Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

Justiça obriga mãe a entregar filha de 3 anos para o pai na Holanda

Notícias

Cidades

Justiça obriga mãe a entregar filha de 3 anos para o pai na Holanda


Justiça obriga mãe a entregar filha de 3 anos para pai alemão (Foto: Beto Morais/AT)
Justiça obriga mãe a entregar filha de 3 anos para pai alemão (Foto: Beto Morais/AT)

Depois de 10 anos fazendo tratamentos para engravidar e passar por uma gravidez de alto risco, a bacharel em Direito Ana Maria Lopes Monteiro, de 42 anos, relata que enfrentou na última segunda-feira (16) seu pior pesadelo: teve sua filha levada, de uma creche em Vitória, por policiais federais, após decisão judicial.

A Justiça Federal determinou que a menina, de 3 anos, fosse levada de volta para a Holanda, onde mora o pai, que é alemão e com quem Ana Maria foi casada por 16 anos. O ex-marido de Ana acompanhou a busca da menina e a levou para o Rio de Janeiro, sem que a bacharel pudesse se despedir da filha.

O drama de Ana, segundo ela conta, começou quando a filha tinha 1 ano e 5 meses, e o então marido, na época, pediu o divórcio. “Ele pediu o divórcio porque se apaixonou por uma outra mulher, e aí começou a fazer de tudo para tirar minha filha de mim”.

De fevereiro de 2017 até janeiro deste ano, a bacharel afirma que tentou conseguir ajuda da Justiça Holandesa para que pudesse ficar com a filha, porém sem sucesso.

“Tinha a guarda compartilhada com meu ex-marido. Em janeiro vim para o Brasil passar férias, autorizada por ele e não voltei, por motivos de saúde. Depois fiquei sabendo que estava sendo acusada de sequestro, sendo que minha filha falava com ele todos os dias”, declarou. Após ter a filha levada, Ana acionou a advogada Claudia Grabois, que até o momento não a representava.

“Não pudemos impedir que a criança fosse levada embora. Agora vou conversar com a Ana para que ela decida qual caminho quer traçar, como um acordo com a Holanda, por exemplo”, informou a advogada.

A reportagem tentou acesso ao pai da criança, mas não conseguiu contato.


Olá, !

Esse é o seu primeiro acesso por aqui, então recomendamos que você altere o seu nome de usuário e senha, para sua maior segurança.



Manter dados