Grazieli Esposti

Grazieli Esposti

Irmãos: riqueza da vida

“Você percebe que é rica quando possui coisas na vida que não trocaria por dinheiro nenhum”. Com certeza você já deve ter lido ou ouvido esta frase. Desconheço o autor, mas toda vez que a ouço ou leio penso em como a maternidade me tornou rica e agradeço todos os dias pelas minhas duas riquezas, e, ainda, pelo privilégio de poder presentear um com a vida do outro.

Sempre ouvi que ter filho único é ruim, que a criança será sozinha, que não terá “ninguém” quando os pais se forem, que poderá se tornar mimada, egoísta, carente etc. Não concordo! Muitas vezes irmãos não se tornam amigos e pouco dividem a vida adulta, seja pela distância, por serem muito diferentes ou, ainda, por não terem sido criados visando esta parceria.

E sobre no que a criança irá se transformar, também depende muito da criação e personalidade de cada uma, entre outros fatores. Além disso, como tudo na vida, cada família tem suas prioridades e planos e isso deve ser respeitado. Portanto, se você definiu ter apenas um filho, certamente deve ser o melhor para você ou o possível.

Mas uma coisa é certa, um filho único jamais passará por diversas situações que quem tem irmão passa, por motivos óbvios. E para mim, nada é mais construtivo e enriquecedor do que ter um irmão, pois sei o que esta relação nos ensina diariamente sobre a vida.

Óbvio que na infância ou adolescência não conseguimos fazer esta reflexão, mas com a maturidade e ao ver a história se repetir quando temos filhos, fica tudo claro. E vivenciando esta experiência de outro ângulo e em outra posição, somos capazes de avaliar a importância e a influência em nossa formação.

Sou a mais velha da minha casa e quando ganhei um irmão experimentei o sentimento de deixar de ser o centro das atenções de todos, já que teria um bebê pra dividir isso comigo. Em primeira análise, pode parecer cruel, triste, sofrido, mas garanto que entender isso será muito importante para a vida adulta, porque convenhamos, somos apenas mais um nesse mundão e ter esta consciência desde cedo, certamente vai ajudar em nossas relações, pessoais ou profissionais. Ah, e o mundo agradece!

Além de aprender a ser menos egoísta, mais humilde e a ter que dividir, com os irmãos, independente do sexo, também aprendemos as primeiras lições de cuidado e proteção, diferentes das que vivenciamos com nossos pais. Sem falar em parceria, cumplicidade, orgulho, competição, respeito, empatia e resiliência. Aprendizado não falta!

E é lindo e prazeroso demais viver tudo isso com meus filhos! Vê-los crescendo cheios de amor, apesar de todas as brigas, disputas e confusões, não tem preço. É muito gratificante ver um falando para o outro que ele é o melhor amigo, ver a preocupação, carinho e cuidado. E como se defendem! Não tem aquela história, nós podemos brigar, mas não mexe com os meus? É exatamente assim! Realmente só posso agradecer a Deus por tanta riqueza, seja por ter um irmão ou por ter tido mais de um filho. Não trocaria isso por nada. Até a próxima!