Nós, as mulheres, devemos dar novo rumo à política

“Quando uma mulher entra na política, muda a mulher. Quando muitas entram na política, muda a política.” Estou deveras convencida de que essa frase, da ex-presidente chilena, a socialista Michelle Bachelet, retrata a bem nossa realidade.

E teço ainda mais detalhes: nós, as mulheres, é que devemos dar rumo novo a política, com pauta de políticas públicas, própria e contemplativa do horizonte feminino.

De modo a dar curso ao processo de superação das mazelas sociais que equilibre as relações na sociedade.

Os homens não conseguem mais ser os únicos sujeitos no centro das decisões políticas. E é hora mesmo de as mulheres completarem esse espaço, qualificando-o e diversificando-o.

Por essa razão, dedicamos todo mês de março para atender a Agenda Mulher, projeto compartilhado com a Secretaria de Estado dos Direitos Humanos e transversalizado com outros órgãos do governo.

A ideia é provocar intenso debate com as organizações sociais e de interesse, sobre o empoderamento da mulher, desde sua relação familiar, profissional, religiosa, e em toda atividade a que pertença ou participe.

Mas, especialmente, despertar nelas a vocação para a política, e que as leve para o engajamento nos movimentos sociais, políticos, partidários e eleitorais.

Tanto votando como se alistando e se colocando para serem votadas. Podemos avançar muito nessa matéria.

Outro objetivo dessa agenda será divulgar o Projeto da Organização das Nações Unidas, o ONU-Mulher, Planeta 50-50 em 2030. O projeto é parte integrante dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS/ONU) e propõe equilibrar o controle político entre os gêneros.

O Brasil é signatário dessa proposta. Se já somos maioria na sociedade, devemos fazer a diferença.

A agenda visitará cidades e espaços públicos e privados, englobando temas como segurança pública, justiça e assistência judiciária, atenção à saúde, acesso à escolaridade, a profissionalização e ao empreendedorismo produtivo e criativo, qualidade de vida no meio rural e urbano.

Também discutirá a incursão feminina na Ciência, Tecnologia e Inovação, no Turismo, no Esporte e sobre sua exclusiva condição reprodutora.

Para encerramento das atividades do mês da Agenda Mulher, estamos organizando uma reunião com as mulheres detentoras de mandatos: vereadoras, prefeitas e vice-prefeitas, deputadas estaduais e federais, a senadora da República, juntamente com as secretárias de estado do governo.

Juntas, pactuaremos as diretrizes no âmbito institucional, social e político desta agenda, e suas propostas e ações.

Essas propostas e ações são partes integrantes do Plano Estadual de Políticas Públicas para Mulheres e do Pacto Estadual de Enfrentamento à Violência contra as Mulheres, que já foram apresentados no primeiro governo de Renato Casagrande, e estão sendo revisados e atualizados, com participação das organizações representadas no Fórum de Mulheres do Espírito Santo.

Observaremos ainda indicadores dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentáveis (ODS/ONU) e do Atlas da Violência (IPEA/FBSP), instrumentos de estudos, análise e orientação, para a garantia dos avanços, pelos quais lutamos e que me trouxeram até aqui.

Jacqueline Moraes é vice-governadora do Estado do Espírito Santo.


 


últimas dessa coluna


Reforma da Previdência é um debate atrasado

Para trazer ao debate questões de ordem demográfica e social, verificamos que nos anos 60, a razão de trabalhadores da ativa versus aposentados era 12 para 1. Em 2000, esta proporção caiu para …


O sentido da vida

Passadas as férias, findo o Carnaval, a agenda do ano novo entra de vez no cotidiano de 2019. Assim, temos como que um replay da questão que sempre marca as viradas: o que faremos do ano que se …


Multipropriedade imobiliária: inovação no registro de imóveis

Tudo o que é novidade gera dúvidas: as maiores inovações vêm carregadas delas. As pessoas questionam, ficam curiosas, pesquisam, se informam e no final colocam tudo na balança para pesar o que vale …


Tragédia em Suzano: fuja do discurso raso!

Diante da recente tragédia ocorrida em uma escola de Suzano (SP), que ceifou vidas e marcou indelevelmente famílias e amigos, a sociedade volta a se perguntar o que pode levar uma pessoa a cometer …


Doutrinação nas escolas vai além de um cabo de guerra político

O período da história do Brasil, que se estendeu da proclamação da República em 15 de novembro de 1889 até o golpe de 1930, liderado por Getúlio Vargas, faz de suas ações um eixo explicativo para …


O homem criminoso e as agressões contra mulheres

A visão da sociedade ainda é muito ingrata com as mulheres, séculos de discriminação e desrespeito não são facilmente apagadas do nosso cotidiano, mas o empoderamento feminino, que é a luta pelo …


Tecnologia ajuda a transformar os motoristas e o trânsito

Mapas atualizados em tempo real, aluguel de bikes, motoristas de aplicativo e até cursos exigidos pelos Departamentos Estaduais de Trânsito, como o de reciclagem para recuperação de Carteira Nacional …


Como se livrar das dívidas? Não é tarefa fácil, mas há luz no túnel

Estamos em março e as famílias sentem no bolso o peso das contas, como material escolar, rematrícula, IPVA, IPTU, Imposto de Renda e por aí vai. Quem dirá, para quem já carrega os débitos antigos. …


Mulher, a equilibrista

Era ainda menina e sonhava em construir a minha família. Igualmente me motivava construir uma carreira em que eu pudesse fazer a diferença na vida das pessoas. Meu avô me ensinou ainda criança que …


Por que precisamos do feminismo no Brasil?

Instituído pelas Nações Unidas e comemorado mundialmente em 8 de março, no Brasil o Dia Internacional da Mulher ganha novos simbolismos ao se tornar um grito por igualdade e justiça. O mês de março …