search
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

Insegurança suprema
Tribuna Livre

Insegurança suprema

Nos últimos 10 anos o STF debateu e mudou seu entendimento acerca da prisão após o julgamento em segundo grau ao menos cinco vezes. Na última quinta-feira, mudou novamente!

A partir de agora, conforme novo entendimento do STF, somente poderão ir para a cadeia aqueles réus que tenham suas sentenças transitadas em julgado, ou seja, ainda que haja manifestação de algum tribunal, caso ainda caiba recursos aos tribunais superiores, o indivíduo continuará em liberdade.

Conforme números divulgados pelo CNJ, cerca de 4.895 réus que já tiveram suas prisões decretadas podem ser beneficiados com a decisão, sendo soltos imediatamente. Informações obtidas no site do Depen apontam que o Brasil conta com 726.354 presos. Desse montante, 33,29%, ou 241.803 presos, estão na categoria de provisórios, ou seja, ainda não tiveram uma sentença transitada em julgado em seu desfavor.

Outro número que chama a atenção é o de escolaridade das pessoas privadas de liberdade no país. 51,3% (ou 372.619 presos) possuem apenas o ensino fundamental incompleto. Apenas 0.5% de todos os presos brasileiros possuem ensino superior completo.

O documento não informa qual a porcentagem de presos que tem ou teve acesso a advogado particular, no entanto, considerando o altíssimo índice de presos que sequer terminou o ensino fundamental é possível deduzir que a grande maioria não é capaz de custear serviços advocatícios.

O processo penal brasileiro, conforme todos sabemos, oferece uma infinidade de recursos, viabilizando ao bom advogado protelar, ao máximo, o trânsito em julgado da sentença. Uma pergunta, portanto, precisa ser feita. Quais são, ou qual o perfil dos presos brasileiros que podem pagar a um bom advogado?

Muito embora não tenhamos uma resposta exata para a pergunta, os dados apresentados acima nos dão uma ideia da resposta. A maioria esmagadora da massa carcerária de nosso País não tem acesso aos bons e caros advogados que podem passar anos a fio manejando recursos nos tribunais superiores.

A Defensoria Pública tem alcançado bons resultados nos tribunais superiores, no entanto, considerando-se o número de defensores públicos no País e o número de presos, fica fácil imaginar que nem todos conseguirão ter seus recursos encaminhados ao STJ ou ao STF, por exemplo.

A mudança recorrente de entendimentos em questões sensíveis como a aqui apresentada gera grande insegurança jurídica e pode, efetivamente, culminar com a libertação imediata de muitos criminosos que, muito embora ainda não tenham suas sentenças condenatórias transitadas em julgado, já foram condenados por um juiz e tiveram seus processos revisados por um tribunal, demonstrando a grande potencialidade lesiva de seus atos.

Ao que tudo indica, a mudança de entendimento trará inúmeras consequências.

Como exemplos, citamos o desestímulo à colaboração premiada, o aumento na sensação de impunidade, o descrédito do Brasil perante a comunidade internacional, a libertação de presos que podem, efetivamente, cometer crimes contra a sua, ou a minha família, enfim, muitos problemas e pouquíssimos ou nenhum benefício. Certamente, não era essa a intenção dos nossos constituintes de 1988. Certamente, também, não é esse o anseio da sociedade brasileira.

Eugênio Ricas é ex-secretário da Justiça, ex secretário de Controle e Transparência e Mestre em Gestão Pública pela Ufes.
 

Conteúdo exclusivo para assinantes!

Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

Matérias exclusivas, infográficos, colunas especiais e muito mais, produzido especialmente pra quem é assinante.

Apenas R$ 9,90/mês
Assinar agora
esqueceu a senha?

últimas dessa coluna


Exclusivo
Tribuna Livre

Desafios da educação após a pandemia do novo coronavírus

Estudos recentes, como em Todos pela Educação (05/2020), mostram que os desafios com que se defrontarão gestores e profissionais da Educação quando do retorno das aulas presenciais são de tal …


Exclusivo
Tribuna Livre

A digitalização dos planos de saúde acelerada pela pandemia

Grandes desafios podem provocar grandes revoluções. A necessidade de superar adversidades leva a humanidade a repensar hábitos e valores e a usar todo o seu potencial de criação. Nestes tempos …


Exclusivo
Tribuna Livre

A importância da Lei da Fauna capixaba em tempos de Covid

Em dezembro de 2019, foi sancionada a Lei Estadual de Proteção à Fauna que, dentre outros assuntos, cuida da prevenção de doenças advindas da relação humana com os animais, alertando sobre o perigo …


Exclusivo
Tribuna Livre

Relacionamentos abusivos mais evidentes durante a pandemia

É significativo o aumento de casos de violência doméstica durante o isolamento social. Mas, infelizmente, a pandemia apenas traz à tona questões já presentes. É num momento de excesso ou modificação …


Exclusivo
Tribuna Livre

Peste, indiferença e luta

Quando a peste resolve sair de seu recôndito esconderijo e assombrar a humanidade, o desespero e a indiferença vêm na bagagem. Desespero porque, por mais pestes e guerras que já tenham havido na …


Exclusivo
Tribuna Livre

Racismo no Brasil não gera a mesma repercussão que nos EUA

Os casos no Brasil ligados a crimes de racismo não geram a mesma repercussão que há nos Estados Unidos e para isso há razões muito específicas que justificam a banalização da violência racial no …


Exclusivo
Tribuna Livre

Quem paga pensão tem o direito de saber como valores são gastos

Alicerçando-se nos princípios constitucionais da proteção integral da criança e do adolescente e da dignidade da pessoa humana, o Superior Tribunal de Justiça (STJ) modificou entendimento até então …


Exclusivo
Tribuna Livre

Profissões em alta na pandemia influenciam mercado de estágio

A pandemia do coronavírus desestruturou o mercado de trabalho. Além do aumento do desemprego, que subiu para 12,6% no trimestre encerrado em abril deste ano, segundo dados do Instituto Brasileiro de …


Exclusivo
Tribuna Livre

Renda mínima universal no mundo onde não existe almoço grátis

De repente nos deparamos com emergência de saúde pública internacional, com graves consequências em nosso meio, ocasionando, dentre outras medidas visando minorá-las, a instituição de um auxílio …


Exclusivo
Tribuna Livre

Nos 50 anos do Tri, temos pouco futebol e muita maracutaia

Nesta semana comemoramos o aniversário de 50 anos do Tri. A Copa do Mundo do México, realizada em 1970, foi emblemática! O futebol brasileiro da época era inigualável, fazendo com que nossa seleção …


Olá, !

Esse é o seu primeiro acesso por aqui, então recomendamos que você altere o seu nome de usuário e senha, para sua maior segurança.



Manter dados