search
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

O amor no cérebro
Regina Navarro Lins
Regina Navarro Lins

Regina Navarro Lins


O amor no cérebro

As descobertas científicas, que permitem saber como funciona o cérebro, cada vez mais contribuem para modificar a visão do amor e do sexo. Não vamos mais tratar o sexo como algo incompreensível, como uma atração mágica, que não se entende.

Estamos começando a perceber que temos mecanismos em nosso cérebro que nos fazem sentir ou não atraídos por determinada pessoa.

Excitações diferentes

Examinando o cérebro de um homem, por exemplo, ao mostrar a ele a foto de uma mulher bonita e outra foto da mulher por quem ele está apaixonado, vão se perceber excitações diferentes, em locais diferentes. Mas não é somente em relação ao sexo.

A antropóloga americana Helen Fisher acredita que estamos vivendo uma revolução na medicina que pode modificar a face do amor.

Ajuda aos dependentes

Homens e as mulheres “doentes de amor” começaram a ser tratados com drogas que atuam como antídotos para algumas dessas substâncias químicas.

“Será que novos elixires podem afinal ajudar os ‘dependentes afetivos’ a romper parcerias insatisfatórias? Talvez os cientistas aprimorem sua compreensão da atração e do afeto durante este século e engarrafem poções de amor ou curas temporárias”, diz Fisher.

E acrescenta: “Se isso acontecer, podemos ter a certeza de que os pretensos amantes e os namorados abandonados e abatidos comprarão essas misturas em jarras — tanto para estimular a obsessão quanto para sufocar a paixão”.

Amizade, companheirismo e solidariedade

Hoje, para haver entendimento no amor, quando se procura a igualdade, é necessário ter a percepção do que a outra pessoa deseja e o que ela é. No passado havia a ideia de possessão e sacrifício pelo outro.

Embora existam pessoas ainda vivendo no passado, está surgindo uma nova dimensão do amor, onde há mais troca e a tentativa de um equilíbrio, sem sacrifícios.

Essa nova forma de amar, diferente da expectativa do amor romântico de sermos a única pessoa importante para o outro, terá como ingredientes principais a amizade, o companheirismo e a solidariedade.

Mágoas

Deixar de ser amado ou desejado afeta a autoestima, e as inseguranças reaparecem. A pessoa se sente desvalorizada, duvidando de possuir qualidades. E para piorar tudo, na maioria dos casamentos, homens e mulheres abrem mão da liberdade e da independência, tornando-se mais frágeis em caso de ruptura.

Assim, o parceiro rejeitado não é o único a sofrer. Quem não deseja mais permanecer junto, tem que, muitas vezes, limitar a própria vida para não provocar situações constrangedoras por conta das mágoas do parceiro.

Amigo não é algo menor

Na nossa cultura se acredita que ser amigo é algo menor do que ser namorado, amante ou cônjuge. Para a grande maioria, a amizade só tem importância enquanto se procura um par amoroso romântico. É como se fosse coisa provisória, descartável, que depois perde o valor.

Isso se comprova quando uma pessoa se afasta do grupo de amigos, e ouvimos como explicação que ela está namorando ou se casou. Todos encaram com a maior naturalidade o seu desaparecimento.

Amizade x Paixão

No amor da amizade, as trocas são desinteressadas e sinceras. O sociólogo italiano Francesco Alberoni distingue a amizade da paixão romântica.

Para ele, o enamoramento é êxtase, mas também sofrimento. E a amizade tem horror ao sofrimento. Os amigos querem estar juntos para serem felizes, se sentirem bem. Se não conseguem, tendem a se afastar, a pôr um pouco de distância entre eles.

Na paixão, podemos odiar uma pessoa. Na amizade não há espaço para o ódio. Se odeio um amigo já não sou seu amigo, a amizade terminou. Todos sabemos que nos relacionamentos amorosos não é bem assim...

Conteúdo exclusivo para assinantes!

Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

Matérias exclusivas, infográficos, colunas especiais e muito mais, produzido especialmente pra quem é assinante.

Apenas R$ 9,90/mês
Assinar agora
esqueceu a senha?

últimas dessa coluna


Exclusivo
Regina Navarro Lins

Perigosa atração

Na História encontramos muitos exemplos de mulheres fatais. A primeira e a mais competente de que se tem notícia parece ter sido mesmo Eva. Ao tentar Adão, teria provocado a desgraça, não só para …


Exclusivo
Regina Navarro Lins

Por que há mulheres que suportam a violência doméstica?

Não há necessidade do uso da força para subjugar o outro; meios sutis, repetitivos, velados, ambíguos podem ser empregados com igual eficácia. Atos ou palavras desse tipo são muitas vezes mais …


Exclusivo
Regina Navarro Lins

O corpo

O corpo O culto do corpo da Antiguidade (4000 a.C. a 476 d.C) cede lugar, na Idade Média (séculos V ao XV), a uma derrocada do corpo na vida social. Para gregos e romanos, o nu masculino era …


Exclusivo
Regina Navarro Lins

O amor em cada época se apresenta de uma forma

É comum se pensar no amor como se ele nunca mudasse. Mas a forma que amamos é construída socialmente, e em cada época e lugar se apresenta de um jeito. Crenças, valores e expectativas determinam a …


Exclusivo
Regina Navarro Lins

Briga de casal

Devido ao descompasso entre o que se esperava da vida a dois e a realidade, as frustrações vão se acumulando e, de forma inconsciente, gerando ódio. Mas até chegar a esse ponto, o casal se esforça …


Exclusivo
Regina Navarro Lins

Medo de amar

Os romanos desenvolveram a ideia de prudência, de lutar contra o amor, visando evitar o sofrimento do amor. Para o poeta-filósofo Lucrecio, o amor sexual apaixonado devia ser cuidadosamente evitado: …


Exclusivo
Regina Navarro Lins

Conhece alguém que nunca viveu uma grande paixão?

Você conhece alguém que nunca se apaixonou? É raro. Nós todos aprendemos, desde cedo, a desejar viver uma paixão. Mas é um sentimento tão forte e invasivo, que pode levar a pessoa a ignorar suas …


Exclusivo
Regina Navarro Lins

Obcecados pelo amor

Nunca houve na História um período em que tanta gente considerasse o amor tão importante, nem pensasse tanto em amor, nem usasse tantas palavras para expressá-lo, como no século XX. As pessoas estão …


Exclusivo
Regina Navarro Lins

Os segredos do sexo

Um manual escrito em 1720, com “os segredos do sexo”, banido na época, foi a leilão no Reino Unido. O autor, desconhecido, usava o pseudônimo de Aristóteles e oferecia várias recomendações aos …


Exclusivo
Regina Navarro Lins

O aprendizado no sexo

Desde que trabalhos de grande repercussão como os de Alfred Kinsey e Masters & Johnson foram publicados, na metade do século XX, o sexo passou a ser discutido cada vez mais abertamente. O …


Olá, !

Esse é o seu primeiro acesso por aqui, então recomendamos que você altere o seu nome de usuário e senha, para sua maior segurança.



Manter dados