Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

Mercantilização do ensino e trabalho docente
Tribuna Livre

Mercantilização do ensino e trabalho docente

Este é um momento propício para se abordar a expansão desordenada do ensino superior privado brasileiro e suas implicações nas políticas curriculares, bem como no cotidiano do trabalho docente.

Mostra-se pertinente a discussão sobre o financiamento da educação superior, um tema bastante atual e que remonta ao final da década de 1980.

À época, defendia-se o que hoje se propõe como nova política pública – inclusive no polêmico programa “Future-se”, recentemente anunciado pelo Ministério da Educação (MEC).

Nesse programa, está contido, assim como esteve no passado, o autofinaciamento da educação superior, considerado sob a ótica preferencialmente privada, com o Estado na mera condição de supervisor da estrutura educacional. A promoção da mercantilização do ensino superior cresceu significativamente ao longo dos anos, segundo autores especializados, oscilando entre a privatização parcial e a total. Nesse contexto, verifica-se impressionante expansão das Instituições de Ensino Superior (IES) privadas e com fins lucrativos, que ofertam vagas com financiamento público em diferentes cursos de graduação.

Assim, a partir da análise do Relatório do Sindicato das Mantenedoras de Ensino Superior (Semesp) – 2010-2015, constata-se um período de “bonança”. A consequência dessa expansão fica evidenciada na criação de cursos em descompasso com as necessidades e demandas reais de diferentes regiões do país, com a oferta de vagas anuais em excesso, salas de aula lotadas, alta empregabilidade para docentes e, ao mesmo tempo, baixos salários, formação profissional aligeirada e criação de inúmeros cursos na modalidade a distância.

Do ponto de vista do cotidiano da sala de aula, evidencia-se a regulamentação e o controle das avaliações; o padrão de provas com questões prontas (banco de questões) aplicadas aos estudantes; o treinamento para o Exame Nacional de Desempenho dos Estudantes (Enade); a premiação ao docente que eleva o “nível” de aprendizagem; as metodologias escolhidas pelas IES e utilizadas pelos professores; e a unificação de diferentes turmas em apenas uma para maximizar a oferta semestral com redução do quantitativo de docentes, uma estratégia de mutilação do currículo e da formação profissional.

Um primeiro olhar de observadores alheios ao magistério avaliaria tais ações como facilitadoras do trabalho docente. No entanto, a interpretação mais apurada e consciente do papel do professor no ensino e na aprendizagem revela que se trata de ações que reduzem o ensino a um trabalho simples, acessível à instrumentalização e à utilização de pessoas para a aplicação de conteúdo, metodologias e avaliações. Esse modo como as IES de natureza privada mercantil lidam com a oferta de vagas na graduação desconsidera a docência como trabalho, bem como as suas complexidades.

O trabalho docente decorre de múltiplos saberes que se relacionam com o contexto da prática pedagógica, com a dimensão relacional e coletiva das situações de trabalho e dos processos de formação, com a ambiência da aprendizagem, com o contexto sócio-histórico dos alunos, com o planejamento das atividades, com a condução das aulas nas suas múltiplas possibilidades e com a avaliação da aprendizagem. Assim, percebe-se que esse modelo de ensino superior de viés mercantilista e seus formatos padronizados apresentados há décadas como novidade, definitivamente já não atendem mais aos educadores e, tampouco, à sociedade.

Zenólia Christina Campos Figueiredo é professora do Centro de Educação Física e Desportos da Ufes e doutora em Educação.

Conteúdo exclusivo para assinantes!

Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

Matérias exclusivas, infográficos, colunas especiais e muito mais, produzido especialmente pra quem é assinante.

Apenas R$ 9,90/mês
Assinar agora
esqueceu a senha?

últimas dessa coluna


Exclusivo
Tribuna Livre

Mais proteção a vítimas de violência doméstica

Como é possível imaginar um futuro promissor para um país onde as mulheres são, dia a dia, fragilizadas pela violência? Como construir uma estrutura forte, com alicerces abalados? O Brasil é o quinto …


Exclusivo
Tribuna Livre

A tecnologia é capaz de unir as famílias?

A geração dos nativos digitais já vem com o know how tecnológico como item de fábrica. Muitos estudos indicam que até a agilidade que as crianças de hoje possuem nos dedos é maior do que nós jamais …


Exclusivo
Tribuna Livre

A eficiência policial através dos números

Muito se discute, quase sempre de maneira extremamente superficial, a eficiência das forças públicas de segurança em nosso País. O debate traz a reboque questões de formação, qualificação e desvios …


Exclusivo
Tribuna Livre

O professor, o seu papel e as mudanças nos dias atuais

A docência é mais que uma profissão, é uma vocação: é um sacerdócio. O profissional da educação sabe que sua missão vai além de “educar a criança no caminho em que deve andar...”, mas de contribuir …


Exclusivo
Tribuna Livre

Elogio é uma carícia que se faz na alma

Elogie uma pessoa com absoluta sinceridade e perceba o que acontece diante de você. Imediatamente ela muda o ritmo da respiração e solta um sorriso, acompanhado de um leve suspiro. Esse é um claro …


Exclusivo
Tribuna Livre

Considerações sobre a Lava a Jato

Ultimamente temos presenciado um Brasil marcado por uma radical polarização. As duas últimas eleições presidenciais serviram para acirrar ainda mais a divisão do país, deixando clara a existência de …


Exclusivo
Tribuna Livre

Partidos políticos: máquinas de triturar mulheres

Nas eleições presidenciais do ano passado. Dentre 13 candidatos, havia apenas uma mulher na disputa direta pela Presidência da Republica, a ex-deputada federal Marina Silva (Rede), que saiu da …


Exclusivo
Tribuna Livre

Uma lei para conter abusos

Será que realmente é necessário existir um dispositivo legal obrigando o servidor público a atender um cidadão? Ora, não é o servidor público um trabalhador cuja a sua existência e função principal …


Exclusivo
Tribuna Livre

O novo papel da escola no universo dos nativos digitais

Vivemos o boom da evolução tecnológica. Possibilidades se apresentam e novos caminhos são trilhados. As facilidades se mostram e se conectam em apenas um clique, principalmente nos últimos 20 anos. …


Exclusivo
Tribuna Livre

Universidade 2020 e a batuta feminina

Prezados leitores, lembro-me que na infância ajudando meu pai em sua mercearia, um dos frequentadores do vício da bebida teve um ataque cardíaco fulminante. Dias depois apareceu no estabelecimento a …


Olá, !

Esse é o seu primeiro acesso por aqui, então recomendamos que você altere o seu nome de usuário e senha, para sua maior segurança.



Manter dados