search
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

Ligados
Martha Medeiros
Martha Medeiros

Martha Medeiros


Ligados

Lembro como sofri quando, uns cinco anos atrás, as lâmpadas incandescentes começaram a ser retiradas do mercado a fim de dar lugar às fluorescentes, mais compatíveis com o projeto de eficiência elétrica nacional. Naquela época, eu ainda não sabia que existiam lâmpadas fluorescentes que reproduziam a calidez das incandescentes. Imaginava que eram todas brancas e frias, luz para pessoas jurídicas, luz de sala cirúrgica, de cartório, de salão paroquial.

Eu não conseguia aceitar. As pessoas à minha volta rendiam-se fáceis a elas, citavam benefícios como economia e durabilidade, argumentavam que a troca era um importante movimento rumo à melhor qualidade de vida, mas eu, desumana, só pensava no meu vício em abajures, na minha fixação por aconchego, por uma atmosfera romântica e poética da qual eu não admitia abrir mão.

Tinha noção, claro, de que o assunto era banal, nenhuma catástrofe, mas, sendo dependente de iluminação indireta, eu fazia estoque das incandescentes, buscando-as avidamente como se fosse uma consumidora de drogas.

Alguém me avisava que havia um restinho delas sendo vendidas num armazém onde Judas perdeu as botas e eu me tocava pra lá, emocionada por conseguir evitar a abstinência por mais um tempo, até que parei de encontrá-las e me rendi as fluorescentes, sem supor que viria a ter com elas uma relação estável e amorosa como com qualquer outra lâmpada. Quando vivemos a dor de uma separação, não conseguimos enxergar o futuro.

Resgatei essa história boba sobre lâmpadas ao pensar no tema sustentabilidade, uma palavra que tem variadas aplicações, mas que ainda deixa muita gente confusa, sem saber como aderir. Não tem mistério: em vez de jogar uma garrafa pet no mar (ou deixá-la jogada na areia, o que dá no mesmo), coloque a garrafa no lixo.

Pra ficar perfeito: separe o lixo seco do orgânico, para que a garrafa possa ser reciclada. Troque o carro pela bicicleta ou pelo transporte público (de vez em quando, ao menos).

Não jogue cigarro aceso na mata (se não fumar, melhor ainda). Feche a torneira enquanto escova os dentes. Use as mesmas toalhas do hotel por dois ou três dias seguidos.

Apague a luz (fluorescente) quando sair do quarto. Assim, de pequeno gesto em pequeno gesto, a gente colabora pra manter o meio ambiente a salvo por mais alguns milhões de anos, e não só por mais algumas décadas. Vem gente atrás, lembra?

Pois é, temos que lembrar. A lâmpada é o símbolo da reflexão, do despertar, do eureka! Do manter-se ligado. Deve ser por isso que comecei a coluna contando aquela história de fluorescentes e incandescentes. E deve ser por isso também que agora não sei como acabar o texto. Talvez porque a ideia central seja mesmo essa: não acabarmos.
 

Conteúdo exclusivo para assinantes!

Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

Matérias exclusivas, infográficos, colunas especiais e muito mais, produzido especialmente pra quem é assinante.

Apenas R$ 9,90/mês
Assinar agora
esqueceu a senha?

últimas dessa coluna


Exclusivo
Martha Medeiros

In natura

Fique em casa, fique em casa. Alguém acha que isso não interfere na nossa respiração? Tem muita gente sentindo falta de ar sem ter sido contaminada pela Covid. Eu mesma, outro dia, acordei no meio da …


Exclusivo
Martha Medeiros

Inalterável gerúndio

Saudades do particípio. De quando uma etapa era vencida. Uma crise, superada. A coisa acontecida. Agora é esta estrada que não acaba, este mistério que se alonga. Tudo se arrastando como um rio no …


Exclusivo
Martha Medeiros

Obrigada aos meus dias ruins

Se mordomia fosse mais importante para mim do que liberdade, teria morado na casa dos meus pais até casar. Se depois de 17 anos de casados, eu e meu marido não tivéssemos reavaliado nossa escolha e …


Exclusivo
Martha Medeiros

Sublinhados

Eu não parava de elogiar o livro. Afirmei que havia sido uma de minhas leituras mais desconcertantes, que vários trechos haviam mexido demais comigo, e minha amiga ali, de boca aberta, testemunhando …


Exclusivo
Martha Medeiros

E se não passar?

Estamos há quase quatro meses mergulhados numa pandemia que mudou nossos hábitos, nos impôs restrições, nos distanciou fisicamente e nos colocou frente a frente com nossas fragilidades. Vai ficar por …


Exclusivo
Martha Medeiros

Live

Tecnologia não é meu forte. Além da inaptidão, tem muita preguiça envolvida. Nada sei sobre cabos, operadoras e filtros. Nem mesmo sei de onde vem e quem paga a internet aqui de casa (desconfio que …


Exclusivo
Martha Medeiros

Levemente pirados

Continuamos dentro de nossas casas, vivendo entre quatro paredes – espaço que costuma ser amplo para alguns afortunados, porém exíguo para a maioria dos brasileiros e suas novas rotinas. Os que …


Exclusivo
Martha Medeiros

Você não pode ter sempre o que quer

A quarentena surpreendeu a todos. Havíamos recém- entrado em março, quando 2020 começaria para valer, mas em vez de dar início ao cumprimento das resoluções de fim de ano, fomos condenados à prisão …


Exclusivo
Martha Medeiros

Em comum

Em comum O que você tem em comum com os indonésios que sobreviveram ao tsunami naquele trágico janeiro de 2004? O mesmo que eles têm com os capoeiristas da Bahia e também com a família do …


Exclusivo
Martha Medeiros

Vida em seu sentido original

Não há como não se sentir angustiado assistindo a Você não estava aqui, filme de Ken Loach, o mesmo diretor do multipremiado Eu, Daniel Blake, que tratava sobre o isolamento de idosos que não …


Olá, !

Esse é o seu primeiro acesso por aqui, então recomendamos que você altere o seu nome de usuário e senha, para sua maior segurança.



Manter dados