Nem sempre dominamos o nosso corpo

Quando criança, eu costumava prestar atenção em minha respiração. O resultado era sempre uma sensação de cansaço, causado pelo trabalho dos músculos acostumados a respirar por conta própria.

O corpo humano é um mecanismo complexo e bem estruturado que, por si só, sabe qual função ativar a cada momento.

E, entre estas, encontramos atos involuntários que não controlamos, uma vez que são acionados sem o nosso consentimento e só temos de cumprir obedientemente o comando dado pelo cérebro.
Estamos nos referindo a funções de autoproteção, como tossir, suar, tremer, piscar, além de fenômenos como bocejos, calafrios, entre outros.

Existem funções do organismo sobre as quais não temos o poder de comandar.

Uma pessoa pode tremer não só quando está com frio, mas por medo, estresse ou doença grave. E ninguém pode controlar esse processo, pois é um reflexo incondicional do corpo. É raro encontrar alguém que nunca tenha ficado ruborizado.

O avermelhamento involuntário do rosto se manifesta quando o indivíduo sente vergonha, timidez ou raiva.

Pessoas que não estão acostumadas a mentir, geralmente ficam vermelhas quando são forçadas a isso.

Todos esses fatores respondem a um aumento do fluxo sanguíneo nos capilares encontrados nas camadas superficiais da pele.

Estômago vazio costuma produzir roncos. Em alguns casos, esse ruído característico deve-se à fome. Em outros, é causado por distúrbios de funcionamento do sistema gastrointestinal. Independentemente da presença de alimentos no estômago, seus músculos se contraem. Se não houver comida, o ar e o ácido clorídrico reagem entre si criando sons diferentes, borbulhando e rugindo.

Espirrar é um reflexo protetor. Graças a isso, poeira, muco e outros agentes irritantes, são eliminados do trato respiratório superior por uma exalação súbita e forte.

Bocejar é um reflexo incondicionado. Bocejamos quando sentimos cansaço, sono, tédio, calor, ou quando nos falta oxigênio, tornando necessário sacudir nosso sistema nervoso.

Tossir é um processo através do qual o corpo limpa o aparelho respiratório de elementos estranhos, através da expectoração.

A tosse é quase impossível de conter, e isso é bom, porque, desta forma, o nosso corpo tenta se livrar da fumaça, poeira, muco e micróbios patogênicos.

Arrepios acontecem devido à contração muscular dos folículos pilosos.

Quando o organismo sente frio, medo, admiração, excitação sexual, as fibras dos folículos se contraem, levantando os pelos do corpo.

Este reflexo rudimentar, cujas funções seriam aquecer e simular um aumento de tamanho do corpo, não apresenta significado prático para as pessoas.

Transpiração é uma função imperiosa para o corpo superaquecido. A umidade que evapora da superfície da pele reduz a temperatura corporal.

O suor também surge diante de esforço físico, estresse, excesso de peso e de algumas doenças.
Soluço é um distúrbio respiratório involuntário, resultante das contrações do diafragma e dos músculos intercostais.

O som característico desse sintoma se deve ao fechamento súbito da glote. O aparecimento do singulto não pode ser evitado pela pessoa.

Durante um alongamento, os músculos são preparados para realizar esforço físico. É por isso que nos alongamos depois de dormir. Essa atitude objetiva “acordar” os músculos que permaneceram imóveis durante a noite.

Todas essas funções involuntárias são importantes para o funcionamento do organismo. O corpo sabe melhor do que nós daquilo que ele precisa num dado momento.

O último esforço da razão é reconhecer que existe uma infinidade de coisas que ultrapassam a vontade. O corpo humano se alimenta de autonomia e submissão.
 


últimas dessa coluna


Sintomas são delações premiadas

Diante do delito cometido pela criminosa doença, o inocente corpo acumula provas, utilizando sintomas como forma de delação. Dessa maneira, ele espera, como prêmio, o retorno da saúde. Sintomas …


O perigo de nunca sentir dor

A presença da dor é essencial para a integridade e a sobrevivência da espécie. Jesus enfrentou o sofrimento, sabendo que estaria abandonado da presença misericordiosa de Deus. O cálice da …


A doença da urina do rato

O mundo está lembrando o centenário do término da Primeira Guerra Mundial. Entre 1914 e 1918, soldados inimigos trocavam tiros, buscando proteção dentro das trincheiras. Naquela época, ninguém …


“Abracadabra, que a doença seja debelada”

Escutar, examinar, solicitar exames, diagnosticar, explicar e tratar. Eu exerço esses ofícios há 40 anos. Procuro caprichar na informação, pois comunicação não é o que se fala, mas o que o outro …


O tempo nem sempre é um aliado

Um indivíduo apaixonado clama pela permanência do tempo. Uma pessoa deprimida suplica pela passagem do tempo. Dentro da medicina, o tempo é usado para curar, como acontece, por exemplo, durante um …


A dor que não pertence ao corpo

“A dor do outro é sempre menor que a nossa”. Nem sempre isso é verdade. Existe dor que não mais nos pertence, mas ainda nos aflige. Ela costuma residir num membro fantasma. Quando removido ou …


Álcool não aduba felicidade

Após atravessar o aparelho digestivo e cair na corrente sanguínea, o álcool atinge o cérebro. Ao transformar o córtex cerebral em salão de festa, ele deixa o bebedor desinibido e falante. Sentindo-se …


Suicídio: coragem ou covardia?

Em algum momento na vida, todos já flertamos com a morte. Se não desejamos nos matar, ao menos cogitamos morrer para escapar do sofrimento, para chamar a atenção ou para entrar na história. O ser …


É preciso atenção com as ínguas

Íngua é o aumento dos gânglios linfáticos, aparecendo como consequência de alguma inflamação na região acometida, podendo ou não vir acompanhada de dor. Quando expostos a bactérias ou vírus, a …


Os efeitos colaterais da paixão

Amo mais que a ti, ao meu amor por ti”, diz o poeta. Não seria esta declaração de amor, na verdade, uma confissão de paixão? Estar apaixonado é adoecer por alguém. Apesar da inebriante sensação …