search
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

Netflix versus cinema. Vocês ainda não viram nada
Tribuna Livre

Netflix versus cinema. Vocês ainda não viram nada

Maninho Pacheco (Foto: Tribuna Livre)
Maninho Pacheco (Foto: Tribuna Livre)
Nova Iorque, 6 de outubro de 1927, Picadilly Theatre. Na tela, diante de um público que desconhecia o que lhe aguardava, o ator branco Al Jolson, pintado com tinta preta, interpreta um cantor de jazz negro. Próximo à metade do filme, Jolson olha para a câmera e diz, literalmente em alto e bom som, as primeiras palavras faladas do cinema: “Wait a minute! You ain't heard nothing' yet”. Algo como “Esperem um minuto. Vocês ainda não ouviram nada”. E canta uma canção.

O cinema aprende a falar. “The jazz singer” provoca um corte na história do cinema: a morte dos filmes mudos e o triunfo dos falados. A Sétima Arte jamais seria a mesma.

Cannes, 19 de maio de 2017, Palais des Festivals. Luzes se apagam. Projetor acionado. O icônico logotipo vermelho da Netflix ocupa toda a tela e apresenta a fábula anticapitalista com porcos mutantes “Okja”, de Bong Joon-ho. Vaias da plateia. A participação inaugural em festivais de cinema analógico de um filme digital produzido por uma empresa que trabalha exclusivamente com tecnologia streaming é marcada por forte reação contrária do público, o inverso do sucesso da exibição do primeiro filme falado.

Charles Chaplin foi quem melhor encarnou a resistência do cinema mudo contra o falado. Para ele, fala era uma regressão estética. O cinema já havia adquirido uma autonomia de linguagem ao construir uma narrativa própria, visual e universal. Mas havia uma dimensão política por trás da militância silente de Chaplin. Atacado pelas elites culturais pelo “baixo nível” dos seus filmes voltados para trabalhadores, imigrantes e desempregados, ele via na sonorização o enquadramento político e moral decisivo dos cinema pelos grandes estúdios: “Os ricos compraram o barulho”, sentenciou.

Noventa anos depois, Steven Spielberg incorporaria a militância chapliniana em repúdio às inovações do cinema. Torna-se a mais combativa e respeitada voz anti-Netflix. No Oscar deste ano, por pouco sua produção “Green Book: O Guia” perde a estatueta de melhor filme para o belo e improvável “Roma”, de Alfonso Cuarón. Preto e branco, diálogos minimalistas e em espanhol, “Roma” foi comprado pela Netflix e levou três Oscars (diretor, fotografia e filme estrangeiro). Uma surpresa não ter recebido o de melhor filme, cereja do bolo da premiação que Hollywood confere às produções exibidas em... Cinema. E “Roma” foi produzido originalmente para a TV. Se vencesse “Green Book”, decretaria o triunfo de uma mídia sobre a outra.

Spielberg entende que a Netflix não pode ficar tão perto de ganhar o grande prêmio de Hollywood quando não joga com as mesmas regras que os estudios tradicionais: sobretudo por lançar suas produções simultaneamente na plataforma doméstica e nos cinemas. Para ele, “uma vez que a Netflix se compromete com um formato de televisão deveria disputar o Emmy, não o Oscar. Aquilo é televisão, não cinema”.

Os 124 anos da história do cinema têm sido marcados por desafios. Som, cor, televisão, sistemas On Demand, apenas para citar algumas questões técnicas, emparedaram o cinema e o impuseram saídas para sobreviver.

Produções com selo Netflix, são apenas um desses emparedamentos. Seu grau de impacto só o tempo dirá. Parafraseando Al Jolson, nós ainda não vimos nada.

Maninho Pacheco é jornalista

Conteúdo exclusivo para assinantes!

Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

Matérias exclusivas, infográficos, colunas especiais e muito mais, produzido especialmente pra quem é assinante.

Apenas R$ 9,90/mês
Assinar agora
esqueceu a senha?

últimas dessa coluna


Exclusivo
Tribuna Livre

Papel do contador na legislação fiscal é fundamental para o País

O ano de 2020 evidencia a aparição de verdadeiros heróis necessários ao Brasil, devido à calamidade decorrente da pandemia que assombra o País. Com isto, diversos profissionais se tornaram a …


Exclusivo
Tribuna Livre

Língua brasileira de sinais (Libras) é para todos brasileiros

Quando falamos sobre educação, não podemos deixar de considerar os avanços e as conquistas que o cenário brasileiro tem vivenciado. Contudo, sabemos ainda que tem muito a ser feito e que o caminho …


Exclusivo
Tribuna Livre

Tempo de união pelo Setembro Amarelo

Setembro é o mês de flores, cores, perfumes e de dias mais claros. Também é o mês em que falamos sobre a vida e os sofrimentos de quem vive. Sofrimentos que às vezes levam as pessoas a questionar o …


Exclusivo
Tribuna Livre

Celebrar e reforçar os valores da democracia

Nesta semana foi comemorado o Dia Internacional da Democracia. A data (15 de setembro) foi criada em 2007, pela Assembleia Geral da Organização das Nações Unidas. O objetivo foi defender, …


Exclusivo
Tribuna Livre

Corrupção institucional e descrença social

A expressão “corrupção institucional” é muito mais abrangente do que a mera “corrupção” porque esta se relaciona aos sujeitos individualmente considerados, enquanto aquela diz respeito ao sequestro …


Exclusivo
Tribuna Livre

Saneamento básico para todos é uma dívida social de séculos

Conhecida como o Novo Marco Legal do Saneamento, a sanção da Lei 14.026, em julho, abriu caminho para o Brasil pôr fim à uma dívida social de séculos. O objetivo da nova lei é levar o saneamento a …


Exclusivo
Tribuna Livre

Autoconhecimento é uma regra de ouro da vida

Há quem os critique, há quem os ame; eles já me resgataram do fundo do poço e lhes sou grata: os livros de autoajuda. Acredito no “querer é poder” junto com o “querer é agir para poder”. É preciso …


Exclusivo
Tribuna Livre

Câncer não está em quarentena, e exames precisam ser feitos

A pandemia de Covid-19 mostrou de maneira clara e sem filtro as inúmeras mazelas da sociedade. No Brasil, muitos morreram, milhares ficaram doentes e tantos outros perderam seus empregos. Além disso, …


Exclusivo
Tribuna Livre

Lições do surfe e de uma saudável convivência

O Espírito Santo é um grande destino do surfe nacional, com praias de ondas perfeitas, boa localização e fácil acesso, com infraestrutura para seus praticantes. O surfe evoluiu, não é mais o esporte …


Exclusivo
Tribuna Livre

O novo presente, a ansiedade de futuro e o desafio da esperança

“Existirmos: a que será que se destina?” À beira da perda que desatina, Caetano fez filosófica rima para questionar a vida e sua sina. Ao incrementarmos o subir à tona da existência, após mergulho …


Olá, !

Esse é o seu primeiro acesso por aqui, então recomendamos que você altere o seu nome de usuário e senha, para sua maior segurança.



Manter dados