urbanismo tem a ver com a segurança pública? Para muitas pessoas não existe uma relação entre o urbanismo e a segurança pública, mas veremos que ao contrário do que pensa a maioria das …


Exclusivo
Tribuna Livre

O segredo da pré-campanha está no almoço de domingo

No domingo, como bom genro, decidi fazer um churrasco de agrado à minha sogra. Próximo a nossa casa existe um açougue, entretanto, pego o carro e faço questão de atravessar a cidade para comprar os …


Exclusivo
Tribuna Livre

Educação com segurança

Na semana passada tivemos, aqui nos EUA, a volta às aulas. Após quase três meses de férias, que coincidem com o período do verão americano, todos os alunos retomaram suas rotinas de estudo. Não …


Exclusivo
Tribuna Livre

Educação com segurança

Na semana passada tivemos, aqui nos EUA, a volta às aulas. Após quase três meses de férias, que coincidem com o período do verão americano, todos os alunos retomaram suas rotinas de estudo. Não foi …


Exclusivo
Tribuna Livre

A odiosa Devassa e os impostos nos tempos modernos

Durante o Século XVIII, o Brasil-Colônia arcava com elevada carga tributa, que lhe impunha o nosso insaciável colonizador, a Coroa portuguesa. A aludida tributação recaía sobre tudo o que era …


Exclusivo
Tribuna Livre

A PMES e a Guerrilha do Caparaó

O movimento conhecido com “a Guerrilha do Caparaó” é citado por vários autores, como a primeira tentativa insurgência armada contra o regime militar feita por ex-militares cassados e alguns civis, …


Exclusivo
Tribuna Livre

Drama na educação superior pública

A lógica perversa imposta pelo governo às universidades públicas está visível para toda a sociedade. A situação financeira dramática da Universidade Federal do Espírito Santo (Ufes) é acompanhada com …


Olá, !

Esse é o seu primeiro acesso por aqui, então recomendamos que você altere o seu nome de usuário e senha, para sua maior segurança.



Manter dados