Manhãs engarrafadas em Camburi

Imagem mostra massa de automóveis com faróis acessos vindo da região de Jardim Camburi no sentido centro de Vitória às 6 da manhã. Foto de leitor
Imagem mostra massa de automóveis com faróis acessos vindo da região de Jardim Camburi no sentido centro de Vitória às 6 da manhã. Foto de leitor

Até os peixes que restam na praia de Camburi já sabem do rush matinal na avenida Dante Michelini, sentido Zona Norte-Centro. Se tudo correr bem, o congestionamento vai “só” até a altura do Banco do Brasil, em Jardim da Penha, onde um carro-forte bate ponto para obstruir uma das faixas da avenida.

Quando a situação está um pouco pior, o motorista segue sofrendo até a ponte de Camburi e dali em diante em marcha lenta Avenida dos Navegantes afora. Para distrair a paisagem, funcionários de verde fazendo a poda nos canteiros, cercando com cones uma das faixas da avenida.

A novidade nessa semana foi um ônibus quebrado, também obstruindo uma das faixas da Dante Michelini, na altura de Jardim da Penha. Nada de rebocar o veículo: a lenta manutenção foi feita ali mesmo.

A gente percebe que o automóvel está sendo paulatinamente rebaixado a uma categoria similar à dos fumantes, com cada vez menos prestígio e relegado a guetos. Mas a engenhoca ainda tem lá sua utilidade e leva um bocado de gente. Enquanto o sistema de transporte coletivo não se mostra capaz de atender a todo mundo, seria bom um conjunto de medidas para dar fluidez ao tráfego na região.

Não custa lembrar que com o reaquecimento da economia, mais automóveis de prestadores de serviço e pequenas empresas vão voltar às ruas. O drama tende a aumentar.