Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

Nem santo, nem demônio
Papo do Dias
Flávio Dias

Flávio Dias


Nem santo, nem demônio

Jorge Jesus complicou a classificação do Fla na Libertadores (Foto: Alexandre Vidal/Fla Imagem)
Jorge Jesus complicou a classificação do Fla na Libertadores (Foto: Alexandre Vidal/Fla Imagem)
A derrota do Flamengo para o Emelec em Guayaquil foi um desastre. Da escalação até o apito final, quase nada funcionou. E grande parte da culpa é do técnico Jorge Jesus. No seu aniversário de 65 anos, o português “desmontou” o time. Perdeu o jogo e complicou a classificação, até então óbvia, para as quartas de final.

São cinco jogos no comando do Flamengo e 40% de aproveitamento. Número baixo pela expectativa criada em torno do time, das contratações e do treinador.

O Fla foi eliminado da Copa do Brasil pelo Athletico/PR com dois empates. No Brasileirão, goleou o Goiás e empatou com o Corinthians. E, na Libertadores, perdeu para o Emelec (que venceu o seu primeiro jogo em casa!).

Jorge Jesus não é um santo milagreiro. Mas também não é um demônio. As ideias de jogo parecem interessantes. Na marcação, a ordem é pressionar muito a saída de bola do adversário. Com isso, o Fla recupera a bola já perto da área adversária.

Na construção do jogo, expressão famosa hoje em dia, o time sai da defesa com três jogadores (o volante recua para a primeira linha de passe) – formação descrita no livro Guardiola Confidencial – e tem um volante apenas de ofício. À frente dele, ninguém sabe. Como os treinos são fechados, restam os jogos para analisarmos. E o Fla foi diferente em cada um dos cinco jogos com Jesus. Confusão certa para torcedores, críticos e, imagino, até para os jogadores.

Rafinha sofreu contra o Emelec (Foto: Twitter/Emelec)
Rafinha sofreu contra o Emelec (Foto: Twitter/Emelec)
Rafinha veio para “resolver” a lateral direita. E foi para o meio-campo, ofensivamente, deixando Rodinei responsável pela marcação pelo lado direito. Mas o lateral-direito que marca melhor do que ataca é o Pará. Rodinei sempre foi melhor no apoio do que na defesa. Resultado: falhas de posicionamento.E um Rafinha perdido em campo.

Gerson veio para ser o segundo volante, nas palavras do próprio treinador. Jogou aberto pela esquerda, posicionamento que exige velocidade. Velocidade que o Gerson nunca teve, nem quando surgiu no Fluminense...

O melhor volante do time é o Cuéllar. Barrado. E joga o Arão, que não faz as coberturas que o Cuéllar faz e, assim, sobrecarrega os zagueiros e os laterais. Enfim, o conjunto todo em Guayaquil foi um desastre.

Antes do início do confronto, eu apostaria em duas vitórias até fáceis para o Flamengo. Ainda agora, acho que o time passa. Mesmo com os desfalques, tem time para superar o Emelec, que vai se fechar, bater e esperar contra-ataques. Sem milagre. Mas também sem invenções.

Diego Alves; Rafinha, Léo Duarte, Rodrigo Caio e Renê; Cuéllar, Arão e Gerson (Arrascaeta, se houver condições físicas); Berrío, Bruno Henrique e Gabigol. Seria minha escalação para o jogo de volta. Cada um na sua.


Olá, !

Esse é o seu primeiro acesso por aqui, então recomendamos que você altere o seu nome de usuário e senha, para sua maior segurança.



Manter dados