search
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

Minhas impressões: Copa América
Gilmar Ferreira
Gilmar Ferreira

Gilmar Ferreira


Minhas impressões: Copa América

A conquista da Copa América devolve um pouco da autoestima e tira um sobrepeso das costas do novo presidente da CBF, Rogério Caboclo. Mas a dúvida agora é saber se a Seleção seguirá nas mãos de Tite ou se aproveitará o marco para iniciar um novo ciclo. Apesar do bom retrospecto, existe certo desgaste na imagem do treinador, que tem proposta milionária para duas temporadas no futebol chinês.

O próprio Tite sabe disso, mas está em bola dividida: o coração quer ficar, mas a cabeça quer sair.

Nível

O futebol que a Seleção joga hoje ainda está abaixo do nível apresentado pelas grandes forças europeias.

Mas melhorou em comparação ao estágio em que se encontrava quando Tite fez o primeiro jogo, em setembro de 2016.

Mesmo assim, no inconsciente coletivo brasileiro, as atuações do time numa Copa América de nível técnico ruim deixaram a impressão de que, para avançar, é necessária uma nova troca no comando.
O problema é que não existe um nome de consenso como era o de Tite há três anos.

Troca de treinador

E este é justamente o ponto que exige de todos um pouco mais de reflexão e equilíbrio.

Antes e depois da vitória sobre o Peru, que valeu o título da Copa América, vi e ouvi gente no Maracanã “defendendo” a troca, por dois motivos: primeiro, pelo jeito empolado das falas de Tite nas entrevistas. O outro, pelo jogo pragmático que impõe ao time em busca de um resultado que fortaleça o seu trabalho.

A fala rebuscada não me afeta. E se o pragmatismo trouxer mais eficiência e vier acompanhado de vitórias, não me incomoda.

Futebol sul-americano

O futebol solidário e competitivo que o Peru vem mostrando em torneios e eliminatórias da Copa do Mundo está mais relacionado aos cinco anos de Ricardo Gareca à frente do time do que à qualidade dos jogadores.

Assim como os 13 anos que marcam a recuperação do prestígio da seleção uruguaia diante das principais forças do continente.

Em contrapartida, vejo uma Argentina perdida, com a imagem de sua seleção cada vez mais arranhada, justo por não ter uma sequência de trabalho, com filosofia e conceito.

Trabalho da Seleção

Não acho que o trabalho de Tite seja um primor, imune à críticas. Pelo contrário: acho necessária a montagem de nova estrutura na comissão técnica, menos afetada pela “europeização” do futebol brasileiro e mais voltada para o que se produz no País.

Mas vejo que o melhor para a Seleção Brasileira, no momento, é a permanência do treinador, com ajustes sobre o que vem sendo feito. Começar do zero soaria mais como passo atrás do que como salto à frente.

Conteúdo exclusivo para assinantes!

Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

Matérias exclusivas, infográficos, colunas especiais e muito mais, produzido especialmente pra quem é assinante.

Apenas R$ 9,90/mês
Assinar agora
esqueceu a senha?

últimas dessa coluna


Exclusivo
Gilmar Ferreira

O novo normal

Depois da euforia, a depressão. O maciço engajamento na luta pelo direito de transmissão dos jogos do time no Carioca, deu a torcida do Flamengo a impressão de que a vida no reino encantado da …


Exclusivo
Gilmar Ferreira

Cristal partido...

O triste imbróglio envolvendo as transmissões dos jogos do Campeonato Carioca chamuscou um pouco mais a imagem da Federação de Futebol do Rio (Ferj) presidida por Rubens Lopes. Porque, a rigor, a …


Exclusivo
Gilmar Ferreira

Copa Rubão

Há poucos dias optei por deixar os exercícios no deserto do playground do edifício em que vivo, a um quilômetro do Maracanã, para arriscar uma caminhada mais forte ao redor do estádio. Foram três, em …


Exclusivo
Gilmar Ferreira

Minhas impressões

O Rio registrou mais mortes pela Covid-19 no domingo, chegando à marca de 9.819 óbitos (6.393 só na capital!), com 111.298 casos notificados no Estado. Mas a bola rolou assim mesmo para os outros …


Exclusivo
Gilmar Ferreira

Bravo, Autuori!

Pensei em selecionar alguns trechos da entrevista que o companheiro Thales Machado fez com o técnico Paulo Autuori para ilustrar esta coluna que escrevo em homenagem ao técnico do Botafogo. Mas foi …


Exclusivo
Gilmar Ferreira

A mística do Fla-Flu...

Tenho lá minhas dúvidas sobre o nível de preparação dos times de Botafogo e Fluminense para competir com excelência depois de cerca de 100 dias de afastamento do campo e bola. Mais ainda fazendo …


Exclusivo
Gilmar Ferreira

Fora da pauta...

A medida liminar concedida ontem pelo Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD) desfaz o imbróglio entre clubes e federação e destrava, temporariamente, a disputa da Taça Rio - segundo turno do …


Exclusivo
Gilmar Ferreira

O fiel da balança...

É simplesmente inacreditável a vocação dos dirigentes dos clubes cariocas para estragar uma competição que, nos dias de hoje, a rigor, tem apenas duas serventias: ganhar o bom dinheiro que é pago …


Exclusivo
Gilmar Ferreira

Gol de Maricá...

A Medida Provisória (MP) publicada pelo presidente Jair Bolsonaro, liberando para o “clube mandante” o direito de transmissão de seus jogos, foi comemorada nos bastidores do Flamengo como um gol de …


Exclusivo
Gilmar Ferreira

Maracanã, meu velho...

Tenho saudades do Maracanã da minha infância. Do “gigante de concreto”, do iogurte da CCPL, do cachorro-quente da Geneal, das rampas de acesso lado a lado com a torcida adversária — sem brigas. Tenho …


Olá, !

Esse é o seu primeiro acesso por aqui, então recomendamos que você altere o seu nome de usuário e senha, para sua maior segurança.



Manter dados