Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

Jovens trocam internet por tricô, crochê e bordados
AT em Família

Jovens trocam internet por tricô, crochê e bordados

Por Luciana Pimentel

 (RENATA , Raísa e Laís bordam juntas em um ateliê que montaram em casa e vendem as peças on-line - Foto: Kadidja Fernandes/AT)
(RENATA , Raísa e Laís bordam juntas em um ateliê que montaram em casa e vendem as peças on-line - Foto: Kadidja Fernandes/AT)

Elas estão na contramão do mundo conectado moderno, onde cada segundo livre é usado para checar as redes sociais, e não poderiam estar mais felizes.

Raísa Cagliari, 26, Laís Cagliari, 16, Renata Pozzatto, 27, e Luiza de Castro, 23, são jovens, lindas, antenadas e usam as horas vagas para fazer tricô, crochê, bordados e macramê.

E a cada dia cresce o interesse de mais e mais pessoas por essas atividades manuais, que ajudam a controlar a exaustão e o estresse do dia a dia.

A psicoterapeuta Kelly Lopes destacou que fazer todo tipo de artesanato, investir em música, meditação ou leitura e até fazer pequenos reparos em casa estimulam o sistema nervoso e podem amenizar os efeitos do estresse, além de retardar os riscos do surgimento da demência.

“Crianças ou jovens com essas atividades na rotina têm menos dificuldade de aprendizagem na escola, porque trabalham a memória, o tempo de concentração e o equilíbrio emocional. Elas ajudam na construção da tolerância, do pensar para depois agir e trabalham a impulsividade, a hiperatividade e a ansiedade”, ressaltou.

A terapeuta Cássia Rodrigues explicou que outro ganho interessante que os adeptos desse tipo de atividade experimentam é o desvio do foco de um determinado problema.

“Se a pessoa está ansiosa ou preocupada com alguma situação, ao se entreter com os trabalhos manuais, o cérebro dela começa a fazer a neuroplasticidade e produzir novos neurônios. Essas atividades são eficientes para controlar o esgotamento causado pelo estresse”, comentou a especialista.

De acordo com a psicóloga Dilma Cursino, uma vez que requer uma boa coordenação mental e motora, não sobra espaço para o estresse e suas complicações.

“Esses trabalhos são tão benéficos que, quando praticados de forma prazerosa, auxiliam no trato da depressão liberando serotonina, que é essencial para o nosso bom humor e bem-estar”, ressaltou.

Raísa Cagliari contou que ela, a irmã Laís e a amiga Renata encontraram no artesanato uma forma de terapia. A atividade cresceu tanto que hoje virou negócio.

“Eu sempre curti mexer com costura e, quando a Laís ingressou no ensino médio, começou a bordar para desestressar. A Renata, que fazia macramê para relaxar, se juntou a nós duas e assim nasceu o ateliê Santa Cata”.


Olá, !

Esse é o seu primeiro acesso por aqui, então recomendamos que você altere o seu nome de usuário e senha, para sua maior segurança.



Manter dados