Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

Netflix versus cinema. Vocês ainda não viram nada
Tribuna Livre

Netflix versus cinema. Vocês ainda não viram nada

Maninho Pacheco (Foto: Tribuna Livre)
Maninho Pacheco (Foto: Tribuna Livre)
Nova Iorque, 6 de outubro de 1927, Picadilly Theatre. Na tela, diante de um público que desconhecia o que lhe aguardava, o ator branco Al Jolson, pintado com tinta preta, interpreta um cantor de jazz negro. Próximo à metade do filme, Jolson olha para a câmera e diz, literalmente em alto e bom som, as primeiras palavras faladas do cinema: “Wait a minute! You ain't heard nothing' yet”. Algo como “Esperem um minuto. Vocês ainda não ouviram nada”. E canta uma canção.

O cinema aprende a falar. “The jazz singer” provoca um corte na história do cinema: a morte dos filmes mudos e o triunfo dos falados. A Sétima Arte jamais seria a mesma.

Cannes, 19 de maio de 2017, Palais des Festivals. Luzes se apagam. Projetor acionado. O icônico logotipo vermelho da Netflix ocupa toda a tela e apresenta a fábula anticapitalista com porcos mutantes “Okja”, de Bong Joon-ho. Vaias da plateia. A participação inaugural em festivais de cinema analógico de um filme digital produzido por uma empresa que trabalha exclusivamente com tecnologia streaming é marcada por forte reação contrária do público, o inverso do sucesso da exibição do primeiro filme falado.

Charles Chaplin foi quem melhor encarnou a resistência do cinema mudo contra o falado. Para ele, fala era uma regressão estética. O cinema já havia adquirido uma autonomia de linguagem ao construir uma narrativa própria, visual e universal. Mas havia uma dimensão política por trás da militância silente de Chaplin. Atacado pelas elites culturais pelo “baixo nível” dos seus filmes voltados para trabalhadores, imigrantes e desempregados, ele via na sonorização o enquadramento político e moral decisivo dos cinema pelos grandes estúdios: “Os ricos compraram o barulho”, sentenciou.

Noventa anos depois, Steven Spielberg incorporaria a militância chapliniana em repúdio às inovações do cinema. Torna-se a mais combativa e respeitada voz anti-Netflix. No Oscar deste ano, por pouco sua produção “Green Book: O Guia” perde a estatueta de melhor filme para o belo e improvável “Roma”, de Alfonso Cuarón. Preto e branco, diálogos minimalistas e em espanhol, “Roma” foi comprado pela Netflix e levou três Oscars (diretor, fotografia e filme estrangeiro). Uma surpresa não ter recebido o de melhor filme, cereja do bolo da premiação que Hollywood confere às produções exibidas em... Cinema. E “Roma” foi produzido originalmente para a TV. Se vencesse “Green Book”, decretaria o triunfo de uma mídia sobre a outra.

Spielberg entende que a Netflix não pode ficar tão perto de ganhar o grande prêmio de Hollywood quando não joga com as mesmas regras que os estudios tradicionais: sobretudo por lançar suas produções simultaneamente na plataforma doméstica e nos cinemas. Para ele, “uma vez que a Netflix se compromete com um formato de televisão deveria disputar o Emmy, não o Oscar. Aquilo é televisão, não cinema”.

Os 124 anos da história do cinema têm sido marcados por desafios. Som, cor, televisão, sistemas On Demand, apenas para citar algumas questões técnicas, emparedaram o cinema e o impuseram saídas para sobreviver.

Produções com selo Netflix, são apenas um desses emparedamentos. Seu grau de impacto só o tempo dirá. Parafraseando Al Jolson, nós ainda não vimos nada.

Maninho Pacheco é jornalista

Conteúdo exclusivo para assinantes!

Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

Matérias exclusivas, infográficos, colunas especiais e muito mais, produzido especialmente pra quem é assinante.

Apenas R$ 9,90/mês
Assinar agora

últimas dessa coluna


Exclusivo
Tribuna Livre

Austeridade, o caminho da pobreza

O senso comum atribui às finanças públicas o mesmo raciocínio que aplicamos à economia doméstica. Um exemplo é a percepção de que não se pode gastar mais do que o que se ganha. Neste texto, …


Exclusivo
Tribuna Livre

Um Barracão de memórias

Bianualmente, sempre no mês de julho, ex-alunos do antigo Colégio Agrícola de Santa Teresa se reúnem para um grande encontro festivo. Memórias de um período de vida que marcou toda uma geração, e na …


Exclusivo
Tribuna Livre

A nova cobertura dos benefícios do INSS

O Governo Federal poderá abrir uma concorrência para acabar com o monopólio do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) na cobertura dos chamados benefícios de risco não programados, como auxílio-d…


Exclusivo
Tribuna Livre

A pasta para dentes e a propaganda abusiva

No Ocidente, os egípcios e gregos foram os primeiros a compor uma mistura para limpar os dentes. A fórmula era bastante variada (cinzas, casca de ovo, pedra-pomes, ervas, carvão, hortelã...). …


Exclusivo
Tribuna Livre

A música romântica e a visão de mundo

Em 1995 escrevi algo sobre a as diferenças entre o romantismo pós-wagneriano e o estilo francês (impressionista, pós-impressionista, de Stravinsky, de Satie, etc). Hoje, retomo ao tema, estando …


Exclusivo
Tribuna Livre

Mercado de trabalho e o profissional do futuro

Com um mercado de trabalho que muda a cada dia, muitos profissionais ficam em dúvida sobre qual caminho seguir. Afinal de contas, vale a pena investir em uma profissão do futuro? Quando é o momento …


Exclusivo
Tribuna Livre

Isenção do “imposto sobre a herança” no Espírito Santo

Como defensor público titular da 2ª Defensoria de Órfãos e Sucessões de Cariacica efetuo diariamente orientações aos meus assistidos sobre as regras legais para a elaboração de inventários e …


Exclusivo
Tribuna Livre

Dragagem ainda não trouxe os resultados esperados

As obras de dragagem no Porto de Vitória foram concluídas em outubro de 2017. A tão esperada dragagem previa que o canal passaria de uma profundidade de 11,7 metros para 14 metros e de 11,7 metros …


Exclusivo
Tribuna Livre

A intolerância do preconceito

Mais uma vez, ficamos chocados com ondas de ataques simultâneos às pessoas inocentes, morrendo, sem motivo aparente, senão à cor que mais uma vez se manifesta diante do racismo radical, abalando a …


Exclusivo
Tribuna Livre

Competindo com eficiência

O Espírito Santo é o maior produtor mundial de pelotas de minério de ferro e o terceiro maior produtor de aço do Brasil, sendo que, juntos, os dois setores representam mais de 20% do PIB estadual, …


Olá, !

Esse é o seu primeiro acesso por aqui, então recomendamos que você altere o seu nome de usuário e senha, para sua maior segurança.



Manter dados