Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

Motoristas vão responder por depredação de ônibus

Notícias

Polícia

Motoristas vão responder por depredação de ônibus


Passageiros tentam embarcar em coletivo na avenida Governador Bley, no Centro de Vitória. (Foto: Leone Iglesias/Arquivo AT 04/12/18)
Passageiros tentam embarcar em coletivo na avenida Governador Bley, no Centro de Vitória. (Foto: Leone Iglesias/Arquivo AT 04/12/18)
Os crimes cometidos durante a greve dos rodoviários na Grande Vitória começaram a ser investigados ontem pela Polícia Federal. Os envolvidos vão responder, inclusive, pela depredação de 11 ônibus, conforme apurou a reportagem de A Tribuna.

A pena pode chegar a três anos de prisão, já que a destruição aconteceu a um bem considerado de serviço público, como prevê o artigo 163 do Código Penal.

Na última segunda-feira, ônibus foram depredados nos municípios da Serra e de Cariacica, onde duas pessoas ficaram feridas.

Na Serra, as depredações começaram por volta das 4h30. “Pelo horário, fica claro que a ação não partiu da população”, disse o comandante-geral da Polícia Militar, coronel Alexandre Ramalho.

Os responsáveis podem responder por outros três crimes, divulgados na edição de ontem de A Tribuna: constranger alguém mediante violência; participar de abandono coletivo de trabalho; e participar de suspensão coletiva de trabalho, provocando a interrupção de serviço de interesse coletivo — caso do transporte.

Somadas, as penas podem chegar a quatro anos de prisão e multa. A investigação será conduzida pela Polícia Federal por causa do tipo do crime.

Segundo o Ministério Público Federal no Espírito Santo (MPF-ES), que fez o pedido de investigação, compete à Justiça Federal processar e julgar crimes contra a organização do trabalho. O prazo para conclusão das investigações é de 90 dias.

O presidente do Sindicato dos em Rodoviários (Sindirodoviários), José Carlos Sales, negou que as depredações tenham acontecido a mando dos diretores sindicais. “Apoiamos qualquer tipo de investigação da polícia. É preciso identificar quem fez isso”, afirmou Sales.


Olá, !

Esse é o seu primeiro acesso por aqui, então recomendamos que você altere o seu nome de usuário e senha, para sua maior segurança.



Manter dados