Micoses deixam as unhas feias

Não é nada satisfatório ter as unhas carcomidas por micoses. Certamente elas irão estragar o orgulho e danificar a vaidade.
Onicomicose é o nome dado a uma infeção fungicida que ataca as unhas, tornando-as amareladas e escurecidas.

As infecções são geralmente causadas por um fungo que pertence a um grupo denominado dermatófitos, que também pode causar infecções na pele, como no caso da frieira, conhecida como pé de atleta.
Outro grupo de fungos que costuma provocar micose de unha são as leveduras. Em geral, elas provocam onicomicose nas mãos e os dermatófitos geram onicomicose nas unhas dos pés.

As unhas dos pés são mais afetadas que as das mãos, pois oferecem um ambiente propício ao desenvolvimento dos fungos. Além disso, a queratina, material de que a unha é composta, alimento dos fungos, é mais abundante nas unhas dos pés que nas unhas das mãos.

Os pés costumam estar expostos a locais úmidos, não só quando se anda descalço em lugares públicos, mas também pelo suor produzido pelas meias e pelos calçados. Calor, ausência de luz e umidade, é tudo que um fungo deseja para se proliferar.

Além disso, os dedos dos pés estão no ponto do corpo mais distante do coração, não sendo tão bem vascularizados como os dedos das mãos. Deste modo, os anticorpos e as células de defesa do organismo não chegam às unhas dos pés com tanta facilidade quanto a outros pontos do organismo.

Os fungos que causam micose são contraídos do solo, de animais ou de outras pessoas, por meio de instrumentos contaminados de cortar e embelezar as unhas, como, por exemplo, alicates e tesouras. Pessoas com imunodeficiências, diabetes mellitus e psoríase apresentam maior predisposição para contrair micoses.

O contato com o fungo por si só não costuma ser suficiente para se adquirir onicomicose. Geralmente é preciso haver pequenas lesões para que ele consiga penetrar por baixo da unha e se alojar.

As onicomicoses apresentam vários sinais e sintomas nas unhas, como espessamento, descolamento, presença de manchas brancas, deformação e endurecimento, todos levando à destruição ungueal. A doença é frequente na fase adulta, sendo rara em crianças.

O diagnóstico pode ser feito pelo exame direto do fungo, por meio de raspagem da unha e cultura deste raspado em meios apropriados. A biópsia pode demonstrar se o fungo é realmente invasivo ou apenas comensal.

Atualmente existem fármacos que tornam a terapêutica mais fácil, em comparação ao que era considerado incurável antigamente.
O tratamento das micoses de unha depende da extensão das lesões. Geralmente são utilizados medicamentos de uso local, sob a forma de cremes, soluções ou esmaltes.

Somente em situações mais sérias o tratamento por via oral é prescrito. A melhora pode demorar vários meses, porque depende do crescimento e substituição do tecido ungueal, o que acontece muito lentamente.
O tratamento deve ser mantido durante todo este tempo, e a boa higiene das unhas é fundamental durante todo o processo.

Se não tratadas, as micoses constituem uma porta de entrada para múltiplos germes, podendo gerar infecções graves.

A profilaxia depende de alguns cuidados, como manter os hábitos de higiene rigorosos nas mãos e nos pés, evitar andar descalço sobre pisos molhados, não mexer com terra sem calçar luvas, utilizar sempre o próprio material de manicure, procurar usar calçados largos e bem ventilados, optando sempre por meias de algodão.

Onicomicose preocupa menos como problema de saúde e mais como questão estética. Diante dela, lembramos que ninguém é tão bonito quanto sua foto no Facebook e nem tão feio quanto sua foto na carteira de identidade.


últimas dessa coluna


“Abracadabra, que a doença seja debelada”

Escutar, examinar, solicitar exames, diagnosticar, explicar e tratar. Eu exerço esses ofícios há 40 anos. Procuro caprichar na informação, pois comunicação não é o que se fala, mas o que o outro …


Nem sempre dominamos o nosso corpo

Quando criança, eu costumava prestar atenção em minha respiração. O resultado era sempre uma sensação de cansaço, causado pelo trabalho dos músculos acostumados a respirar por conta própria. O …


O tempo nem sempre é um aliado

Um indivíduo apaixonado clama pela permanência do tempo. Uma pessoa deprimida suplica pela passagem do tempo. Dentro da medicina, o tempo é usado para curar, como acontece, por exemplo, durante um …


A dor que não pertence ao corpo

“A dor do outro é sempre menor que a nossa”. Nem sempre isso é verdade. Existe dor que não mais nos pertence, mas ainda nos aflige. Ela costuma residir num membro fantasma. Quando removido ou …


Álcool não aduba felicidade

Após atravessar o aparelho digestivo e cair na corrente sanguínea, o álcool atinge o cérebro. Ao transformar o córtex cerebral em salão de festa, ele deixa o bebedor desinibido e falante. Sentindo-se …


Suicídio: coragem ou covardia?

Em algum momento na vida, todos já flertamos com a morte. Se não desejamos nos matar, ao menos cogitamos morrer para escapar do sofrimento, para chamar a atenção ou para entrar na história. O ser …


É preciso atenção com as ínguas

Íngua é o aumento dos gânglios linfáticos, aparecendo como consequência de alguma inflamação na região acometida, podendo ou não vir acompanhada de dor. Quando expostos a bactérias ou vírus, a …


Os efeitos colaterais da paixão

Amo mais que a ti, ao meu amor por ti”, diz o poeta. Não seria esta declaração de amor, na verdade, uma confissão de paixão? Estar apaixonado é adoecer por alguém. Apesar da inebriante sensação …


O ninho da alma

Quando eu era acadêmico de Medicina, durante uma aula de Anatomia, segurando um cérebro na mão, meu professor perguntou se alguém sabia onde ficava a casa da alma. Como ninguém respondeu, ele …


Hérnia hiatal nem sempre é doença

O diafragma é um músculo responsável pela respiração humana. Ele está localizado na transição do tórax com o abdômen, separando essas duas cavidades corporais. Nessa estrutura muscular existe um …