Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

Nem sempre dominamos o nosso corpo
Doutor João Responde

Nem sempre dominamos o nosso corpo

Quando criança, eu costumava prestar atenção em minha respiração. O resultado era sempre uma sensação de cansaço, causado pelo trabalho dos músculos acostumados a respirar por conta própria.

O corpo humano é um mecanismo complexo e bem estruturado que, por si só, sabe qual função ativar a cada momento.

E, entre estas, encontramos atos involuntários que não controlamos, uma vez que são acionados sem o nosso consentimento e só temos de cumprir obedientemente o comando dado pelo cérebro.
Estamos nos referindo a funções de autoproteção, como tossir, suar, tremer, piscar, além de fenômenos como bocejos, calafrios, entre outros.

Existem funções do organismo sobre as quais não temos o poder de comandar.

Uma pessoa pode tremer não só quando está com frio, mas por medo, estresse ou doença grave. E ninguém pode controlar esse processo, pois é um reflexo incondicional do corpo. É raro encontrar alguém que nunca tenha ficado ruborizado.

O avermelhamento involuntário do rosto se manifesta quando o indivíduo sente vergonha, timidez ou raiva.

Pessoas que não estão acostumadas a mentir, geralmente ficam vermelhas quando são forçadas a isso.

Todos esses fatores respondem a um aumento do fluxo sanguíneo nos capilares encontrados nas camadas superficiais da pele.

Estômago vazio costuma produzir roncos. Em alguns casos, esse ruído característico deve-se à fome. Em outros, é causado por distúrbios de funcionamento do sistema gastrointestinal. Independentemente da presença de alimentos no estômago, seus músculos se contraem. Se não houver comida, o ar e o ácido clorídrico reagem entre si criando sons diferentes, borbulhando e rugindo.

Espirrar é um reflexo protetor. Graças a isso, poeira, muco e outros agentes irritantes, são eliminados do trato respiratório superior por uma exalação súbita e forte.

Bocejar é um reflexo incondicionado. Bocejamos quando sentimos cansaço, sono, tédio, calor, ou quando nos falta oxigênio, tornando necessário sacudir nosso sistema nervoso.

Tossir é um processo através do qual o corpo limpa o aparelho respiratório de elementos estranhos, através da expectoração.

A tosse é quase impossível de conter, e isso é bom, porque, desta forma, o nosso corpo tenta se livrar da fumaça, poeira, muco e micróbios patogênicos.

Arrepios acontecem devido à contração muscular dos folículos pilosos.

Quando o organismo sente frio, medo, admiração, excitação sexual, as fibras dos folículos se contraem, levantando os pelos do corpo.

Este reflexo rudimentar, cujas funções seriam aquecer e simular um aumento de tamanho do corpo, não apresenta significado prático para as pessoas.

Transpiração é uma função imperiosa para o corpo superaquecido. A umidade que evapora da superfície da pele reduz a temperatura corporal.

O suor também surge diante de esforço físico, estresse, excesso de peso e de algumas doenças.
Soluço é um distúrbio respiratório involuntário, resultante das contrações do diafragma e dos músculos intercostais.

O som característico desse sintoma se deve ao fechamento súbito da glote. O aparecimento do singulto não pode ser evitado pela pessoa.

Durante um alongamento, os músculos são preparados para realizar esforço físico. É por isso que nos alongamos depois de dormir. Essa atitude objetiva “acordar” os músculos que permaneceram imóveis durante a noite.

Todas essas funções involuntárias são importantes para o funcionamento do organismo. O corpo sabe melhor do que nós daquilo que ele precisa num dado momento.

O último esforço da razão é reconhecer que existe uma infinidade de coisas que ultrapassam a vontade. O corpo humano se alimenta de autonomia e submissão.
 


últimas dessa coluna


Exclusivo
Doutor João Responde

Importância da dor para a preservação da vida humana

Saúde e doença saem de um tronco único, visto que têm uma só e mesma base: a dor de crescer. Dor é uma experiência sensorial desagradável associada com lesão tecidual real ou potencial, refletindo a …


Exclusivo
Doutor João Responde

Doenças exantemáticas

Dezembro de 1978. Após frutificante período de faculdade, eu terminava o curso de Medicina. Durante as festividades de formatura, amanheci febril e com o corpo todo pintado de vermelho. Como …


Exclusivo
Doutor João Responde

Herpes-zóster, esse filho da catapora

Varicela é uma virose que afeta a criança e o adolescente, cujo nome foi criado para assustá-los na hora do médico informar que se trata da conhecida catapora. No primeiro dia de infecção, o vírus se …


Exclusivo
Doutor João Responde

Envelhecer é um privilégio

Velho não é sinônimo de imprestável. Ao contrário, alcançar os últimos degraus da idade pode trazer consigo um grande acúmulo de sabedoria. O que seria do mundo presente se não houvesse as lembranças …


Exclusivo
Doutor João Responde

Boqueira, essa incômoda feridinha

Queilite angular, chamada popularmente de boqueira, é um pequeno machucado doloroso que ocorre no canto da boca. Trata-se de uma dermatose comum, caracterizada por fissura e inflamação no ângulo dos …


Exclusivo
Doutor João Responde

Arroto: um sintoma mal-educado?

Para os árabes, arrotar depois da refeição é sinal de que o convidado apreciou o prato. Em nosso País, isso caracteriza falta de educação. Para o corpo, eructar é a maneira que o estômago encontra …


Exclusivo
Doutor João Responde

A prazerosa fome do apetite

O mais saboroso alimento depende da fome. O mais prazeroso prato depende do apetite. Dizem que beleza não se põe em mesa. Concordo, mas confesso que ela abre o apetite. Quando sentimos vontade …


Exclusivo
Doutor João Responde

Afeto faz bem à saúde

Experimente caminhar pelas ruas distribuindo abraços e apertos de mãos. Infelizmente, a maior parte das pessoas não retornará as demonstrações de afeto oferecidas por você. Algumas reagirão com …


Doutor João Responde

Tato, o olho da pele humana

O tato é o idioma do corpo. Vendo, ouvindo, cheirando, apalpando e sentindo sabores, percebemos o meio que nos cerca. Ao processar esses estímulos em nosso cérebro, nós os interpretamos, sejam como …


Doutor João Responde

Saúde esterilizada vira doença

Ninguém questiona a imprescindível necessidade da higiene, do uso de medicamentos, do emprego de vacinações, entre outros cuidados que visam preservar a saúde. Antigamente, a preocupação do ser …


Olá, !

Esse é o seu primeiro acesso por aqui, então recomendamos que você altere o seu nome de usuário e senha, para sua maior segurança.



Manter dados