search
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

Netflix versus cinema. Vocês ainda não viram nada
Tribuna Livre

Netflix versus cinema. Vocês ainda não viram nada

Maninho Pacheco (Foto: Tribuna Livre)
Maninho Pacheco (Foto: Tribuna Livre)
Nova Iorque, 6 de outubro de 1927, Picadilly Theatre. Na tela, diante de um público que desconhecia o que lhe aguardava, o ator branco Al Jolson, pintado com tinta preta, interpreta um cantor de jazz negro. Próximo à metade do filme, Jolson olha para a câmera e diz, literalmente em alto e bom som, as primeiras palavras faladas do cinema: “Wait a minute! You ain't heard nothing' yet”. Algo como “Esperem um minuto. Vocês ainda não ouviram nada”. E canta uma canção.

O cinema aprende a falar. “The jazz singer” provoca um corte na história do cinema: a morte dos filmes mudos e o triunfo dos falados. A Sétima Arte jamais seria a mesma.

Cannes, 19 de maio de 2017, Palais des Festivals. Luzes se apagam. Projetor acionado. O icônico logotipo vermelho da Netflix ocupa toda a tela e apresenta a fábula anticapitalista com porcos mutantes “Okja”, de Bong Joon-ho. Vaias da plateia. A participação inaugural em festivais de cinema analógico de um filme digital produzido por uma empresa que trabalha exclusivamente com tecnologia streaming é marcada por forte reação contrária do público, o inverso do sucesso da exibição do primeiro filme falado.

Charles Chaplin foi quem melhor encarnou a resistência do cinema mudo contra o falado. Para ele, fala era uma regressão estética. O cinema já havia adquirido uma autonomia de linguagem ao construir uma narrativa própria, visual e universal. Mas havia uma dimensão política por trás da militância silente de Chaplin. Atacado pelas elites culturais pelo “baixo nível” dos seus filmes voltados para trabalhadores, imigrantes e desempregados, ele via na sonorização o enquadramento político e moral decisivo dos cinema pelos grandes estúdios: “Os ricos compraram o barulho”, sentenciou.

Noventa anos depois, Steven Spielberg incorporaria a militância chapliniana em repúdio às inovações do cinema. Torna-se a mais combativa e respeitada voz anti-Netflix. No Oscar deste ano, por pouco sua produção “Green Book: O Guia” perde a estatueta de melhor filme para o belo e improvável “Roma”, de Alfonso Cuarón. Preto e branco, diálogos minimalistas e em espanhol, “Roma” foi comprado pela Netflix e levou três Oscars (diretor, fotografia e filme estrangeiro). Uma surpresa não ter recebido o de melhor filme, cereja do bolo da premiação que Hollywood confere às produções exibidas em... Cinema. E “Roma” foi produzido originalmente para a TV. Se vencesse “Green Book”, decretaria o triunfo de uma mídia sobre a outra.

Spielberg entende que a Netflix não pode ficar tão perto de ganhar o grande prêmio de Hollywood quando não joga com as mesmas regras que os estudios tradicionais: sobretudo por lançar suas produções simultaneamente na plataforma doméstica e nos cinemas. Para ele, “uma vez que a Netflix se compromete com um formato de televisão deveria disputar o Emmy, não o Oscar. Aquilo é televisão, não cinema”.

Os 124 anos da história do cinema têm sido marcados por desafios. Som, cor, televisão, sistemas On Demand, apenas para citar algumas questões técnicas, emparedaram o cinema e o impuseram saídas para sobreviver.

Produções com selo Netflix, são apenas um desses emparedamentos. Seu grau de impacto só o tempo dirá. Parafraseando Al Jolson, nós ainda não vimos nada.

Maninho Pacheco é jornalista

Conteúdo exclusivo para assinantes!

Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

Matérias exclusivas, infográficos, colunas especiais e muito mais, produzido especialmente pra quem é assinante.

Apenas R$ 9,90/mês
Assinar agora
esqueceu a senha?

últimas dessa coluna


Exclusivo
Tribuna Livre

Meio ambiente e a mudança de comportamento das empresas

Não há como negar que a preocupação com a preservação do meio ambiente se propaga por todo o planeta. A sustentabilidade, a reciclagem de resíduos e materiais, o tratamento e reaproveitamento da …


Exclusivo
Tribuna Livre

A sabedoria do planejamento na empresa e na vida privada

Com a globalização, inovações tecnológicas, políticas econômicas restritivas e inúmeras variáveis que afetam as empresas e nós individualmente, temos de intensificar a utilização da mais nobre das …


Exclusivo
Tribuna Livre

Lei de abuso de autoridade e a independência da magistratura

Está em pleno vigor a Lei nº 13.869, de 5 de setembro de 2019, que “define os crimes de abuso de autoridade, cometidos por agente público, servidor ou não, que, no exercício de suas funções ou a …


Exclusivo
Tribuna Livre

Reforma tributária com justiça fiscal é o novo desafio do Brasil

No passado, os choques do petróleo (1973 e 1979) fizeram muito mal à economia brasileira, pois o País era um grande importador e não possuía uma situação externa favorável. Atualmente, por conta das …


Exclusivo
Tribuna Livre

Educação financeira é aliada no combate ao endividamento

Dados da Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) e do Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) indicam que cerca de metade dos brasileiros (48%) tiveram o CPF negativado em pelo menos …


Exclusivo
Tribuna Livre

É tempo de falar e debater a sexualidade na adolescência

A campanha lançada pelo Governo Federal de prevenção à gravidez adolescente, “Tudo tem seu tempo”, tem como principal mensagem a abstinência sexual como método contraceptivo. No entanto, é possível …


Exclusivo
Tribuna Livre

Carnaval tem raízes psicológicas, sociais e culturais

O Carnaval é uma grande festa popular, vivenciada na alma do povo, revelando profundos sentimentos. As músicas de Carnaval e os sambas de enredo das escolas de samba, elaborados por verdadeiros …


Exclusivo
Tribuna Livre

A inteligência emocional e as tempestades que enfrentamos

As chuvas e enchentes que castigaram nosso Estado, neste começo de ano, podem servir de inspiração para analisarmos as tempestades de nossas vidas e a maneira com que lidamos com elas. Há mais …


Exclusivo
Tribuna Livre

Coronavírus se espalha na velocidade de trem-bala e avião

Nenhuma pandemia espalhou tanto terror quanto a peste negra, doença transmitida a humanos por pulgas de ratos portadores da bactéria Yersinia pestis, que matou mais de 20% da população mundial, entre …


Exclusivo
Tribuna Livre

Rios do Espírito Santo vão de protagonistas a vilões

Os rios, como vias de acesso, foram importantíssimos na formação de dezenas de cidades capixabas, assim como o mar foi a via transitável para que os primeiros colonizadores aqui aportassem. Até …


Olá, !

Esse é o seu primeiro acesso por aqui, então recomendamos que você altere o seu nome de usuário e senha, para sua maior segurança.



Manter dados