Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

It - Capítulo 2 Livro e Filme
Claquete

It - Capítulo 2 Livro e Filme

"It" (Foto: Divulgação/IMDb)
"It" (Foto: Divulgação/IMDb)

Por Adilson de Carvalho Santos

Há dois anos atrás Andy Muschietti fez uma excelente adaptação de um dos livros mais assustadores de Stephen King. Alimentando-se do sucesso da série “Stranger Things”, que por sua vez se inspira nos trabalhos do renomado escritor, Muschietti renovou o interesse pelos livros do mestre do horror e fez o público flutuar.

De acordo com Jean-Paul Sartre “todos os homens têm medo”, é instintivo e onipresente no consciente coletivo como em “It – A Coisa” em que o autor trabalhou o medo e sua adaptabilidade nas mentes de crianças e adultos.

Na história original, sete crianças são afetadas pelos assassinatos brutais cometidos por Pennywise, uma entidade capaz de mudar sua forma e se alimentar do medo que instiga antes de matar. Reunidos para caçar e eliminar a criatura, o Clube dos Perdedores, como as crianças se chamam, promete se reencontrar décadas depois, todos já adultos, para enfrentarem Pennywise, que voltou a perseguí-los.

A aventura do livro se divide em dois tempos, no passado quando os membros do clube (Ben, Stanley, Beverly, Mike, Eddie, Ritchie e Bill) têm seu primeiro contato com a criatura em 1958, e na década de 80 quando adultos são atormentados pela volta do palhaço assassino.

Cada um dos membros do clube permite que o autor trabalhe características que são fáceis de nos identificarmos como o menino hipocondríaco (Eddie), o garoto boca suja (Ritchie), o garoto inseguro (Stanley), o gordinho gentil (Bem), cada um espelho de nossa própria infância. A interação entre estes e a passagem para a vida adulta é tão importante para a narrativa quanto o embate com o maligno Pennywise.

Assim, o livro de King, embora cheio de sequências ricas em sustos e pavor, também encontra espaço para mostrar a importância da amizade entre os membros do clube dos perdedores, da mesma forma que King faria com as crianças de seu conto “O Corpo”, incluído na coletânea “Different Seasons” de 1982.

A dinâmica da narrativa é o paralelo traçado entre a infância e a vida adulta, inocência e malícia, vida e morte, temas presentes em diversos trabalhos como as crianças que adoram um deus do mal no conto “As Crianças do Milharal” (Children of the Corn) que compôs os contos da coletânea “Sombras da Noite” (Nightshift) publicado em 1978.

Na bem sucedida adaptação de 2017 a ação de “IT – A Coisa” é transferida para o ano de 1989 se concentrando no elenco infantil, embora no livro seu autor faz constantes idas e vindas no tempo mostrando o efeito das ações de Pennywise no clube dos perdedores formado por Bill Denbrough (Jaeden Martel / James McAvoy), Beverly Marsh (Sophia Lillis / Jessica Chastain), Richie Tozier (Finn Wolfhard / Bill Hader), Ben Hanscom (Jeremy Ray Taylor / Jay Ryan), Mike Hanlon (Chosen Jacobs / Isaiah Mustafa), Eddie Kaspbrak (James Ransone / Jack Dylan Grazer) e Stanley Uris (Wyatt Oleff / Andy Bean).

No elenco, Jessica Chastain foi a primeira do elenco garantida, sugerida pela própria Sophia Lillis quando o diretor, ao final das filmagens do primeiro filme, perguntou ao grupo quem eles gostariam de ver interpretando suas personas adultas. Das respostas dadas, concretizou-se o pedido de Lillis e de Finn Wolfhard, que trouxe Bill Hader (Saturday Night Live, Barry) para o filme. Jessica já havia trabalhado com Muschietti em “Mama” (2013), estreia do diretor de origem argentina em Hollywood com roteiro co-escrito por sua irmã Barbara Muschietti.

Entre os nomes mencionados, mas recusados estavam Jake Gyllenhall (Homem Aranha Longe do Lar), Chadwick Boseman (Pantera Negra), Christian Bale (Batman o Cavaleiro das Trevas) e Chris Pratt (Guardiões da Galáxia).

O clube dos perdedores é um dos grandes achados da história, influenciou a premissa da bem sucedida “Stranger Things” e conquistou o público. Cada um dos membros do clube trabalha características fáceis de se identificar como o menino hipocondríaco (Eddie), o garoto boca suja (Ritchie), o garoto inseguro (Stanley), o gordinho gentil (Ben), cada um espelho de nossa própria infância. A interação entre estes e a passagem para a vida adulta são tão importantes para a narrativa quanto o embate com o maligno Pennywise.

Sejam suas personas infantis ou adultas, King traça um paralelo entre as duas linhas temporais que movimenta a narrativa à medida que o leitor acompanha uma luta entre amigos leais e a própria personificação do mal, de volta 27 anos depois dos eventos anteriores, se alimentando do medo e da morte nas sombras da fictícia Derry.

O diretor Andy Maschietti acertadamente decidiu dividir o filme em duas produções aproveitando assim todo o rico material do livro. Se o primeiro se concentrou nas crianças, o segundo destaca suas versões adultas, com direito a flashbacks recorrentes aproveitando o talento jovial de suas contrapartes.

O CGI precisou rejuvenescer os atores do primeiro filme e Bill Skarsgard mostra mais uma vez uma presença aterrorizante, desta vez com desejo de vingança como afirma o diretor. Este consegue fazer uma transposição imagética eficiente que o difere do livro e da versão de 1991 com Tim Curry, traduzindo algumas das impactantes sequências das letras de King, como um assassinato homofóbico cometido por Pennywise. Ainda houve espaço para criatividade nas filmagens quando o ator James McAvoy (XMen Fênix Negra, Fragmentado) sugeriu a cena em que seu personagem enfrenta Pennywise em uma sala de espelhos, cena inexistente no livro.

O próprio Stephen King escreveu uma cena também original para o filme, admitiu o diretor. Apesar da remoção da sequência final do livro, em favor de um encerramento mais intimista, Muschietti consegue um efeito de fato assustador na consolidação do Kingverso nas telas.

O primeiro corte do filme tinha 4 horas, e por isso algumas das passagens do livro acabaram no chão da sala de edição, provando ser missão hercúlea, a de transpor as mais de 1000 páginas do livro publicado pela primeira vez em 1986.

No final, a projeção ficou com 169 minutos, quase três horas de pavor, mas de impacto emocional inegável graças à habilidade de King como contador de histórias. O diretor confirmou recentemente que assumirá a direção do vindouro filme do super herói Flash para a DC Comics, mas não é de se surpreender se ele ainda voltar aos livros do mestre do horror em novas adaptações, talvez uma versão uncut a ser lançada, ou ainda mesmo um terceiro capítulo, o que talvez não leve sequer 27 anos para tal.


Olá, !

Esse é o seu primeiro acesso por aqui, então recomendamos que você altere o seu nome de usuário e senha, para sua maior segurança.



Manter dados