search
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

Ministério Público denuncia quatro pessoas por racismo contra Maju Coutinho

Entretenimento

Famosos

Ministério Público denuncia quatro pessoas por racismo contra Maju Coutinho


Ataques contra Maju na web aconteceram em julho do ano passado. Foto: TV Globo/ Divulgação
Ataques contra Maju na web aconteceram em julho do ano passado. Foto: TV Globo/ Divulgação
Ataques contra Maju na web aconteceram em julho do ano passado. Foto: TV Globo/ Divulgação

O Ministério Público de São Paulo denunciou quatro pessoas por divulgar ofensas racistas na internet contra a jornalista Maria Júlia Coutinho (Maju), da TV Globo, em julho do ano passado. Os acusados podem responder pelos crimes de racismo, falsidade ideológica, injúria, associação criminosa na internet e corrupção de menores. As penas podem chegar a 20 anos de prisão.

De acordo com os promotores, Érico Monteiro dos Santos, de 27 anos, era o chefe do grupo. Ele confirmou à polícia que administrava páginas que promoviam ofensas a determinados grupos na internet, mas negou ter atuado no caso em que Maria Júlia sofreu ataques racistas.

Ainda segundo o MP, Érico combinou os dias e horários das ofensas que seriam divulgadas pela internet contra a jornalista com Rogério Wagner Sales e Kaique Batista. Eles tiveram a ajuda do profissional de informática Luis Carlos de Araújo. Quatro menores de idade teriam participado da divulgação das mensagens contra a jornalista, o que está sendo investigado.

Para chegar aos nomes dos quatro acusados, os promotores cruzaram informações obtidas nas redes sociais em que os comentários racistas foram feitos, com celulares e computadores apreendidos ao longo das investigações.

Em dezembro, quando foi levado para depor no MP, Érico disse que o objetivo do grupo era ficar famoso. Segundo o acusado, “acharam uma maneira de propagar a fama mais fácil fazendo ataque de racismo”. Érico também disse, naquela oportunidade, que os ataques miravam pessoas famosas para ganhar destaque nas redes sociais.


Olá, !

Esse é o seu primeiro acesso por aqui, então recomendamos que você altere o seu nome de usuário e senha, para sua maior segurança.



Manter dados