Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

No topo da cadeia alimentar
Painel da Folha de São Paulo

No topo da cadeia alimentar

Com a avaliação quase inalterada na base da pirâmide econômica, a maior mudança na percepção do governo Bolsonaro ocorreu nas elites, revela o Datafolha. Em comparação com a pesquisa anterior, os que ganham de cinco a dez salários mínimos expressaram uma visão mais crítica, enquanto os que têm renda acima desta marca ampliaram a aprovação. No primeiro time, os que taxam a gestão como ótima ou boa recuaram de 43% para 37%. No segundo, saltaram de 41% para 52%.

Embicou - Entre os de renda de cinco a dez mínimos, a avaliação de Jair Bolsonaro oscilou para pior em todos os quesitos. Além do número dos que veem seu governo como ótimo e bom ter encolhido, o dos que o classificam como regular passou de 26% para 29%, e o dos que o tratam como ruim ou péssimo de 28% para 32%.

Daqui do alto - Já a percepção dos mais ricos fez trajetória oposta. Na faixa dos que ganham mais de dez salários mínimos, além do salto na aprovação do presidente, o índice dos que veem sua gestão como regular passou de 26% para 15%, e como ruim e péssima de 37% para 32%.

Caminhos da fé - Os católicos seguem fazendo uma avaliação mais crítica do que os evangélicos do desempenho do presidente. No primeiro segmento, 66% dizem que Bolsonaro fez menos do que esperavam. No segundo, o índice de frustração é de 56%.

Santo de casa - Entre os que apontam o PSL como partido de preferência, os que diziam que o presidente fez menos do que esperavam eram 13% em abril. Agora são 24%.

Bateu, valeu - A equipe jurídica do governo não prevê uma enxurrada de questionamentos à reforma da Previdência na Justiça após a tramitação no Congresso. O discurso é o de que, dado o tempo alongado de debate, os ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) terão informações para pacificar a discussão em no máximo um ano.

Prevenir - O governo aposta que apenas sindicatos e siglas de oposição levarão questionamentos ao STF. A Advocacia-Geral da União (AGU) montou equipe só para monitorar e orientar o debate no Congresso. Tenta, com isso, evitar brechas que alimentem processos.

Meninos de ouro - Boa parte da equipe de Rogério Marinho, secretário especial da Previdência, é formada por servidores da AGU. Bruno Bianco, por exemplo.

Hora... - A revelação na Folha e no The Intercept de que procuradores e o ex-juiz Sérgio Moro discutiram a exposição de trechos da colaboração da Odebrecht que tratavam de desvios cometidos na Venezuela levou ex-executivos e advogados que acompanharam o caso a relembrarem o que chamam de "os momentos mais tensos de todo o processo".

...do pesadelo - Quando a delação vazou, funcionários da empreiteira e defensores contratados para negociar um acordo naquele país foram alvo de ameaças. A Venezuela disparou alerta vermelho de captura na Interpol contra uma advogada e o então executivo Euzenando Azevedo.

Salve-se quem puder - A empreiteira chegou a elaborar um plano de fuga para os profissionais que havia enviado ao país de Nicolás Maduro. Muitos queriam deixar os locais em que estavam para se abrigar na embaixada, mas foram orientados a não saírem de seus hotéis.

Pouco caso - O fato de procuradores terem debatido o risco de retaliação do governo venezuelano e, ainda assim, o vazamento ter ocorrido foi criticado por pessoas que viram essa confusão de perto.

Caixa-preta - A deputada Paula Belmonte (Cidadania-DF), vice-presidente da CPI do BNDES, pediu informações ao Tribunal de Contas da União (TCU) sobre o pagamento de participação nos lucros a funcionários no período em que o banco fechou operações que resultaram em perdas para o Tesouro, como os empréstimos para obras em Cuba e Venezuela.

Onde pega - A deputada não crê em pagamento de propina a funcionários, mas cogita vista grossa a operações duvidosas em nome da bonificação.

