search
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

Imunidade tributária e o terceiro setor
Tribuna Livre

Imunidade tributária e o terceiro setor

 (Foto: Divulgação)
(Foto: Divulgação)
A Federação das Fundações e Associações do Espírito Santo (Fundaes) comemorou 16 anos no dia 27 de setembro trazendo para o Espírito Santo uma batalha das mais relevantes. Ela lançou, em Vitória, a Carta de Luta pela Imunidade Tributária, publicada em agosto, na Conferência Conect, em Minas Gerais. 

Com este documento, as entidades estaduais congregadas na Confederação Nacional esperam mobilizar as instituições e autoridades para a urgente necessidade do cumprimento efetivo da decisão do Supremo Tribunal Federal (STF), no curso das Ações Diretas de Inconstitucionalidade 2028, 2036, 2621 e 2228 e do Recurso Extraordinário - 566.622.

A mobilização é necessária por conta da ameaça de ser atrasada pelos chamados embargos de declaração, movidos pela sanha arrecadadora estatal.

A Imunidade Tributária significa não exigir das entidades do Terceiro Setor (de ação solidária) que recolham (paguem) o percentual da parte patronal da contribuição previdenciária, como são obrigados os patrões em geral.

Enquanto em diversos países ocidentais e democráticos é comum que as instituições sem finalidade lucrativa, dedicadas a ações solidárias tenham imunidade fiscal, além de incentivos para doadores, no Brasil ocorre o contrário. Falta segurança às organizações sociais em relação ao recolhimento da cota patronal da Previdência.

Necessário e urgente, portanto, fazer “pegar a lei”, ou melhor, a decisão do STF que confirma ser um direito constitucional dos cidadãos .

Indiferentes aos inúmeros e relevantes serviços prestados pelas organizações sociais no País, na cultura cartorialista brasileira, hoje, as entidades ainda dependem de “certificados de filantropia”, ou outros congêneres, todos condicionados a um ato administrativo menor.

Isso apesar de, em 1988, ter sido acrescentado na Constituição Federal o parágrafo 7º do artigo 195 que diz: “são isentas de contribuição para a seguridade social as entidades beneficentes de assistência social que atendam às exigências estabelecidas em lei”.

Nas palavras do Grupo de Trabalho Jurídico das Federações Estaduais de Fundações e Associações e da Confederação Brasileira de Fundações, a “certificação é uma incoerência jurídica para fins da imunidade tributária. Limitar um direito constitucional a uma certidão obtida junto a uma repartição administrativa é arriscar negar a constituição como garantia de direitos, como limitação do exercício do poder”, afirmam.

Também destacam que “o STF declarou que a lei não pode ir além do que diz a Constituição (…) e isto significa que, para o alcance da imunidade tributária, não é necessária qualquer certificação e, muito menos, que os serviços das instituições imunes sejam agregados e suplementares aos de programas de Estado ou de governo”.

Portanto, “as instituições brasileiras veem-se, assim, pela primeira vez, de forma clara, frente à concretização de uma promessa constitucional, de um direito constitucional seguidamente desrespeitado”. (...) “O STF declarou claramente que a imunidade incide sobre um universo maior de instituições do que as certificadas”.

Robson Melo é presidente da Fundaes


últimas dessa coluna


Exclusivo
Tribuna Livre

Papel do contador na legislação fiscal é fundamental para o País

O ano de 2020 evidencia a aparição de verdadeiros heróis necessários ao Brasil, devido à calamidade decorrente da pandemia que assombra o País. Com isto, diversos profissionais se tornaram a …


Exclusivo
Tribuna Livre

Língua brasileira de sinais (Libras) é para todos brasileiros

Quando falamos sobre educação, não podemos deixar de considerar os avanços e as conquistas que o cenário brasileiro tem vivenciado. Contudo, sabemos ainda que tem muito a ser feito e que o caminho …


Exclusivo
Tribuna Livre

Tempo de união pelo Setembro Amarelo

Setembro é o mês de flores, cores, perfumes e de dias mais claros. Também é o mês em que falamos sobre a vida e os sofrimentos de quem vive. Sofrimentos que às vezes levam as pessoas a questionar o …


Exclusivo
Tribuna Livre

Celebrar e reforçar os valores da democracia

Nesta semana foi comemorado o Dia Internacional da Democracia. A data (15 de setembro) foi criada em 2007, pela Assembleia Geral da Organização das Nações Unidas. O objetivo foi defender, …


Exclusivo
Tribuna Livre

Corrupção institucional e descrença social

A expressão “corrupção institucional” é muito mais abrangente do que a mera “corrupção” porque esta se relaciona aos sujeitos individualmente considerados, enquanto aquela diz respeito ao sequestro …


Exclusivo
Tribuna Livre

Saneamento básico para todos é uma dívida social de séculos

Conhecida como o Novo Marco Legal do Saneamento, a sanção da Lei 14.026, em julho, abriu caminho para o Brasil pôr fim à uma dívida social de séculos. O objetivo da nova lei é levar o saneamento a …


Exclusivo
Tribuna Livre

Autoconhecimento é uma regra de ouro da vida

Há quem os critique, há quem os ame; eles já me resgataram do fundo do poço e lhes sou grata: os livros de autoajuda. Acredito no “querer é poder” junto com o “querer é agir para poder”. É preciso …


Exclusivo
Tribuna Livre

Câncer não está em quarentena, e exames precisam ser feitos

A pandemia de Covid-19 mostrou de maneira clara e sem filtro as inúmeras mazelas da sociedade. No Brasil, muitos morreram, milhares ficaram doentes e tantos outros perderam seus empregos. Além disso, …


Exclusivo
Tribuna Livre

Lições do surfe e de uma saudável convivência

O Espírito Santo é um grande destino do surfe nacional, com praias de ondas perfeitas, boa localização e fácil acesso, com infraestrutura para seus praticantes. O surfe evoluiu, não é mais o esporte …


Exclusivo
Tribuna Livre

O novo presente, a ansiedade de futuro e o desafio da esperança

“Existirmos: a que será que se destina?” À beira da perda que desatina, Caetano fez filosófica rima para questionar a vida e sua sina. Ao incrementarmos o subir à tona da existência, após mergulho …


Olá, !

Esse é o seu primeiro acesso por aqui, então recomendamos que você altere o seu nome de usuário e senha, para sua maior segurança.



Manter dados