search
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

Manifestantes ignoram toque de recolher e vão às ruas na Turquia

Notícias

Internacional

Manifestantes ignoram toque de recolher e vão às ruas na Turquia


Manifestantes ignoram lei marcial e vão às ruas na Turquia. Foto: Reprodução/ Internet
Manifestantes ignoram lei marcial e vão às ruas na Turquia. Foto: Reprodução/ Internet
Manifestantes ignoram lei marcial e vão às ruas na Turquia. Foto: Reprodução/ Internet

Os militares que tomaram o poder na Turquia declararam lei marcial e instauraram toque de recolher no país. No entanto, centenas de manifestantes contra e a favor o presidente Recep Tayyip Erdogan foram às ruas em várias cidades.

A agência estatal Anadolu informou que 17 policiais foram mortos no quartel-general das forças especiais em Ancara. Um fotógrafo da agência France Presse relatou que várias pessoas ficaram feridas após soldados dispararem contra uma multidão nas ruas de Istambul.

Na prática, a lei marcial suspende as liberdades fundamentais das pessoas, veta manifestações, censura opiniões e restringe o direito de ir e vir.

O Exército da Turquia anunciou que será preparada uma nova Constituição assim que o golpe de Estado no país for concluído. O anúncio é feito depois que os militares fecharam acessos à capital Ancara e a Istambul, interromperam o tráfego aéreo nas duas cidades e tomaram o controle de prédios do governo e dos meios de comunicação estatais.

Em comunicado lido por um âncora da TV estatal, o grupo autointitulado Conselho de Paz no País afirmou que agiram devido "ao crescimento do terrorismo e do regime autocrático", em referência a Erdogan, há 13 anos no poder.

O conselho militar disse que fará um "julgamento justo daqueles que traíram o país", sobre as autoridades ligadas ao atual presidente.

Apelo

O presidente da Turquia disse para o povo turco resistir ao golpe militar. "Sou ainda o presidente da Turquia e comandante-em-chefe: resistam ao golpe de Estado nas ruas e nos aeroportos", disse.

Erdogan acusou o movimento Gülen, liderado pelo pregador Fethullah Gülen, de ser o responsável pelo golpe. Segundo fontes militares dos Estados Unidos, ele estaria em um avião com destino à Alemanha.


Olá, !

Esse é o seu primeiro acesso por aqui, então recomendamos que você altere o seu nome de usuário e senha, para sua maior segurança.



Manter dados