Você também - Após o depoimento de Antonio Palocci à CPI, parlamentares querem investigar instituições financeiras que lançaram títulos de dívida da JBS.

Tiroteio
"O nazismo tinha o apoio majoritário da Alemanha no fim dos anos 1930, mas isso não torna o holocausto aceitável."

Do senador Renan Calheiros (MDB-AL), após o presidente dizer que caberá ao povo avaliar sua reação a diálogos de Moro e procuradores.

Conteúdo exclusivo para assinantes!

Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

Matérias exclusivas, infográficos, colunas especiais e muito mais, produzido especialmente pra quem é assinante.

Apenas R$ 9,90/mês
Assinar agora

últimas dessa coluna


Exclusivo
Painel da Folha de São Paulo

E te direi quem és

A nova leva de mensagens da Lava Jato, revelada neste domingo (14) pela Folha e pelo The Intercept, fez integrantes do STF ironizarem membros do Conselho Nacional do Ministério Público que avalizaram …


Exclusivo
Painel da Folha de São Paulo

Se não pode vencê-los

Após forte reação no Senado de parlamentares que compõem a ala moderada do Congresso, o Ministério da Economia decidiu suspender por 30 dias os efeitos de portaria que facilita a importação de …


Exclusivo
Painel da Folha de São Paulo

Apoiadores dizem que Bolsonaro errou no timing

A decisão de Jair Bolsonaro de indicar o filho Eduardo a embaixador em Washington foi considerada um erro por dirigentes de partidos que apoiaram mudanças na Previdência. O Presidente, dizem, errou …


Exclusivo
Painel da Folha de São Paulo

A República somos nós

A indicação de Eduardo Bolsonaro para a Embaixada do Brasil em Washington repercute politicamente em diversas camadas. Quem conhece os meandros do Itamaraty diz que a escolha acaba com qualquer …


Exclusivo
Painel da Folha de São Paulo

De alma lavada

Ao concluir missão que tomou como pessoal, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), enviou recados explícitos ao Planalto. No discurso que selou a aprovação em primeiro turno da reforma da …


Exclusivo
Painel da Folha de São Paulo

Linha de corte mais alta

Os últimos vazamentos de mensagens trocadas entre a Lava Jato e o ex-juiz Sergio Moro tendem a aprofundar a cisão que já existe no Supremo. Há uma ala da corte que, a despeito de críticas emitidas …


Exclusivo
Painel da Folha de São Paulo

Recursos são como música para os ouvidos de políticos

Às vésperas do início da discussão da reforma da Previdência no plenário da Câmara, o governo Jair Bolsonaro liberou quase R$ 1 bilhão em emendas parlamentares vinculadas à área de saúde. O desembols…


Exclusivo
Painel da Folha de São Paulo

Quem ficou em cima do muro, reprova atitude de Moro

A maioria dos eleitores que preferiu não escolher um lado na polarizada disputa presidencial de 2018 reprova a interação do ex-juiz Sérgio Moro com investigadores da Lava a Jato, revela o Datafolha. …


Exclusivo
Painel da Folha de São Paulo

Novas conversas de Moro com promotores são divisor de águas

Políticos, juristas e ministros do Supremo Tribunal Federal ( STF) avaliam que a nova publicação de diálogos entre o ex-juiz Sérgio Moro e procuradores da Lava a Jato elevou a pressão sobre …


Exclusivo
Painel da Folha de São Paulo

Bolsonaro e equipe enfrentam crise conjugal

Além de expor a desarticulação no Congresso, a tentativa de Jair Bolsonaro de aliviar as regras de aposentadoria de agentes de segurança mantidos pela União expôs de maneira indefectível divergências …


Olá, !

Esse é o seu primeiro acesso por aqui, então recomendamos que você altere o seu nome de usuário e senha, para sua maior segurança.



Manter dados