Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

Maçã envenenada
Painel da Folha de São Paulo

Maçã envenenada

Soou como tiro de alerta entre procuradores e juízes o telefonema, revelado pela Folha, nesta segunda (7), em que Marco Aurélio Canal, um dos auditores da Receita presos pela Lava Jato do Rio, disse ter distribuído cópias de processos atrelados à operação a interlocutores.

Investigadores familiarizados com o caso lembram que, quando a conversa chegou a eles, ainda durante a apuração, ela foi interpretada como tentativa de intimidação. Encarcerando-o, a força-tarefa dobrou a aposta.

Sob encomenda - O grupo de Canal desconfiava de que era alvo de monitoramento, como mostrou O Globo. Esse fato reforça a suspeita dos procuradores de que, ao dizer em um telefonema que havia copiado informações sensíveis, o auditor queria, na verdade, avisar que tinha munição contra gente importante.

Mensagem para você - Canal falou sobre o tema ao telefone com um ex-cunhado, que é juiz. Ao fazer isso, o auditor facilitou a captação da conversa pelos investigadores.

Barril de pólvora - Integrantes de cortes superiores também interpretaram como ameaça a conversa publicada pela Folha. A percepção de alguns é a de que a prisão de Canal pode deflagrar "uma guerra de facções" entre órgãos de fiscalização.

Prova real - Para os procuradores, nada muda. A Lava Jato do Rio faz questão de isolar o trabalho de Canal, que não integrava o eixo das apurações. Além disso, o telefonema evidencia, dizem os investigadores, que o auditor usava o posto para achacar autoridades.

Meio a meio - Agentes e delegados da PF se dividem sobre a atuação do ministro Sergio Moro (Justiça), que saiu em defesa de Jair Bolsonaro, após a Folha revelar que um depoimento e uma planilha obtidos pela corporação vincularam a campanha do presidente ao laranjal do PSL mineiro.

Não é para tanto - As duas categorias concordam que Moro cruzou uma linha ao indicar que teve acesso a investigações sigilosas. Mas os agentes relativizam. Afirmam que há tentativa de criar tensão na gestão Bolsonaro, e que o ministro tenta apenas minimizar a pressão sobre o presidente.

Passo em falso - Já delegados dizem que o ex-juiz colocou a PF numa situação horrível ao sugerir que conhece inquéritos sigilosos e ainda fazer juízo de valor sobre os dados antes de a apuração ser concluída.

Devagar com o andor - O Tribunal de Contas da União acatou representação para apurar queixa contra a composição do Conselho de Administração do Banco do Brasil. A indicação de quatro integrantes foi questionada em denúncia sigilosa enviada à corte.

Lá e cá - A reclamação questiona a indicação de nomes que, recentemente, ocupavam postos em instituições concorrentes do BB, indicando possível conflito de interesses.

Com lupa - A área técnica do TCU entendeu que havia motivos para apurar e solicitou diligências sobre o procedimento à Comissão de Valores Mobiliários e ao próprio banco. O ministro Bruno Dantas autorizou as inspeções.

Lança-chamas - A temperatura subiu nos grupos de WhatsApp de funcionários do BNDES, após divergência sobre a venda de ações do BB em posse do banco se tornar pública. Texto da associação de servidores criticou a destituição de colegas e acusou a atual administração de tentar beneficiar instituições privadas.

Pedra sobre pedra - Comentário atribuído ao diretor de investimentos, André Laloni, rebateu que está sendo feita uma "faxina", com o afastamento de executivos que "fizeram as piores operações da história do BNDES", como as que envolveram a JBS nos anos do PT. Diz ainda que a associação é ligada ao PSOL e pretende acobertar "lambanças".

Retrovisor - Sob Michel Temer (MDB), o BNDES concluiu que teve lucro com o frigorífico. A assessoria do banco não confirmou nem negou que Laloni tenha escrito a mensagem. Sem pressa"Líderes do centrão começam a dizer que o pacote anticrime de Moro deve ser votado só no ano que vem.

Tempo ao tempo - O texto da reforma administrativa que vai promover mudanças no funcionalismo deve ficar pronto no fim da próxima semana.

TIROTEIO

"Um governo cada vez menos diferente dos que criticava. Confunde o público com o privado e adota prática de ética seletiva."

Do deputado Marcelo Ramos (PR-AM), sobre a carona em avião da FAB que Onyx Lorenzoni (Casa Civil) deu ao pastor de sua igreja.

Conteúdo exclusivo para assinantes!

Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

Matérias exclusivas, infográficos, colunas especiais e muito mais, produzido especialmente pra quem é assinante.

Apenas R$ 9,90/mês
Assinar agora
esqueceu a senha?

últimas dessa coluna


Exclusivo
Painel da Folha de São Paulo

Problema tem família grande

Ao implodir o PSL, Jair Bolsonaro praticamente sepultou as chances de migrar para uma legenda de grande ou médio porte. Dirigentes de partidos de centro-direita dizem ser "muito difícil" encontrar …


Exclusivo
Painel da Folha de São Paulo

À mulher de César

Além de dar ares de crise incontornável ao impasse entre Jair Bolsonaro e seu partido, a batida da Polícia Federal que atingiu o presidente do PSL, Luciano Bivar (PE), ampliou a desconfiança entre o …


Exclusivo
Painel da Folha de São Paulo

O teto é o limite

A ofensiva de deputados para debater proposta de emenda constitucional que autorize prisão após segunda instância nesta terça (15), dois dias antes de julgamento no STF, foi vista com ceticismo por …


Exclusivo
Painel da Folha de São Paulo

Engata a primeira

Apontado como meta logo no início da gestão de Dias Toffoli na presidência do Supremo, o projeto de acelerar a solução de impasses judiciais que travam obras em todo o país entra agora em fase …


Exclusivo
Painel da Folha de São Paulo

Bate e volta

Sob ofensiva de Jair Bolsonaro, o PSL decidiu se armar. Dirigentes dizem que a sigla já está cotando, por conta própria, empresas que possam analisar suas contas – o presidente cobra auditoria de …


Exclusivo
Painel da Folha de São Paulo

Tela em branco

Integrantes da equipe econômica sugeriram incluir na reforma administrativa um dispositivo que proíba servidores públicos de terem filiação político-partidária. A vedação foi alvo de debates, na …


Exclusivo
Painel da Folha de São Paulo

Pediu? Agora aguenta

O fragilíssimo equilíbrio do PSL implodiu com os últimos atos de Jair Bolsonaro. Deputados que manifestaram intenção de deixar a sigla ou que a atacaram publicamente, acompanhando o presidente, serão …


Exclusivo
Painel da Folha de São Paulo

Soneto de separação

A cúpula do PSL não assiste inerte à movimentação de Jair Bolsonaro e de um grupo de deputados para se distanciar do partido. Ao contrário. A direção da sigla traça, há semanas, cenários para …


Exclusivo
Painel da Folha de São Paulo

Cai o véu

Para além do impacto da revelação, na Folha, de que a apuração sobre candidaturas laranjas no PSL de Minas levou a menções à campanha de Jair Bolsonaro, foi a reação de Sergio Moro (Justiça) à …


Exclusivo
Painel da Folha de São Paulo

Afasta de mim esse cale-se

A escalada das interferências do governo e de empresas públicas na produção cultural do País fez o grupo 342 Artes, que reúne artistas de diversas áreas, difundir entre seus participantes e colegas a …


Olá, !

Esse é o seu primeiro acesso por aqui, então recomendamos que você altere o seu nome de usuário e senha, para sua maior segurança.



Manter dados