Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

Mitos e verdades sobre pulgas e carrapatos
AT em Família

Mitos e verdades sobre pulgas e carrapatos

 (Foto: Getty)
(Foto: Getty)

Por Luciana Pimentel

A infestação de pulgas e carrapatos é uma preocupação comum dos tutores de pets. Pesquisas mostram que, em tempos mais frios, 5,4% dos cães e 8% dos gatos têm sinais de infestação por ectoparasitas, números que sobem nas estações mais quentes: 27% dos cães e 35% dos gatos.
O AT em Família convidou especialistas para comentarem mitos e verdades sobre pulgas e carrapatos e descobriu que, sim, um animal que está com carrapato pode contaminar a casa inteira.

Especialista em dermatologia de animais de companhia, a médica veterinária Ludmila Amorim de Oliveira explicou que animais como pombos, por exemplo, podem transmitir carrapatos em áreas urbanas. E se engana quem pensa que esse parasita vive só na grama: ele também vive bem nas frestas.

“Cada tipo de ectoparasita tem sua importância no quesito perigoso. Carrapatos preocupam bastante pela 'doença do carrapato' – as três mais comuns são Erlichiose, Babesiose e Anaplasmose – e as pulgas podem causar desde alterações alérgicas na pele como também infestação por vermes intestinais”, lembrou a especialista.

E é mito achar que só é preciso se preocupar com isso quando o pet já está infectado. “É preciso fazer a prevenção e, se o animal estiver infectado, precisamos cuidar do ambiente também. Carrapatos podem viver em jejum no ambiente por um pouco mais de um ano, então é importante realizar a dedetização principalmente nos locais preferidos deles, como frestas e buracos pequenos”, ensinou Ludmila Amorim de Oliveira.

O médico veterinário José Renato da Silva lembrou ainda que o primeiro sinal de infestação de pulga é a coceira. “Perda de pelos, feridas pelo corpo do pet e estresse também são indicativos. Um outro sinal importante são ovinhos espalhados pelo animal. Eles são bolinhas pretas que se parecem com uma poeirinha”, salientou.

O especialista lembrou ainda que é verdade o fato de que as pulgas podem saltar até 200 vezes o tamanho do seu corpo, dificultando muitas vezes a sua captura. Eta bichinho esperto!

Fique por dentro!

Carrapatos promovem infestação em residências.
Verdade. Mas isso só acontece com a espécie Rhipicephalus sanguineus, mais conhecida como carrapato marrom de cães, única adaptada a viver e a se reproduzir em ambientes internos e residenciais. O problema é que ela é a mais comum no Brasil.

Carrapatos são perigosos.
Verdade. Os marrons, comuns no Brasil, podem transmitir doenças como a babesiose e a erliquiose, que em alguns casos são fatais. No Brasil existe também o Amblyomma cajennense, carrapato de cavalos, que transmite a febre maculosa, uma doença grave para pets e humanos.

Pulgas se reproduzem com muita rapidez.
Verdade. As fêmeas começam a depositar ovos entre 24 e 36 horas após começarem a se alimentar de sangue e podem depositar cerca de 2 mil deles. Assim, o volume de parasitas só cresce e, por isso, é importante matar as pulgas antes que depositem ovos.

Só devemos nos preocupar com carrapatos quando os vemos.
Mito. Além de muitas vezes ser difícil visualizá-los quando em pouca quantidade, é muito importante a prevenção! Evitá-los impede o incômodo que eles causam.

Pulgas são facilmente percebidas.
Mito. O inseto é tão pequeno que 8 pulgas enfileiradas somam apenas 2,5 cm. Assim, quando em pequena quantidade, podem ficar "escondidas" entre os pelos e, muitas vezes, o que se vê são pequenos pontinhos pretos, as fezes das pulgas.

Fonte: Especialistas consultados.


Olá, !

Esse é o seu primeiro acesso por aqui, então recomendamos que você altere o seu nome de usuário e senha, para sua maior segurança.



Manter dados