Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

Netflix tira do ar documentário com informações falsas sobre saúde

Entretenimento

Entretenimento

Netflix tira do ar documentário com informações falsas sobre saúde


A Netflix tirou do ar o documentário "A Raiz do Problema", que apresentava uma série de informações falsas relacionando tratamentos de canal com câncer e doenças autoimunes.

Questionada pela reportagem sobre a retirada, a plataforma afirmou não ter "nenhum comentário" a fazer. No final de janeiro, o jornal Folha de S.Paulo mostrou que associações de dentistas e especialistas estavam preocupados com o teor do documentário, que entrou no catálogo da Netflix no início de 2019.

O documentário trazia afirmações polêmicas sobre tratamento de canal: "Se você acha que pode ignorar um dente infectado e tóxico, e não ter consequências sistêmicas, acho que você está se iludindo".

As declarações, contudo, não eram baseadas em evidências científicas. Além disso, a maior parte dos entrevistados não tinha publicações reconhecidas e não trabalhava na área odontológica. Um deles, inclusive, tem posições antivacinação. 

A Associação Americana de Endodontistas (AAE), a Sela (Sociedade Latinoamericana de Endodontia), a Associação Brasileira de Odontologia, o Crosp (Conselho Regional de Odontologia de São Paulo) e especialistas da USP se mostraram preocupados com o teor do filme e os possíveis riscos que a sua exibição na Netflix representava.

"A Associação Americana de Endodontistas considera que a informação apresentada no filme é prejudicial aos pacientes", afirmou a entidade. 

A Folha de S.Paulo, à época da publicação da reportagem, procurou o diretor do filme, Frazer Bailey, que se defendeu afirmando que não era um cientista, mas, sim, um cineasta. Também houve tentativas de contato sucessivas com a Netflix, que, após pedir mais tempo para responder, disse que não comentaria o assunto.


Olá, !

Esse é o seu primeiro acesso por aqui, então recomendamos que você altere o seu nome de usuário e senha, para sua maior segurança.



Manter dados