Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

Novo auxílio moradia para juízes deve ser discutido ainda neste ano

Notícias

Política

Novo auxílio moradia para juízes deve ser discutido ainda neste ano


O presidente do STF (Supremo Tribunal Federal), ministro Dias Toffoli, disse nesta quarta-feira (5) que o CNJ (Conselho Nacional de Justiça) deve discutir uma nova regulamentação para o auxílio-moradia ainda neste ano, provavelmente na última sessão antes do recesso, no dia 18. "Estamos fazendo os estudos", disse Toffoli, que também preside o CNJ.

O auxílio-moradia, de R$ 4.377 por mês, era pago desde 2014 a todos os membros da magistratura por força de uma decisão liminar (provisória) do ministro Luiz Fux e foi revogado por ele próprio no último dia 26.

A iniciativa de Fux veio no mesmo dia em que o presidente da República, Michel Temer, sancionou um reajuste de 16,38% para o salário dos ministros do Supremo, cumprindo um acordo que havia sido firmado em agosto entre Toffoli e Temer.

Com o reajuste, o salário dos ministros do STF passou de R$ 33,7 mil para R$ 39,3 mil. Automaticamente, os salários de todos os juízes do Poder Judiciário federal subirão.

Há também um impacto nos tribunais estaduais e nos demais Poderes (Legislativo e Executivo), porque o salário do ministro do STF é o teto do funcionalismo. Esse impacto foi calculado por técnicos do Congresso em cerca de R$ 4 bilhões por ano.

Na decisão que revogou o auxílio-moradia que era pago de forma irrestrita -inclusive para quem tinha casa própria-, Fux determinou que o CNJ e o CNMP (Conselho Nacional do Ministério Público) façam uma nova regulamentação para o benefício, deixando o assunto em aberto.

Entidades como a AMB (Associação dos Magistrados Brasileiros) e a ANPR (Associação Nacional dos Procuradores da República) veem uma possibilidade de o auxílio voltar, ainda que de forma mais restrita.

Uma das possibilidades de regulamentação discutidas em grupos informais de juízes e procuradores é o pagamento do auxílio em cidades onde não houver residência oficial (possibilidade prevista na Lei Orgânica da Magistratura) e onde o custo de vida for mais alto (como previsto na legislação sobre o Ministério Público).

As entidades esperam que, seja como for, a nova regra contemple igualmente juízes e membros do Ministério Público, conforme Fux afirmou em sua decisão.


Olá, !

Esse é o seu primeiro acesso por aqui, então recomendamos que você altere o seu nome de usuário e senha, para sua maior segurança.



Manter dados