search
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

Lidando com gente esnobe
Claudia Matarazzo
Claudia Matarazzo

Claudia Matarazzo


Lidando com gente esnobe

Gente esnobe existe desde sempre e está por toda parte: em centros urbanos, subúrbios, no trabalho e na escola. Nos anos 1960, chamavam-se esnobes. Hoje, são simplesmente gente metida.

Na maior parte das vezes, você pode reconhecer essas pessoas pelo fato de pensarem que são melhores que toda a humanidade. Simples assim.

Os esnobes têm o poder de fazer com que a pessoa menos preparada sinta-se, subitamente, inferior ou fora de lugar.

Muitas vezes, eles podem estar cercados por pessoas, mas, acredite, têm menos amigos verdadeiros do que a maioria, uma vez que se preocupam mais consigo mesmos do que com os outros.

O que eles não sabem é que, independentemente de sua posição social ou status econômico, não há absolutamente nenhuma razão para serem esnobes. E menos motivos ainda para se sentirem melhores do que os outros. 

Afinal, uma das regras universais da etiqueta adequada é mostrar respeito pelo próximo e tratar a todos da mesma forma. E o esnobismo faz o oposto.

Como lidar com eles?

O ideal mesmo é evitar gente assim. Mas, muitas vezes, não dá, pois podem ocorrer algumas circunstâncias que, literalmente os joguem no seu colo. Aqui vão algumas dicas para administrar essa situação:

Ignore – Quando a pessoa fizer ou disser algo arrogante, ignore-o/a e continue com o que estiver fazendo. 

Eventualmente, ele/ela pode perceber que não está agradando, e para de se comportar mal e ser inconveniente, ou se afasta.

Evite certos tópicos – Eles adoram falar de dinheiro, marcas famosas, viagens carésimas e outros tópicos do universo que consideram luxuoso.

Se outra pessoa mencionar alguns desses assuntos, mude imediatamente para algo menos provável de estimular o esnobe em questão .

Advirta – Se tiver intimidade, experimente ligar para ele/a em particular, e informe que seu comportamento não é aceitável. Ou pelo menos naquela roda e/ou circunstância especial. 

Afinal, ele pode não perceber como está se comportando, e você pode acabar fazendo um favor. 

Não se surpreenda se ele/ela ficar na defensiva no início, de forma que, uma vez dado seu recado, recue e deixe a pessoa processar a informação.

Novo no grupo – Se uma pessoa metida estiver sendo agregada ao seu grupo de amigos e você percebe que está fazendo sucesso e “adeptos”, é difícil tanto aceitar quanto administrar.

Há quem se deslumbre no início com gente assim, e o resultado é que o grupo acaba se dividindo.
Testemunhei mais de um caso de esnobismo tóxico, e ele é realmente desagregador.

Por isso, se perceber esse tipo de movimento, procure abrir os olhos dos amigos mais íntimos do grupo.

Não no sentido de criar uma cisão ou escolha, mas apenas para que percebam melhor o novo elemento do grupo e, assim, também aprendam a lidar com ela de forma a neutralizar a metidez.

Por que todo esse papo de esnobismo e metidez? Porque tenho percebido uma escalada na violência das relações interpessoais. E não custa reforçar: qualquer pessoa com confiança e autoestima elevada pode sair de casa todas as manhãs sentindo-se confortável sabendo que nenhuma quantidade de esnobismo a tornará melhor do que outra pessoa. 

Assim, antes que os efeitos dessas pessoas o/a atinjam, lembre-se que, quando você é esnobado, o problema é muito mais delas – e nunca seu.

 

Conteúdo exclusivo para assinantes!

Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

Matérias exclusivas, infográficos, colunas especiais e muito mais, produzido especialmente pra quem é assinante.

Apenas R$ 9,90/mês
Assinar agora
esqueceu a senha?

últimas dessa coluna


Exclusivo
Claudia Matarazzo

Bons hábitos em extinção

Boas maneiras não crescem em árvores. E precisam ser aprendidas, de preferência na infância. Com o tempo, muita coisa se perde e hoje, com a pressa permeando todo o nosso comportamento, muitas …


Exclusivo
Claudia Matarazzo

Dicas para a entrevista de emprego

O conhecimento e a experiência têm, sim, um papel muito importante em qualquer entrevista de emprego. Mas, dos aspectos mais óbvios, há outros, não muito comuns, que podem influenciar o resultado. …


Exclusivo
Claudia Matarazzo

Como pedir desculpas

Final de ano é uma época de confraternização: de encontros, reencontros e, para muita gente, de acertos de mal-entendidos quando as pessoas pedem perdão e perdoam ofensas recebidas. Ou não. Sim, …


Exclusivo
Claudia Matarazzo

Como definir seu espaço pessoal

Você já se sentiu desconfortável quando alguém está perto demais? Algumas pessoas parecem não entender que colocar o rosto a centímetros do seu durante uma conversa pode fazer você se contorcer – e …


Exclusivo
Claudia Matarazzo

É melhor falar no próprio idioma

Não é de hoje que afirmo nosso complexo colonial: sempre valorizamos demais o que vem de fora sem questionar. Menosprezamos nossa identidade gastronômica, artesanal e cultural sem pensar muito, quase …


Exclusivo
Claudia Matarazzo

Como lidar com a humilhação pública

Não deveria acontecer, mas muita gente enfrenta a vergonha e até bullying em público uma vez ou outra – e hoje, com os ânimos acirrados, isso vem sendo muito mais frequente. O que fazer quando …


Exclusivo
Claudia Matarazzo

Como mudar um assunto, gentilmente

Estamos vivendo tempos em que todos se acham no direito de não apenas discordar agressivamente, como também falar sobre assuntos desagradáveis e/ou constrangedores em nome da “transparência” ou da …


Exclusivo
Claudia Matarazzo

O que não dizer no trabalho

Por mais que seus colegas de trabalho e supervisor possam parecer uma família, eles não são. De fato, compartilhar muita informação no ambiente de trabalho pode ser um “tiro no pé” na sua carreira. …


Exclusivo
Claudia Matarazzo

Marmita ou lanche: todo cuidado é pouco

As pessoas estão mais irritadas, emprego não está fácil e você não quer – e nem vai – arriscar sua imagem e a interação onde trabalha por más escolhas alimentares na hora de montar seu almoço, seja …


Exclusivo
Claudia Matarazzo

Como lidar com pessoas intrometidas

Todos nós  temos assuntos que não são da conta de ninguém. E todos nós já fomos vítimas de gente intrometida. Ok, todos nós, alguma vez, deslizamos e perguntamos o que não devíamos, mas, algumas …


Olá, !

Esse é o seu primeiro acesso por aqui, então recomendamos que você altere o seu nome de usuário e senha, para sua maior segurança.



Manter dados